segunda-feira, 30 de setembro de 2019

A Lava Jato é forte!

Lava Jato 2.0
Guilherme Fiuza - GazetadoPovo
Plenário do STF
Plenário do STF

O Supremo Tribunal Federal embarcou num truque dos advogados da bandidagem e atentou contra o próprio Poder Judiciário. Usar uma premissa sobre o cronograma dos processos – não amparada em lei – para tornar sem efeito condenações já sentenciadas é muito grave. O STF é uma vergonha maior do que você supunha.

E agora? Agora, nada. Tudo igual. Esse truque específico ainda não tinha sido tentado pelos supremos companheiros, mas várias outras cascas de banana e malandragens do direito tarja preta já tinham sido lançadas contra a operação Lava Jato. Inquéritos sobre a Odebrecht já foram fatiados pelo STF, por exemplo, para que saíssem das mãos do então juiz Sergio Moro na eterna tentativa de aliviar Lula. Não adiantou nada.

Algumas investigações acabam sendo prejudicadas ou retardadas com essas rasteiras, puxões de cabelo e dedo no olho praticados por suas excelências togadas. Mas a Lava Jato é a Lava Jato – e não qualquer das outras forças-tarefa que não chegaram aos seus pés – porque seu padrão de investigação é impecável. A forma como Sergio Moro sentenciou Lula é uma aula de estratégia. Foi um longo cerco, porque uma alma honesta como a do ex-presidente conta com inúmeras coreografias acima da lei, montadas por seus advogados milionários e executadas com a ajuda de muita coação e pressão política.

Se a Lava Jato não morreu na praia com Lula, não morre mais.

O STF confirmando em definitivo a decisão surrealista do caso Bendine – mandando os processos retrocederem para a defesa poder ler as alegações dos outros réus antes de apresentar as suas – uma série de punições serão prejudicadas. Por outro lado, a força-tarefa tem uma infinidade de frentes de investigação abertas e várias delas, a todo momento, chegam a termo para novas condenações – desses mesmos réus e de outros comparsas que ainda não tinham entrado no radar da operação. O STF é uma vergonha mas não tem o poder mágico de apagar crimes (embora desejasse ter).

Se o processo do sítio de Atibaia voltar à primeira instância, por exemplo (um escândalo), Lula ficará sem a pena recebida em sua segunda condenação – 12 anos e 11 meses a menos. Um retrocesso em termos de justiça, sem dúvida. Mas ele é réu em outros oito processos, com alguns chegando a termo – como o que envolve corrupção em Angola via BNDES – e aí está o que importa: a elucidação do assalto ao Estado brasileiro e a punição dos criminosos prosseguirá. Não apenas desmascarando esse populismo cleptocrático travestido de progressismo, como vacinando as instituições contra o sequestro político.

Com um detalhe importante: Lula vai ganhar tempo no caso de Atibaia, mas vai ser condenado de novo – pelo simples fato de que é ladrão e isso está solidamente demonstrado no processo. Passará a poder ler as delações dos outros réus antes de apresentar suas alegações finais? Divirta-se, vai pegar cana do mesmo jeito. E aí não vai mais adiantar pedir para voltar o filme.

Atibaia e o Triplex do Guarujá são duas provas visíveis da corrupção de Lula associado a um cartel de grandes empreiteiros para roubar o Brasil, mas há várias outras – e os agentes da Lava Jato têm uma multidão de dados sobre a ação da quadrilha e suas ramificações. A delação-chave de Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS, por exemplo, traz uma massa colossal de informações que vão gerar novas linhas de investigação e de acusação. Essa devassa não tem volta.

O povo continuará indo às ruas contra a picaretagem do STF – o que até aqui dissuadiu o circense tribunal de soltar Lula na mão grande – e os integrantes da Lava Jato ganham uma motivação adicional. Uma alta corte agindo em conluio com advogados nadando em dinheiro roubado é uma razão de viver para qualquer verdadeiro homem da lei. Que esse escárnio seja transformado em oportunidade para fortalecer as investigações onde elas foram constrangidas – como no plano de fuga de Cerveró, que envolve gente graúda do assalto ao pré-sal e não teve as devidas punições.

A Lava Jato já mostrou ao Brasil – e vai mostrar de novo – que o Padrão Moro veio para ficar.

O texto da matéria desmantela a manchete...

“Sob comando de Moro…”
O Antagonista

A manchete da Folha de S. Paulo:

“Sob comando de Moro, cai número de operações da PF”.

E quais são os dados citados pela reportagem?

– “Apesar de menos atividades nas ruas, cresceram o número de investigações e os valores de bens apreendidos de 2018 para 2019.”

– “Em casos relacionados a crime organizado, facções criminosas e crimes violentos, foram recolhidos R$ 548,1 milhões em patrimônio de investigados de janeiro a julho deste ano, mais que em todo 2018 (R$ 451,5 milhões).”

– “Até agosto de 2019, foram 67 toneladas de cocaína, quase o total de todo o ano passado.”

– “No mesmo período, foram tomados de traficantes 364,8 mil comprimidos de ecstasy, contra 295,3 mil em todo 2018.”

– “A PF sustenta ainda que o número de operações deflagradas não reflete, obrigatoriamente, o número de operações em andamento. Como exemplo, diz que havia cerca de 500 operações em curso no início do segundo semestre de 2018 e, atualmente, 738.”

A Folha de S. Paulo pode tentar derrubar Sergio Moro e o diretor-geral da PF, mas é evidente que isso não tem nada a ver com a notícia.

domingo, 29 de setembro de 2019

Nosso pranteado adeus ao amigo Olivan Big Boy Pereira.

Se não teremos Big Boy entre nós, nada voltará a ser igual como antes
Blog do JoséDiasNeto

Apesar da exaustão física, eu não conseguiria dormir, sem antes falar sobre o agora, inesquecível Olivan Pereira, o Grande Homem desta cidade, que faleceu na manhã deste sábado no Hospital Regional de Cajazeiras.

Durante toda semana, ao lado de Petson Santos cumprimos agenda profissional na capital João Pessoa. Na ida já havíamos planejado nosso regresso para este sábado, dia 29. Hoje, fomos surpreendidos com a triste notícia do falecimento daquele que era o amigo de todos, Big Boy.

Ao saber do ocorrido, confesso que uma imagem tomou minha visão, e como em um sonho, imaginei que eu estava na Avenida Engenheiro Carlos Pires de Sá, mais precisamente na calçada da Poly Sorte, conversando com pessoas das mais variadas idades, cujo centro das atenções era um ‘cadeirante’ pra lá de extrovertido que fazia piada de tudo e contava hi(e)stórias das mais variadas. Acalentei meu coração, com esse déjà vu. Mas prossigo.

Sempre tive comigo a certeza de que Big Boy viveu intensamente sua vida, fazendo sempre o que lhe trazia felicidade, e sem dúvidas, foi sempre um homem sem limites.

No regresso à Cajazeiras, sou surpreendido pelo amigo Petson Santos que reproduz a entrevista que Olivan prestou ao programa Interview da TV Diário do Sertão no ano de 2013, no som do veículo e pude mais uma vez mergulhar no universo da narrativa de Big, que como ninguém sabia tirar o melhor do pior em todas as situações.

Ele teve uma infância extremamente difícil mas não foram os empecilhos impostos pela sua realidade que o impediram de traçar uma nova história. Nas páginas da sua caminhada constam capítulos marcantes, como por exemplo a sua passagem por quase todas as emissoras de rádio de Cajazeiras; sua experiência na TV Diário do Sertão; a atuação política, entre tantas outras que somos incapazes de transcrever neste momento tão delicado.

Dono de uma audição apurada e de uma ótica aguçada, Big Boy era para muitos um conselheiro. Não consigo mensurar quantas vezes procurei seus conselhos, ou quantas vezes presenciei amigos pedindo conselhos ao experiente amigo Big Boy. Ele sempre deixou estampado na cara, sua a alegria de viver e de conviver com seus amigos diariamente. Ficava feliz nos tradicionais encontros de cajazeirenses e cajazeirados, porque conseguia reencontrar e encontrar os amigos de sempre.

Eu particularmente, semanalmente conversava com Big Boy minutos antes da sua gravação do Direto ao Ponto (coluna na TV e Portal Diário do Sertão). Ora elogiado, ora alertado, ouvi-lo era sempre um aprendizado gratuito, gostando ou não, sempre procurei seguir seus ensinamentos. Muita das vezes engoli a seco suas broncas, porque na maioria delas, ele estava certo.

É muito difícil saber que não conseguirei mais falar com Olivan e que obrigatoriamente terei que me confortar com o que vivi até semana passada.

Na entrevista que menciono acima, Big Boy diz que três palavras o definem: ‘Amor, Sinceridade e Honestidade’. Ele como ninguém conseguia ser amoroso (ao falar da família constatamos isso), sincero no sentido mais concreto da palavra e honesto em todas as situações.

Olivan também era um homem religioso, fazia questão de participar das festas das paróquias da cidade, mas era o Monte Carmelo que ele dedicava parte da sua devoção. As irmãs carmelitas confirmam isso.

Encerro por aqui com o olhos marejados, porque sinto muito o falecimento deste amigo que Deus me presenteou, mas procurarei guardar a história de superação de Big Boy como combustível para minha caminhada, e sugiro que os amigos também sigam este conselho. Apesar de tudo que a vida lhe impôs, Olivan manteve-se firme e lutou até o fim para viver. Não estará presente fisicamente, mas espiritualmente ele sempre estará velando por nós.

Siga em paz meu grande amigo, você deixará saudades em muitos corações, mas acima de tudo, lembraremos sempre da sua alegria irradiante.

JOSÉ DIAS NETO
Charge do cartunista Luis Fernando Mifô e a ‘chegada de Big Boy no céu’

sábado, 28 de setembro de 2019

Adeus, Big Boy da cidade...

Cartunista cajazeirense homenageia Olivan Pereira com charge que está emocionando amigos e familiares
Luis Fernando Mifô publica tirinhas e charges nas redes sociais e tem chamado atenção do público
DIÁRIO DO SERTÃO
Olivan Pereira faleceu na manhã deste sábado (28), no Hospital Regional de Cajazeiras, vítima de infarto

O cartunista e ilustrador cajazeirense Luis Fernando Mifô homenageou o radialista e músico Olivan Pereira, o Big Boy de Cajazeiras, com uma charge que está emocionando amigos e familiares.

Big Boy faleceu na manhã deste sábado (28), aos 62 anos, no Hospital Regional de Cajazeiras, após sofrer um infarto. Na charge do artista cajazeirense, ele surge subindo aos céus sorridente, com destaque para três grandes paixões do radialista: o Flamengo, o Atlético de Cajazeiras (no boné) e o microfone.

Luis Fernando Mifô publica tirinhas e charges no Facebook e no Instagram e tem chamado atenção do público e da imprensa. Recentemente ele ilustrou a segunda edição do livro de poesia “Cajazeiras, uma aldeia poética”, de Irismar di Lyra, e teve uma charge compartilhada pelo ex-governador Ricardo Coutinho que acabou se tornando símbolo da campanha contra o fechamento do Centro Cultural Bando do Nordeste (CCBNB) de Sousa.
Charge do cartunista Luis Fernando Mifô

Adeus, Olivan Pereira

A todos os amigos do nosso inesquecível Olivan Big Boy Pereira comunicamos que o velório de Big Boy acontece na Central de Velório Memorial Esperança, ao lado do Hospital Regional de Cajazeiras.

Amanhã (domingo), será celebrada missa de corpo presente às 08:00h, na Catedral Nossa Senhora da Piedade.

Em seguida, acontecerá o sepultamento às 09h00.

Adeus, meu amigo Big Boy

Morre na manhã deste sábado o radialista Olivan Pereira, o Big Boy
Olivan Pereira faleceu na manhã deste sábado.

Morreu na manhã deste sábado, dia 28 de setembro, o radialista cajazeirense Olivan Pereira, “o Big Boy da cidade”.

De acordo com as primeiras informações repassadas à imprensa, o radialista faleceu após sofrer um infarto fulminante. Ele ainda foi socorrido para o Hospital Regional de Cajazeiras, saiu sorrindo, mas não resistiu e foi a óbito.

Big Boy era um grande conhecido do rádio cajazeirense, com cerca de 30 anos de atuação. Trabalhou grande parte do tempo na Difusora Rádio Cajazeiras, mas também atuou em outras emissoras, como Rádio Alto Piranhas e Mais FM. Ele também era músico e foi secretário de Comunicação de Cajazeiras na administração da prefeita Denise Albuquerque (2013-2016), além de assessor de imprensa da Câmara Municipal. Nos últimos anos vinha enfrentando sérios problemas de saúde por conta do Diabetes.

A notícia deixou colegas de imprensa e ouvintes admiradores de Big Boy tristes.

Por Dida Gonçalves
Radar Sertanejo

Adeus, Big Boy.

Faleceu em Cajazeiras Olivan Pereira “O Big Boy da Cidade”
JotaSoares
28 set 2019
O radialista Olivan Pereira, O Big Boy da Cidade de Cajazeiras, morreu na manhã deste sábado dia 28, vítima de um infarto fulminante.

Big Boy, ainda foi socorrido pelo SAMU ao HRC, mas não resistiu e veio a óbito.

sexta-feira, 27 de setembro de 2019

Apoiar ou não o governo Bolsonaro? Um liberal expõe suas razões.

Até quando apoiar o governo Bolsonaro?
João Cesar de Melo - InstitutoLiberal.org.br
(Enfatizo, como de praxe, que o texto abaixo representa minha opinião particular, não necessariamente a do Instituto Liberal)

Acompanho as críticas dos liberais ao atual governo. Concordo com todas elas. Eu também acho bizarras muitas das declarações de Jair Bolsonaro e absurda a indicação do filho dele para ser o novo embaixador brasileiro nos Estados Unidos. É decepcionante sua indiferença aos ataques à Lava Jato, a preservação de certos privilégios na reforma da Previdência e sua resistência em se livrar de certas estatais. O PSL é um lixo de partido, como todos os outros.

Porém, eu tenho uma memória muito boa. Lembro-me muito bem do que tínhamos no governo até muito pouco tempo atrás; e que todo aquele mal por muito pouco não retornou ao poder.

Resumindo numa frase: em terra de PT e Lula, Bolsonaro é santo!

É só uma frase de efeito, talkei? Não precisam me xingar também por isso.

Além de ter uma boa memória, sou muito pragmático. Não fico fantasiando um governo que me represente como indivíduo, que seja o liberal dos meus sonhos. Como já explicou F. A. Hayek, a democracia leva ao poder o menor denominador comum de uma sociedade. Já tivemos Lula. Já tivemos Dilma. Para nossa sorte, hoje temos Jair Bolsonaro, não Fernando Haddad.

Meu pragmatismo não me deixa sofrer por causa das frases desastrosas do atual presidente, nem pelos ataques dos bolsonaristas aos críticos. Não me importo mesmo. Estou na rua todos os dias. Sou um cidadão comum. Vivo no mundo real, dos resultados. Frases e memes não matam, nem desempregam ninguém.

Apesar de reconhecer os defeitos e limitações de Jair Bolsonaro, continuo apoiando seu governo porque ele foi eleito com a proposta mais liberal da história recente do Brasil. Há meros cinco anos, não passava de um sonho distante ter um ministro da Fazenda como Paulo Guedes ou a aprovação de algo como a MP da Liberdade Econômica. Pessoas pragmáticas enxergam isso. Eu não votei em Jair Bolsonaro porque gosto dele. Votei porque era o que a democracia nos ofereceu.

Mas eu posso retirar meu apoio a qualquer momento, desde que eu veja certas coisas:

Se Jair Bolsonaro…

Lançar um programa econômico baseado em subsídios à grandes empresas como Lula e Dilma fizeram;

Assinar medidas que burocratizam e encarecem ainda mais a vida do cidadão comum e das empresas como Lula e Dilma também fizeram;

For denunciado por coordenar esquemas de corrupção como os que Lula e Dilma coordenavam na Petrobrás, no BNDES e noutras tantas estatais;

Provocar uma recessão tão profunda como a que Dilma provocou;

Deixar a violência aumentar, como ocorreu durante os governos petistas;

Nomear uma dúzia de ministros denunciados por corrupção, como Dilma fez;

Distribuir dinheiro para grupos de militantes, como Lula e Dilma fizeram;

Desviar dinheiro dos brasileiros para ditaduras no exterior.

Se Bolsonaro fizer tudo isso, eu retiro meu apoio ao governo dele. Como acho impossível que ele ou qualquer outro presidente supere os absurdos petistas, é mais provável que eu siga até agosto de 2022 apoiando seu governo. Se nas próximas eleições surgir um candidato melhor e com condições de vencer, eu troco de apoio tranquilamente.

O que eu não farei em hipótese nenhuma é me juntar ao PT para enfraquecer um governo que tomou posse há apenas oito meses, justamente para tentar consertar o estrago que o mesmo PT provocou.

Por enquanto, o que chama minha atenção é a retomada do crescimento econômico, a queda no desemprego, a desburocratização de muitos setores e a redução de 22% no número de assassinatos no país em apenas seis meses.

Na primeira página do Jornal do Commercio


As manchetes do jornal O Estado de São Paulo


Na capa do jornal Correio da Bahia


quinta-feira, 26 de setembro de 2019

Decisão do TSE

Campanha de Bolsonaro não fez disparos em massa no WhatsApp, julga TSE
Andrea Torrente, especial para a Gazeta do Povo
Twitter de Bolsonaro: presidente ao celular
O presidente Jair Bolsonaro.| Foto: Isac Nóbrega/PR

O Tribunal Superior Eleitoral decidiu nesta quinta-feira (26) que Jair Bolsonaro (PSL) e Hamilton Mourão (Republicanos) não realizaram disparos de mensagens em massa pelo WhatsApp durante a campanha eleitoral em 2018. A decisão é do ministro Jorge Mussi. A ação, que questiona a legitimidade da eleição do atual presidente, foi movida pelo Partido dos Trabalhadores a partir de uma série de reportagens publicadas na Folha de S. Paulo a partir de dezembro do ano passado.

A decisão estabelece que “não há indício de que a AM4 [empresa contratada pela campanha de Bolsonaro] tenha fechado contratos para disparo em massa” e que não há “indícios materiais que sustem as dúvidas lançadas” na reportagem. Além disso, segundo o juiz, o WhatsApp não cometeu nenhuma irregularidade.

A Operação Calvário vai parar?

CALVÁRIO EM ALERTA – MP da Paraíba pode receber inspeção de Conselho Nacional por divergências e curso das investigações
Blog do Helder Moura
Vem de Brasília a informação de que o Ministério Público da Paraíba poderá receber em, em breve, uma inspeção do CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público). Até onde o Blog pode apurar, divergências internas no MP do Estado poderiam estar comprometendo o andamento de algumas operações, especialmente da Calvário e Xeque-Mate.

Há também a suspeita de que forças externas estariam atuando junto a setores do MP, também com o objetivo de frear o curso das investigações, especialmente a partir da delação da ex-secretária Livânia Farias que, inclusive, já resultou no desvendamento do escândalo do Propinoduto. Esses abalos sísmicos teriam sido captados pelos sensores do Conselho Nacional.

O fato é que, apesar de informações extra-oficiais indicarem que as investigações já chegaram a vários figurões, há meses, não há mas operações no âmbito da Calvário.

Simples assim...

Dois pesos e uma medida...

Por que a morte de Rhuan não “interessou” a mídia e a de Ágatha sim?
Alfredo Bessow - Jornaldacidade
A forma leviana e intencionalmente covarde como a mídia tratou a morte de duas crianças revela bem o viés ideológico que domina a mídia nacional – uma, omitindo. A outra, tornando mártir…

A morte do menino Rhuan no dia 31 de maio em Samambaia, no Distrito Federal, foi um dos crimes mais bárbaros cometidos nos últimos anos. Bárbaro e hediondo. Uma morte causada pela “ideologia de gênero”. Na verdade, ele veio sendo morto covardemente pelo casal de lésbicas ao longo de muitos meses os requintes de crueldade revoltam a qualquer um: teve o pênis decepado porque a mãe, Rosana Auri da Silva Cândido, 27 anos, e sua companheira Kacyla Pryscila Santiago, 28, queriam fazer uma vagina no lugar do membro masculino. Mas não foi só isso: segundo laudo divulgado pela Polícia Civil do DF, foi decapitado vivo e tomou mais 12 facadas nas costas.

De modo solerte e covarde, a mídia dominada pelo viés obscurantista de esquerda, por afinidades sexuais e ideológicas com o casal de monstras, calou. Não fez estardalhaço. Foi cúmplice, covarde e canalha.

Além de ser SIM um crime praticado sob a estapafúrdia “ideologia de gênero”, as lésbicas eram militantes de partidos de esquerda e por isso foram protegidas pela mídia. Cheguei a cobrar de alguns conhecidos esquerdistas que têm jornais comunitários e grupais, porque razão eles não faziam e nem fizeram matérias, de modo estúpido ficaram calados.

Além do ativismo sexual e político das assassinas ser convergente com a mídia, o menino Rhuan era branco – o que acaba sendo um fato nem sempre levado em conta por quem tem alguns códigos básicos no exercício do seu gatekeeper: os jornalistas que se dizem de esquerda são comprometidos com o ideário fascista e são adoradores e seguidores de Goebbels, na medida em que omitem mil vezes a verdade, para que a verdade não exista.

E veio a fatalidade com a menina Ágatha – e nem é preciso dizer o carnaval que os abutres estão fazendo. É realmente enojante observar o estágio de decadência e venalidade desse povo.

Não estou aqui julgando a ação do Estado – até porque será preciso esperar o resultado da perícia para saber de quem partiu a bala. Mas não assumo o papel leviano e no mínimo canalha da imprensa que já sentenciou que a bala partiu de uma arma da polícia.

Claro que conta em favor de Ágatha ela ser negra e morar no Rio de Janeiro onde o governador, entre acertos e erros, tem assumido a luta contra o crime, contra o tráfico – e o tráfico é algo muito importante para os jornalistas…

Mas a imprensa brasileira nãos e satisfaz em ser venal. Ela tem que tratar de se superar nessa arte da hipocrisia para dissimular seus desvios éticos, suas neuroses comportamentais e seu apego ao submundo e ao endeusamento do criminoso, do crime, do bandido e dos seus subprodutos – criminalizando o estado, o aparato policial e judicial.

Em sua cruzada, a imprensa e os ditos profissionais não tem nem respeito pela vítima e nem pela sociedade, uma vez que transformam em espetáculo vergonhoso um momento de dor e que deveria servir de reflexão sobre como chegamos a esse ponto e o que fazer para sair desse estágio de uma sociedade dominada pelo crime e refém de uma mídia que adora criminosos.

Será que esse povo não aprendeu nada com o Crime dos Irmãos Naves, em Araguari-MG, ou então o episódio da Escola Base, em SP, ambos sentenciados e julgados a partir de “testemunhos”?

Custa a imprensa ater-se apenas ao papel de informar, deixando que o julgamento fique com o Judiciário? É preciso manter a estratégia de linchar a instituição “polícia” apenas para satisfazer a estratégia de incentivar a impunidade dos bandidos?

Dois crimes. Duas mortes.

E volto a perguntar: por que tratamentos assim tão distintos?
(Texto de Alfredo Bessow)


Em cana...

Resultado de imagem para ex-governador de Tocantins, Marcelo Miranda
PF prende ex-governador Marcelo Miranda
O Antagonista

A PF prendeu nesta quinta-feira o ex-governador de Tocantins, Marcelo Miranda.

Camila Bomfim, da TV Globo, diz que ele é investigado em operação sobre corrupção e foi preso em Brasília, no apartamento funcional da mulher, a deputada Dulce Miranda.

A economia tem que desatar o nó.

BALANÇO DA CAGED
PB gerou 6,7 mil empregos formais em agosto
MaisPB

A Paraíba gerou mais de seis mil empregos formais no mês de agosto, conforme apontou o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) no relatório divulgado nesta quarta-feira (25).

Neste período, houve 16.170 admissões e 9.940 desligamentos, o que gerou um saldo positivo de 6.770 oportunidades geradas. Nos últimos doze meses o saldo foi de 3.521, com mais de 127 mil contratações e 124 demissões. No mês de julho, foram mais de 1.870 vagas com carteira assinada no estado.

Em todo o país, foi o melhor resultado para o mês de agosto desde 2013, segundo os números. No acumulado de 2019 foram criados 593.467 novos postos, com variação de 1,55% do estoque do ano anterior. No mesmo período de 2018 houve crescimento de 568.551 empregos.

Entre os principais setores da economia, quatro tiveram saldo positivo de emprego e em dois houve mais fechamento de vagas no mês encerrado em agosto. Lidera o número de empregos gerados a área de serviços (61.730 postos), seguida por comércio (23.626), indústria de transformação (19.517), construção civil (17.306), administração pública (1.391) e extrativa mineral (1.235). Apresentaram saldo negativo a agropecuária (-3.341 postos) e os serviços industriais de utilidade pública/SIUP (-77 postos).

quarta-feira, 25 de setembro de 2019

Pois é!

Guilherme Fiúza

"O discurso de Bolsonaro na ONU decepcionou a intelectualidade mundial. Não teve a genialidade da Dilma, a honestidade do Lula, o biquinho do Macron, os suspiros da Bachelet, não salvou as girafas da Amazônia, não demitiu Sergio Moro e ainda disse que a verdade liberta. Não dá."

Ao Plenário do Senado

CCJ do Senado aprova indicação de Augusto Aras para a PGR
ResenhaPolitika
A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado aprovou nesta quarta-feira, 25, com 23 votos favoráveis, 3 contrários e um voto em branco, a indicação do subprocurador-geral da República Augusto Aras ao comando da Procuradoria-Geral da República (PGR).

A indicação ainda depende de uma votação no plenário da Casa, o que deve ocorrer ainda nesta quarta-feira. No plenário, ele precisará de no mínimo 41 votos favoráveis. A sabatina durou pouco mais de cinco horas.

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), afirmou que Aras reúne "todas as condições" para ser aprovado no plenário e exercer o cargo na PGR.

A opinião do jornal Gazeta do Povo, de Curitiba.

O discurso de Bolsonaro na ONU
Editorial Gazeta do Povo
Bolsonaro na assembleia-geral da ONU.
O presidente Jair Bolsonaro discurso na Assembleia-Geral da ONU| Foto: Don Emmert/AFP

Depois de participar do Fórum Econômico Mundial, na cidade suíça de Davos, em janeiro, o presidente Jair Bolsonaro voltou a falar ao mundo na abertura da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas – evento no qual, tradicionalmente, o primeiro chefe de Estado a falar é o brasileiro. Por mais que as palavras mais aguardadas de Bolsonaro fossem aquelas sobre a Amazônia – dada a repercussão internacional das recentes queimadas na região –, o presidente não se resumiu à questão ambiental. Fez um discurso sólido, de envergadura, posicionando-se de maneira firme e crítica, embora respeitosa, sobre muitos outros temas que lhe são caros e descrevendo a nova postura que o Brasil está assumindo no cenário internacional, nos campos político, econômico e moral.

Bolsonaro abordou alguns temas mais consensuais, como a promoção da democracia no continente americano. O presidente foi duro com o ditador Nicolás Maduro e deixou claro que o caso venezuelano não é de mera “crise econômica”, mas da aplicação fiel das ideologias de esquerda. “O socialismo está dando certo na Venezuela: todos estão pobres e sem liberdade”, disse Bolsonaro, lembrando o destino inevitável de toda nação onde os princípios socialistas são aplicados. O presidente também citou o programa Mais Médicos, desenhado especialmente para financiar a ditadura cubana, com a complacência de órgãos internacionais. A menção à ONU, aqui, não foi nem de longe gratuita, pois a Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), parte da triangulação que envolvia também o governo Dilma e o governo cubano, é parte do sistema das Nações Unidas.

Já era hora de uma voz de peso, como a brasileira, se engajar na desconstrução do discurso militante que ataca a vida e a família parasitando o sistema da ONU

E, assim como havia feito em Davos, Bolsonaro fez questão de mostrar o Brasil como um país que deseja se tornar, finalmente, um local atrativo para se fazer negócios. “O livre mercado, as concessões e as privatizações já se fazem presentes hoje no Brasil”, afirmou, demonstrando a iniciativa de aprofundar o enxugamento do Estado e a desburocratização da atividade empreendedora iniciada com a Lei de Liberdade Econômica. Bolsonaro também mencionou o desejo brasileiro de maior inserção internacional, citando os recentes acordos comerciais com a União Europeia e o Efta, e a intenção de aderir à Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Os trechos mais aguardados do discurso, no entanto, eram aqueles referentes à Amazônia. Bolsonaro respondeu aos que o descreveram como um líder que pouco se importa com o meio ambiente, defendendo o “compromisso solene com a preservação do meio ambiente e do desenvolvimento sustentável”, e mostrando sua disposição em aceitar a cooperação internacional sempre que ela não signifique ameaças à soberania internacional e tentativas de “neocolonizar” a região, em uma referência velada ma non troppo ao presidente francês, Emmanuel Macron, que, no auge da crise das queimadas, havia falado na internacionalização da Amazônia.

Mas o coração da fala de Bolsonaro não estava nem na Venezuela, nem no liberalismo econômico, nem na questão ambiental. No fim do ano passado, afirmamos que o que se esperava de um país do porte do Brasil era que não se isolasse do sistema internacional, mas usasse sua influência para que os organismos internacionais promovessem a dignidade de cada ser humano, desde a concepção até a morte natural. E, com suas palavras na Assembleia Geral, Bolsonaro mostrou que o país abraçará este desafio e pretende ser, nos fóruns multilaterais, um defensor ferrenho da vida e da família e a voz das vítimas de perseguição religiosa.

No fim do discurso, o presidente afirmou que o Brasil está disposto a “assumir as responsabilidades que nos cabem no sistema internacional” e exortou a ONU a “derrotar o ambiente materialista e ideológico que compromete alguns princípios básicos da dignidade humana”. Esta não é tarefa simples: muitas das imposições ideológicas daninhas que Bolsonaro mencionou em seu discurso, como a ideologia de gênero e o desrespeito à vida e à família, encontram guarida dentro do próprio sistema da ONU, usado por militantes para impor seu ideário, especialmente sobre países com menos capacidade de resistir à pressão. Enquanto nos anos 90 a questão populacional e a meritória defesa dos direitos da mulher eram pretexto para se avançar uma agenda de “direitos reprodutivos”, termo eufemístico para a promoção do aborto e outras práticas contrárias à dignidade humana, agora até as mudanças climáticas têm sido instrumentalizadas com essa finalidade. Já era hora de uma voz de peso, como a brasileira, se engajar na desconstrução desse discurso militante.

O sistema internacional do pós-Segunda Guerra nasceu tendo como prioridades a cooperação entre as nações, a promoção da paz e o combate à pobreza. Com seu discurso, Bolsonaro lembrou ao mundo todo essa verdade simples e desmascarou os “engenheiros sociais” que parasitam a ONU e suas entidades. No passado, o petismo usou a expressão “ativa e altiva” para descrever uma diplomacia que não passava de camaradagem com ditaduras e silêncio (quando não conivência) diante das ameaças à dignidade humana. A verdadeira atividade e altivez, no entanto, está na coragem de defender a vida de todos os seres humanos e a célula básica da sociedade.

Parabéns aos envolvidos...

Advogado é preso em flagrante tentando entrar com bilhetes em presídio no Ceará
De acordo com a Secretaria da Administração Penitenciária do Ceará (SAP), o homem estava com bilhetes contendo mensagens de integrantes de facções criminosas
O POVO

Um advogado foi preso na manhã desta terça-feira, 24, enquanto tentava entrar com bilhetes na Casa de Privação Provisória de Liberdade Agente Elias Alves da Silva (CPPL IV). Alaor Patrício Júnior foi preso em flagrante. De acordo com a Secretaria da Administração Penitenciária do Ceará (SAP), o homem estava com bilhetes contendo mensagens de integrantes de facções criminosas. 

Em nota, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) Secção Ceará informou em nota que, por meio da diretoria de prerrogativas e do Centro de Apoio ao Advogado, está apurando todos os fatos e acompanhando o caso para garantir a legalidade da prisão e também que o acusado tenha assegurado o direito à ampla defesa e ao contraditório. "Informamos que, em caso de infração ao código de ética, a OAB tem o dever de abrir um processo disciplinar no Tribunal de Ética e Disciplina (TED)", finaliza a instituição.

As manchetes do jornal Zero Hora


Os destaques de capa do jornal Correio da Bahia


Na capa d'O Globo


terça-feira, 24 de setembro de 2019

A Globo já fez propaganda no sentido correto...Veja esse vídeo.


Pensar que a Globo já fez campanha assim no passado...

Confusão no litoral sul...

Na carta renúncia, vice-prefeito de Conde acusa ‘ataques de pessoas com pactos estranhos’
Marcone Ferreira

O vice-prefeito de Conde, Temístocles Ribeiro, formalizou aos vereadores do município sua renúncia do cargo e, em carta, fez graves acusações à gestão da prefeita Márcia Lucena.

Disse que ele e sua família tem sido alvo de perseguição “por não concordarem com os rumos dados na política do município”. E escreve: “Deixo o cargo para reencontrar a minha paz”.

Adiante, comentou que “constantemente é alvo de ataques por pessoas que parecem ter hábitos e pactos estranhos. Meu nome e de minha família é mais importante do que a política”.

Pontua, ainda: “Não merecemos todos os ataques constantes que estamos sofrendo”, e garante que “não tenho pretensões de ser candidato a nada. Quero apenas assistir ao fim da gestão mais perseguidora e mentirosa da história de nossa cidade”.

segunda-feira, 23 de setembro de 2019

Muito merecido.

Mãe que narra jogos do Palmeiras para filho deficiente visual leva prêmio da Fifa
GazetadoPovo

A Fifa anunciou nesta segunda-feira, em Milão, na Itália, a lista dos destaques do ano no futebol e coroou também uma torcedora brasileira. A palmeirense Silvia Grecco recebeu o prêmio de melhor torcedora, batizado de Fifa Fan Award, por ir ao estádio junto com o filho portador de deficiência visual, Nickollas, de 12 anos, e narrar para ele os lances das partidas

A dupla foi descoberta em setembro do ano passado pela equipe da reportagem da TV Globo durante partida entre Palmeiras e Corinthians no estádio Allianz Parque, pelo Campeonato Brasileiro. Silvia se senta no estádio ao lado do filho e busca descrever todas as jogadas para ele. Nickollas, além da deficiência visual, tem também autismo.

"Estamos representando aqui o nosso time, o Palmeiras, estamos representando aqui todos os torcedores do Brasil, todos os torcedores do mundo, todos aqueles que torcem pelas pessoas com deficiência. O futebol, ele pode transformar a vida das pessoas. É muito amor, muita dedicação", disse Silvia durante o discurso de premiação. Ao fim, ela foi aplaudida de pé.

Silvia venceu a concorrência com a torcida da Holanda, marcada pela animada festa e coreografia durante o Mundial Feminino, na França, e também com o uruguaio Justo Sánchez, que é torcedor do Cerro, mas passou também a ir aos jogos do rival Rampla Juniors em homenagem ao filho falecido. A palmeirense, inclusive, dedicou o prêmio a Justo durante o discurso.

A torcedora mencionou que o prêmio é uma forma de inclusão social para pessoas portadoras de alguma deficiência. "A pessoa com deficiência existe e precisa ser amada, respeitada e incluída", afirmou. Ao discursar, Silvia fez questão de descrever ao filho o quanto o auditório estava lotado de grandes jogadores. Entre os craques estavam na plateia Lionel Messi, Virgil Van Dijk e Alisson.

Nos últimos meses, mãe e filho tiveram a oportunidade de conviver mais com o elenco do Palmeiras. No ano passado, os dois visitaram um treino do time. Já no último mês, os dois ganharam uma homenagem especial durante a festa de aniversário de 105 anos do clube.

Faça a sua parte: não seja um Zé Droguinha...

Resultado de imagem para fabio assunção drogado
Fabio Assunção dá cara a tapa
O Antagonista

O ator Fabio Assunção foi ao enterro da menina Agatha — e ao Twitter.

Ele já terá feito a sua parte ao não consumir drogas nunca mais e, assim, deixar de alimentar o tráfico.

Por que o DEM virou a bola da vez dos prefeitos na Paraíba
Heron Cid
Sob o governo Bolsonaro, o DEM passou a ser o que o MDB já foi em todos os outros (de Sarney a Dilma)

A fila anda no DEM. Depois de Divaíldo Dantas, de Itaporanga, que deixou o PSB e anunciou filiação ao Democratas nesse fim de semana, o socialista Fernando Naia, de Rio Tinto, já se prepara para pegar o mesmo bonde. Naia mesmo comunicou o encaminhamento de viva voz ao presidente nacional da legenda, ACM Neto, em solenidade recente na Paraíba.

Mas o DEM não é o desaguadouro apenas dos feridos pela crise no PSB. Prefeitos de outras siglas elegeram o partido como caminho para seus respectivos projetos políticos. É o caso do recém-eleito Vítor Hugo, de Cabedelo, até então no PRB.

E por que o DEM, que chegou a ter extinção decretada nas avaliações e leituras políticas mais catastróficas, virou opção pragmática de gestores e líderes de importantes colégios eleitorais na Paraíba?

É a conjuntura nacional que ajuda a entender.

Além de deter as duas Casas do Congresso (Rodrigo Maia na Câmara e Davi Alcolumbre no Senado), no Palácio do Planalto a legenda comandada na Paraíba por Efraim Morais ganhou prestígio diferenciado no governo Bolsonaro.

Pilota três entre os mais importantes ministérios. Nas mãos dos democratas, as pastas da Saúde, da Agricultura e da Casa Civil, uma espécie de cozinha presidencial, o núcleo por onde passam todas as demandas e despachos estratégicos.

E o deputado federal Efraim Filho, com o diferencial extra de coordenador da bancada federal, tem catalisado esse cenário em favor do crescimento do DEM na Paraíba.

Essa proximidade e canais desobstruídos dão uma condição privilegiada de acessar recursos e convênios, a menina dos olhos de qualquer administrador municipal. De um estado carente, feito a Paraíba, ainda mais.

Em agosto, o diretório estadual registrou filiação de cinco prefeitos. Em outubro, programa a chegada de mais quatro. Nove em dois meses. E a conta tende a aumentar.

Os prefeitos viram que o gabinete de Efraim Filho tem porta aberta no Planalto. Entenderam rápido que estando perto dele estão igualmente próximos do poder central em Brasília.

O nosso eterno Colégio Estadual de Cajazeiras passou por reformas importantes e está todo arrumado! Veja as imagens.

 
 
 
Neste salão, no palco, o grande Monsenhor Vicente disse que na nossa turma tinha gente com "espírito de cupim"...
 
 
 
Se nos fosse dada a possibilidade de voltar no tempo, só desejaria estas renovadas instalações, mas não abriria mão de todos os mesmos respeitáveis professores/servidores e todos os mesmos queridos colegas que o destino nos presenteou com generosidade.

O hômi já disse que não pode entrar com essas coisas aí...Ô povo teimoso!

Homem e mulher são flagrados tentando entrar no presídio de Cajazeiras com TV´s recheadas de celulares
Segundo Talles Almeida, diretor da Casa de Detenção, o flagrante ocorreu no momento que as televisões passaram pelo aparelho de Rios-X.
Luzia de Sousa - DiáriodoSertão
As tv´s foram apreendidas 

Um homem e uma mulher de 24 anos de idade foram levados à Delegacia de Polícia Civil de Cajazeiras, Sertão da Paraíba, após serem flagrados com televisores recheadas de celulares e fones de ouvido tentando entrar no Presídio Regional Padrão.

O material que seria entregue a detentos do Presídio de Cajazeiras foi flagrado nesse sábado (21), durante a revista feita pelos agentes de plantão.

Segundo Talles Almeida, diretor da Casa de Detenção, o flagrante ocorreu no momento que as televisões passaram pelo aparelho de Rios-X.

Ele explicou que dentro de duas tv´s estavam 16 celulares, chips, carregadores e fones de ouvido.

Os dois receberam voz de prisão e foram levados, juntamente com o material apreendido para serem apresentados ao delegado de plantão.

TRAGÉDIA EM AREIA: Família é atropelada dentro de casa e criança morre
ParaíbaDebate
Um motorista com visíveis sinais de embriaguez, perdeu o controle de veículo, invadiu uma residência e atropelou uma família na noite deste domingo (22). A mulher ficou gravemente ferida e a criança morreu.

A terceira vítima, o pai da criança, foi socorrido em estado grave para o Hospital de Traumas de Campina Grande.

A tragédia aconteceu, quando vítimas saiam para missa na Rua Chã do Galo.

O acusado de provocar tragédia e o dono da caminhonete conseguiram fugir, mas estão sendo procurados pela Polícia.

Fonte: Márcio Rangel