terça-feira, 8 de outubro de 2019

Polícia é polícia, bandido é bandido. Se misturar...

'Agente duplo' do Bope: PM fez 'leilão' de armas e drogas para traficantes
Segundo informações, PM recolhia itens apreendidos e realizava leilões para milicianos e integrantes de facções; escutas autorizadas confirmam acordos
IG
Escutas mostraram que PM entrava em contato com diversos chefes de facções para conseguir o 'melhor preço' pelos produtos

No dia 20 de março de 2015, policiais militares do Bope apreenderam um fuzil, munição e drogas no Complexo da Serrinha, em Madureira, na Zona Norte do Rio. Um PM da chamada Tropa de Elite da corporação “leiloou” parte do material encontrado na ação, que foi oferecido para traficantes da própria comunidade e também para milicianos.

Uma conversa entre o PM e um criminoso identificado como Coelhão consta em uma investigação da Corregedoria da Polícia Militar. As mensagens foram interceptadas pela Polícia Federal com autorização da Justiça entre 2014 e 2015 e encaminhadas para a corregedoria, que apura a relação entre os criminosos e PMs.

O diálogo entre o traficante e o policial ocorreu no dia 21 de março. Na conversa, travada pelo aplicativo BlackBerry Message, o PM oferece um fuzil AK 47, munição e carregadores. Quando o criminoso pergunta o valor do material, o policial faz uma espécie de leilão : “O pó (cocaína) e o AK (fuzil) ele está vendo porque o maluco da milícia lá em Campo Grande quer pagar R$ 45 (mil) na mão e o pó tem um cara lá querendo pagar porque eles estão falando que é puro”, afirma.

O PM ainda afirma a Coelhão que a equipe responsável pela apreensão que estava vendendo não tinha sido a sua, por isso ele tentava negociar que o material fosse vendido aos traficantes da Serrinha. “Mas o zero um me jurou que amanhã vai resolver. Porque agora eles estão indo para o Complexo (do Alemão), mas amanhã vou na direção dele e vou resolver isso sem falta para vocês”, afirmou o PM.

Coelhão é um dos braços direitos do chefe do tráfico na Serrinha, Walace de Brito Trindade, o Lacoste. O telefone grampeado pela Polícia Federal com autorização da Justiça era o de Lacoste. Em determinado período, o aparelho passou a ser usado por Coelhão.

Quatro dias depois do diálogo com Coelhão, o policial oferece a um traficante do Complexo da Pedreira, em Costa Barros, um policial que havia sido apreendido no Complexo do Chapadão, dominada por uma facção rival. Atualmente, os criminosos dos dois conjuntos de favelas estão em guerra. O PM afirma ao criminoso, identificado como Gordão, por R$ 45 mil. “Está puxado”, responde o bandido, que achou a arma cara.

O policial militar do Bope que aparece em contato com os criminosos ainda não foi identificado pela corregedoria.

As investigações revelaram que além de negociar armas e drogas com os bandidos, o policial também avisava aos criminosos da Serrinha sobre operações policiais nas favelas da facção da qual faziam parte. “Meu rei, tem contato com o mano lá na Vila (Aliança)? Dá o papo nele que o marimbondo vai lá amanhã cedo, mas manda ele mandar um presente pra equipe pelo toque”. “O mano” citado pelo policial era Rafael Alves, o Peixe, então chefe do tráfico da Vila Aliança.

Outro policial do Bope é alvo da mesma investigação da corregedoria por ligação com o tráfico de drogas. Como divulgado nessa segunda-feira pelo Extra, o PM sugeriu a Lacoste a forjar um assalto para executar um oficial do 9º BPM (Rocha Miranda) que chefiava, na ocasião, uma ocupação policial na Serrinha. O policial, que dava detalhes da rotina do Bope para o traficante e o alertava previamente sobre operações da unidade.

Nenhum comentário: