segunda-feira, 15 de junho de 2020

O poder emana do povo...

Mendonça diz que instituições devem respeitar urnas e pede autocrítica
Ministro da Justiça publicou nota
Manifestação foi pelo Twitter
Poder360
André Mendonça, no Palácio do Planalto, durante cerimônia de posse como ministro da Justiça e Segurança Pública

O ministro da Justiça, André Mendonça, publicou na noite deste domingo (14.jun.2020) uma nota em que afirma que as instituições devem respeitar “vontade das urnas e o voto popular”. A manifestação foi publicada por meio da conta de Mendonça no Twitter.

“A democracia pressupõe, acima de tudo, que todo poder emana do povo. Por isso, todas as instituições devem respeitá-lo. Devemos respeitar a vontade das urnas e o voto popular. Devemos agir por este povo, compreendê-lo e ver sua crítica e manifestação com humildade. Na democracia, a voz popular é soberana”, escreveu.
O pensamento exprimido neste trecho da nota é similar a argumentação de bolsonaristas em falas sobre a relação do governo com os outros poderes, principalmente o STF (Supremo Tribunal Federal). Há, entre apoiadores do presidente, o sentimento de que o Judiciário não deixa Bolsonaro governar, apesar de ele ter vencido a eleição.

“A democracia pressupõe o respeito às suas instituições democráticas. Qualquer ação relacionada à Presidência da República, ao Congresso Nacional, ao Supremo Tribunal Federal ou qualquer instituição de Estado deve pautar-se por esse respeito”, disse Mendonça.

No fim de semana, apoiadores de Bolsonaro simularam, com fogos de artifício, 1 bombardeio ao Supremo. O presidente do STF, Dias Toffoli, respondeu ao ato dizendo que a Corte não aceita ameaças.

No fim de sua nota, André Mendonça pede uma autocrítica geral: “Todos devemos fazer uma autocrítica. Não há espaço para vaidades. O momento é de união. O Brasil e seu povo devem estar em 1º lugar”.

Mendonça era advogado-geral da União até abril, quando assumiu a Justiça no lugar de Sergio Moro. É homem de confiança de Bolsonaro. Já como ministro da Justiça, assinou 1 pedido de habeas corpus para evitar que o ministro da Educação, Abraham Weintraub, prestasse depoimento à Polícia Federal. Também pediu o fim o inquérito das fake news. Esse tipo de movimento normalmente é da Advocacia Geral da União.

Leia a íntegra da nota divulgada pelo ministro:

“Em tempos tão difíceis, é essencial voltarmos aos princípios:

1º. A democracia pressupõe, acima de tudo, que todo poder emana do povo. Por isso, todas as instituições devem respeitá-lo. Devemos respeitar a vontade das urnas e o voto popular.

Devemos agir por este povo, compreendê-lo e ver sua crítica e manifestação com humildade. Na democracia, a voz popular é soberana.

2º. A democracia pressupõe o respeito às suas instituições democráticas. Qualquer ação relacionada à Presidência da República, ao Congresso Nacional, ao Supremo Tribunal Federal ou qualquer instituição de Estado deve pautar-se por esse respeito.

3º. Portanto, todos devemos fazer uma autocrítica. Não há espaço para vaidades. O momento é de união. O Brasil e seu povo devem estar em 1º lugar.”

Nenhum comentário: