terça-feira, 29 de outubro de 2019

Construindo palácio...

A mansão inacabada do traficante internacional Sheik em imagens exclusivas: do luxo ao abandono
G1 obteve com exclusividade fotos e vídeos atuais da residência que era construída por Joseph Nour Edinne Nasrallah e que ficou em estado de abandono após a prisão dele em 2007. Imóvel chegou a ser sequestrado pela Justiça.
Por G1 Campinas e Região
Veja como está a mansão do traficante internacional de drogas Sheik, em Valinhos

Um império inacabado de torres de mármore com detalhes em ouro. O G1 obteve com exclusividade imagens atuais externas e do interior da mansão construída pelo traficante internacional de drogas Joseph Nour Edinne Nasrallah, o Sheik, em um condomínio de luxo em Valinhos (SP). Sem barreiras físicas que impeçam a entrada de quem está no condomínio, o cenário chega a ser sombrio em meio à tanta riqueza.

Documentos de cartório obtidos pelo G1 mostram detalhes da mansão construída em uma área de 5.135,40 m². Uma propriedade em nome do filho de Sheik, que tinha 3 anos na época em que a Operação Kolibra da Polícia Federal foi deflagrada, em 2007, e que chegou a ser um bem sequestrado pela Justiça. 

A defesa de Joseph Nasrallah foi procurada para comentar o caso, mas não retornou ao contato do G1.
Mansão construída pelo traficante internacional de drogas Sheik em Valinhos 

Como era a mansão em 2007

3,6 mil m² de área construída
Elevador, ar condicionado central, detalhes em ouro
Mármores de diversos tipos em muros, colunas e pilastras
Banheira de ouro avaliada, em 2007, em R$ 120 mil
Mansão avaliada, em 2007, em R$ 40 milhões

Como está em 2019

Sinais de abandono
Sem portões ou grades
Sem portas e janelas
Materiais de construção, tapumes e equipamentos da obra deixados para trás
Sistema de ar condicionado deteriorado
Imagens exclusivas mostram detalhes da mansão de 'Sheik', preso por tráfico em Campinas
Interior da mansão de Sheik com equipamentos de obra deixados no local, um condomínio de luxo em Valinhos. 

Sheik foi preso por associação para o tráfico internacional de drogas em janeiro daquele ano. O grupo chefiado por ele comprava cocaína em países vizinhos ao Brasil e transportava droga para os Estados Unidos, Europa e África, por meio de contêineres em navios e pessoas pagas para levar o entorpecente no corpo ou bagagem. A ação teve apoio da polícia da Europa, prendeu 58 pessoas e apreendeu mais de 3 toneladas de cocaína.

Joseph Nasrallah cumpriu pena em regime fechado até progredir para o semiaberto e não retornar à prisão, em 2 de janeiro de 2017. Estava foragido desde então.

No dia 18 de outubro, ele foi preso em Campinas (SP) após investigação por tráfico na capital paulista. Nos últimos anos, também chegaram ao fim processos que resultaram na condenação dele por tráfico internacional de drogas e corrupção passiva.

Ele foi encaminhado para o Centro de Detenção Provisória Belém I e transferido na última quarta-feira (23) para a Penitenciária I "Paulo Luciano de Campos" de Avaré (SP).
Joseph Nour Eddine Nasrallah, conhecido como Sheik, preso em Campinas (SP) no dia 18 de outubro 

Luxo deixado para trás

O abandono na mansão é evidente. As obras estavam em pleno vapor quando Sheik foi preso em 2007. Ainda seguiram por um tempo até serem bruscamente interrompidas. É o que mostram equipamentos, tapumes, baldes e materiais de construção deixados para trás.

Sem portas e janelas na casa e sem portão principal, o acesso de quem transita no interior do condomínio à chácara de 5,1 mil metros quadrados da residência não encontra barreiras físicas. Também não há grades completando o muro revestido com mármore.

Apesar do abandono da obra e da sujeira, é possível perceber que há manutenção da grama na área externa da mansão. Logo na entrada, uma grande piscina que estava sendo construída. E não é preciso elevar tanto o olhar para perceber os detalhes em ouro nas colunas imensas.
Colunas com detalhes em ouro na mansão de Sheik, em Valinhos. 

A variedade de tipos de mármore também é algo que se vê facilmente da entrada. O hall principal tem escada central como em filmes de cinema. No alto, uma cúpula de vidro e uma instalação para ar condicionado central, já deteriorada pelo tempo.

Os cômodos próximos da entrada guardam muitos materiais usados na obra que ficaram no local.

Era o imóvel que o então magnata do petróleo - como era conhecido por moradores até ser desmascarado - prestigiaria, se não tivesse ido para a cadeia.
Sistema de ar condicionado central na mansão do traficante Sheik, em Valinhos. 

Como Sheik foi encontrado

Uma investigação permanente na favela de Paraisópolis, na capital paulista, apontou Joseph Nasrallah, como suspeito de tráfico de drogas. A Polícia Civil obteve informações de que ele estaria em Campinas, mais precisamente almoçando em um restaurante do hotel Royal Palm Plaza, estabelecimento de alto padrão.

"Receberam informações de que estaria em Campinas uma pessoa procurada negociando droga. E localizaram o Sheik", conta a delegada Roberta Guerra do 89º Distrito Policial (DP) da capital paulista.

A informação foi recebida pelos policiais na mesma semana em que ele foi preso. Sheik entrou sozinho no estabelecimento e também estava sentado sozinho quando foi abordado. O hotel informou ao G1 que não cederá imagens do dia do ocorrido.
Prisão do traficante internacional de drogas Sheik em Campinas, no dia 18 de outubr

"Foram dois mandados cumpridos, um por recaptura e outro por condenação. Os dois que estavam em aberto. São relacionados a casos de tráfico e associação criminosa".

Sobre o processo que apura o tráfico na favela paulistana, Sheik ainda é suspeito. Na data da prisão, em contato feito com uma das advogadas dele, a defensora disse que não tinha informações sobre a prisão do cliente.
Imagem de drone mostra mansão do traficante internacional Sheik, em Valinhos. 

Condenações e situação dos bens

De acordo com a 7ª Vara Criminal da Justiça Federal, Joseph Nasrallah foi condenado a 10 anos e 8 meses de prisão por associação para o tráfico internacional de drogas, na Operação Kolibra, em 2007.

Como resultado da mesma operação da PF, Sheik também foi condenado a 8 anos de prisão por tráfico internacional de drogas e a 4 anos por corrupção passiva. Segundo a Justiça Federal, ele tinha esquema para ter informações privilegiadas para que ele não fosse preso em flagrante.

Em nota, o Tribunal de Justiça de São Paulo informou que o traficante teve recursos negados em relação às condenações sobre tráfico de drogas.

Somadas, as penas chegam a 12 anos de prisão em regime fechado, sem contar o tempo que ele deixou de cumprir relativo à primeira condenação, que, por conta da fuga no regime semiaberto, ainda será estipulado pelo juiz.
escada na entrada da mansão do traficante internacional de drogas Sheik, em Valinhos. 

Os bens apreendidos ou sequestrados na época, entre eles a mansão, fazem parte de um processo de lavagem de dinheiro, também resultado da operação da PF. De acordo com a 2ª Vara Criminal na capital, ele foi absolvido e o processo foi arquivado em dezembro de 2013.

"Não remanescem quaisquer bens apreendidos e/ou sob constrição judicial/sequestrados no feito", informou a 2ª Vara, por nota.

O órgão federal ressaltou que "o réu foi absolvido na ação que tramitou na 2ª Vara Federal Criminal de São Paulo, porém não temos conhecimento sobre outros possíveis processos envolvendo o réu".
Piscina construída no quintal da mansão do traficante internacional de drogas Sheik, em Valinhos. 
Entrada da mansão do traficante internacional Sheik, em Valinhos, não tem portões. 

Nenhum comentário: