segunda-feira, 18 de fevereiro de 2019

Marighella, humanista negro?!!

Rodrigo Constantino - GazetadoPovo
Marighella real                           Marighella de filme
A esquerda gosta de bajular o que há de pior na espécie humana. Os maiores monstros são cultuados pelos artistas e “intelectuais” de cabeça oca. Lenin vive em mausoléu, Trotski é tratado como herói e por aí vai. Quanto mais psicopata e cruel for o sujeito, mais o esquerdista se derrete de amores e admiração. O mesmo acontece com Marighella, o Che Guevara brasileiro, um terrorista que passou sua vida bolando como causar mais caos e mortes. Virou herói – e negro! – pela lente distorcida de Wagner Moura, e é tratado como um “humanista” pela mídia “progressista”, como podemos ver nessa reportagem do UOL:

Sim: é um diálogo claro com a plateia de esquerda. Mas o filme não é de nicho: é importante para qualquer brasileiro, seja qual for sua inclinação política. O espectador não precisa comprar a ideia de que Marighella foi um santo – até porque o filme jamais se propõe a vendê-la. Quer transmitir, no entanto, a ideia de que ele apenas não foi um monstro, mas um ser humano capaz de errar, de ser truculento e de cometer assassinatos e violências variadas. Só que, acima de tudo, foi um homem fiel aos seus princípios. E, a seu modo, um humanista.

O historiador Marco Antonio Villa comentou na Jovem Pan o absurdo de Wagner Moura ter tido permissão para captar R$ 10 milhões pela Lei Rouanet para esse filme que enaltece um terrorista.

Esse vídeo do Villa já tem quase 300 mil visualizações. Ao menos nos consola saber que as críticas terão muito mais audiência do que a porcaria do filme em si, elogiado só pela assessoria de imprensa disfarçada de jornalismo, com seus militantes comunistas infiltrados.

André Lajst, que foi membro da inteligência da Força Aérea de Israel, comentou também sobre a inversão da esquerda, lembrando que Marighella influenciou os terroristas palestinos:

Marighella escreveu um livreto chamado “Manual do guerrilheiro urbano”. Além de anarquista e incentivar a violência, independentemente de se opor à uma ditadura militar no Brasil, a sua “obra” serviu e serve, até os dias de hoje, para ensinar e inspirar combatentes da Al Qaeda, Hamas, Hezbollah, entre outros. Quando estudei contra-terrorismo em Israel durante o Mestrado, li e reli a tal obra do dito cujo. O Hamas fez copy paste na obra dele. Imaginem quantos inocentes Marighella ajudou a matar indiretamente. E tem gente que quer fazer dele, um herói. Vão vendo, que em 40 anos, alguém vai fazer um filme chamado “Bin Laden, o revolucionário”. Tristemente, terá aplausos e indicações para prêmios internacionais.

Albert Stahel, consultor do governo suíço em assuntos de segurança e contraterrorismo, disse que o manual de guerrilha escrito por Marighella é usado também pelo ISIS, o mais monstruoso grupo terrorista da atualidade. É esse o herói da nossa esquerda caviar, da turma riquinha movida à cannabis do Leblon e da Vila Madalena.

Afinal, quem precisa de historiador, especialista em inteligência militar ou consultor de contraterrorismo para conhecer melhor os efeitos da “obra” de Marighella? Basta Wagner Moura, e no máximo aquele “professor” de História com 45 anos, maconheiro, que ainda vive com os pais e organiza passeatas em vez de ensinar fatos históricos aos alunos. Eis aí a receita para um psicopata marginal virar um herói negro humanista…

Nenhum comentário: