domingo, 10 de março de 2019

Enquanto isto...

Foto: Pixabay
O samba do brasileiro doido
Guilherme Fiúza 
GazetadoPovo

Afinal, o Brasil quer saber: Anitta beijou ou não beijou Neymar?

Beijou. Mas não tragou. E é um absurdo que a cantora ainda não tenha se pronunciado sobre isso. Ou melhor: é um absurdo a cantora ter se pronunciado sobre isso. É cachorra ou empoderada? Anitta precisa se pronunciar sobre isso. Se não falar nada, vai ter que se explicar pra Daniela Mercury.

E a Daniela Mercury não tá de brincadeira. Ela inclusive proibiu o Carnaval. É isso aí. Chega de pouca vergonha. Ah, não foi isso? A vergonha é que tá pouca? Então bota pra gemer aí, rapaziada. Espalha uns vídeos trash, que é proibido proibir. Assim também não? Ficou trash demais?

Mas é pra aumentar a vergonha ou não é? Sim, mas sem tanta obscenidade. Que obscenidade, mané? Isso é arte. Não é, é obscenidade. Bom, é o seguinte: ao vivo é arte, em vídeo é obscenidade. Tá, pode ser. Mas e a Daniela Mercury?

Que que tem? Ela já liberou? Liberou o que, o vídeo? Não, dodói. A Anitta. Liberou a Anitta pra fazer o que? Pra beijar o Neymar, ué. E o que a Daniela tem a ver com isso, maluco? Ué, ela não mandou a Anitta dizer Ele Não? Mas aí não era o Neymar, animal. Era outro cara. Que cara? O do vídeo.

Ah, tá. Aquele do Adélio? Esse mesmo. Mas dizem que quem armou aquilo tudo foi o Gilmar, só pra poder soltar o maluco. Ah, aí eu tenho que concordar contigo. Tem toda pinta de armação do Gilmar isso aí. Depois daquele lance do rosa e azul o Gilmar deu uma pirada. Que rosa e azul? Ué, não foi o Gilmar que mandou soltar a franga do rosa e do azul, que até saiu um monte de gente vestidinha com essas cores?

Não tem nada a ver, dodói. O Gilmar nunca se meteu com essa parada aí não. Aliás, quem é você pra dizer o que é rosa e o que é azul? Quem sou eu? Bom, não sou especialista, mas tenho meu ponto de vista. Pois é, mas você já pensou que o seu ponto de vista pode estar ferindo a identidade do próprio rosa, se por acaso ele se sentir azul? Ninguém nasce rosa, companheiro.

É, isso é verdade.

Mas tem que ver esse negócio aí do filho do homem, que tá incomodando. Pode crer. Michelzinho passou dos limites. Que Michelzinho? Não é mais ele, animal. Ah, tá. Foi mal, me distraí. E quer saber? Acho uma injustiça com o vampiro. Ano passado teve até homenagem em escola de samba, agora ninguém mais lembra do cara?

Aí sou obrigado a concordar contigo. Tu passa dois anos condecorando o Conde Drácula e de repente larga ele de lado que nem folião bêbado que só queria se aproveitar da mina? Que mina, maluco? O Drácula é homem. Quem falou? Já perguntou pra ele o que ele se sente? Não. Então fica na sua, preconceituoso. Foi mal.

Mas que isso foi um ataque à minoria fascista eu não tenho a menor dúvida. Que minoria fascista? A do vampiro, ué? Ele não era fascista? Não, fascista é o outro. Quer dizer, sei lá – agora tu me confundiu. Quer saber? É tudo fascista. É, é tudo fascista. Pô, mas então não é minoria. Depende. Depende de que? De como eles se sentem. Nesse caso, não sei não. Fascista sente alguma coisa? Acho que não. Então deixa quieto.

Não tem a menor chance de aprovar a reforma da Previdência se não resolver essa parada do vídeo aí. Como é que você sabe? Como eu sei? Uso rede social, meu caro. Sou bem informado. Ah, isso é mesmo. Rede social é show, tá tudo ali. Concordo, tudo. Se tivesse rede social em 1994 o Plano Real não saía. Ué, por que não saía? Não saía porque o presidente de mão dada com a modelo sem calcinha no Sambódromo ia babar geral.

Será?

Claro!

Por que?

Porque o Brasil ia ficar discutindo se era cachorra ou empoderada e não ia ter tempo pro plano econômico.

Ah, entendi. Ainda bem que hoje é tudo discutido direitinho, uma coisa de cada vez.

Ainda bem.

Um comentário:

Unknown disse...

Acho que meu amigo Manezin, tá dizendo:
Isso, tá virando um carai!