quarta-feira, 31 de outubro de 2018

Magno Malta, emocionado, faz discurso no Senado e resume a vitória de Bolsonaro


O Restaurante Fazenda Urbana arrasa na véspera do feriado. Veja os motivos.

 

Uma grande notícia para nossa Cajazeiras

Após reunião, neste terça-feira, com sertanejos, bancada da PB destina R$ 25 milhões para novo hospital de Cajazeiras
"Uma grande vitória fruto de uma ampla articulação da sociedade civil organizada e classe política sertaneja”. Comemorou Alexandre Costa.
Luzia de Sousa - DiáriodoSertão

A atual bancada federal da Paraíba destinou nessa terça-feira (30), R$ 25 milhões para a construção do Hospital Universitário do Sertão, com sede em Cajazeiras. Administrado pela EBSERH, o novo hospital que pertencerá a Universidade Federal de Campina Grande ofertará a população sertaneja da Paraíba e de outros estados, 200 leitos.

A bancada paraibana tem disponível R$ 161 milhões de emendas impositivas na Lei Orçamentária Anual (LOA) e decidiu após reunião em Brasília com uma comissão de sertanejos, inclusive o prefeito José Aldemir (PP) e o empresário Alexandre Costa destinar esta importante fatia do orçamento para a saúde do Sertão do estado.

Os recursos estarão disponíveis a partir de 2019. “Uma grande vitória fruto de uma ampla articulação da sociedade civil organizada e classe política sertaneja”. Comemorou Alexandre Costa.

“Com este recurso a EBSERH já tem condições de licitar a 1ª etapa da construção do hospital ainda no primeiro semestre do próximo ano” disse o diretor da UFCG, Campus de Cajazeiras, o professor Antônio Fernandes.
Professor fez postagem na sua rede social comemorando conquista

O deputado Efraim Filho (DEM) avaliou como uma grande conquista e uma grande vitória para o Sertão paraibano.

Participaram ainda da reunião, os três senadores, o governador eleito João Azevêdo (PSB), os 12 deputados federais, além dos deputados eleitos no último pleito, como: Edna Henrique e Ruy Carneiro, do PSDB, o prefeitos Chico Mendes (São José de Piranhas), o prefeito Roberto Bayma (Bom Jesus) entre outros.

Misturando os dinheiros...

DiáriodoPoder
Menezes Pimentel era interventor no Ceará, na era Getúlio Vargas, quando soube que um prefeito do interior pagaria sua própria campanha com dinheiro público

Mandou chamar o homem: 

– Disseram-me que o senhor, vejam só, estaria usando verba da prefeitura na campanha política! O que o sr. tem a dizer? 

O prefeito coçou a orelha e ponderou

– Mas, doutor Pimentel, é que eu já estava gastando até do meu…

Vem aí o ministro Moro?

A ‘longa audiência’ de Guedes com Moro
Por Claudio Dantas - O Antagonista

Como O Antagonista revelou ontem, Paulo Guedes se encontrou com Sergio Moro na quinta-feira passada. A conversa durou cerca de cinco horas.

Moro defendeu uma gestão baseada no ‘império da lei’, sem concessões e um compromisso de longo prazo baseado em dois eixos centrais: combate à corrupção e a crimes financeiros.

Guedes manifestou-lhe o apoio irrestrito de Bolsonaro, que também procura para a PGR um nome de peso para fazer ‘dobradinha’ com Moro.

Sobre a preocupação com os julgamentos pendentes em Curitiba, o juiz federal disse confiar plenamente na equipe.

O pior pesadelo da ORCRIM

Sergio Moro quer integrantes da Lava Jato na PGR e no comando da PF.

É o pior pesadelo da ORCRIM (que sonhava com o indulto de Lula).

A PF nas ruas

INFÂNCIA ROUBADA II
Polícia Federal deflagra operação contra pornografia infantil na Paraíba
MaisPB
A Polícia Federal deflagrou a segunda fase da Operação Infância Roubada na manhã desta quarta-feira (31) contra à distribuição de pornografia infantil na Paraíba, envolvendo crianças e adolescentes na internet. Cerca de 40 agentes cumprem mandados de busca e apreensão expedidos pela Justiça Federal em Campina Grande.

Os investigados também foram intimados para prestarem esclarecimentos na sede da Delegacia de Polícia Federal naquela cidade. Os crimes apurados são a disponibilização e o armazenamento de fotografia, vídeo ou outro registro que contenha cena de sexo explícito ou pornográfica envolvendo criança ou adolescente, cujas penas, somadas, podem chegar a dez anos de prisão.

O nome da operação faz alusão à violação do direito fundamental da criança e do adolescente a ter sua infância preservada e a salvo de perigos contra maturidade física e mental.

Com a corda toda...

Ciro diz que foi traído pelo PT e chama Leonardo Boff de ‘bosta’
Por Tarciso Morais - Renovamídia
O candidato do PDT derrotado no primeiro turno das eleições conversou com o jornal Folha de S. Paulo.

Em entrevista à Folha, Ciro Gomes disse que foi “miseravelmente traído” por “Lula e seus asseclas”.

Segundo informações de O Antagonista, o pedetista declarou:

Fomos miseravelmente traídos. Aí, é traição, traição mesmo. Palavra dada e não cumprida, clandestinidade, acertos espúrios, grana (…).

E acrescentou:

Você imagina conseguir do PSB neutralidade trocando o governo de Pernambuco e de Minas? Em nome de que foi feito isso? De qual espírito público, razão nacional, interesse popular? Projeto de poder miúdo. De poder e de ladroeira. O PT elegeu Bolsonaro.

Todas as pesquisas, não sou eu quem estou dizendo, dizem isso. O Haddad é uma boa pessoa, mas ele, jamais, se fosse uma pessoa que tivesse mais fibra, deveria ter aceito esse papelão. Toda segunda ir lá visitar Lula, rapaz. Quem acha que o povo vai eleger pessoa assim? Lula nunca permitiu nascer ninguém perto dele.

Perguntado se votou em Fernando Haddad (PT), Ciro respondeu:

Vou continuar calado, mas você acha que votei em quem com a minha história? Eles podem inventar o que quiserem. Pega um bosta como esse Leonardo Boff [que criticou Ciro por não declarar voto a Haddad]. Estou com texto dele aqui. Aí porque não atendo o apelo dele, vai pelo lado inverso.

E levantou uma questão:

Qual a opinião do Boff sobre o mensalão e petrolão? Ou ele achava que o Lula também não sabia da roubalheira da Petrobras?

As manchetes de jornais brasileiros nesta quarta-feira

FolhadeSãoPauloCiro Gomes: "Nós fomos miseravelmente traídos por Lula e seus asseclas"

Globo: Paulo Guedes será superministro da área econômica

Estadão: Moro admite que pode aceitar convite para integrar governo

Extra: Moro não descarta participar do governo

ValorEconômico: Plano para infraestrutura prevê R$ 180 bilhões

ZeroHora: Grêmio derrotado: dor e lágrimas na Arena

EstadodeMinas: Menos ministérios e um superministro

CorreioBraziliense:  A nova Esplanada que vem aí com Bolsonaro

CorreiodaBahia: Superministério vai unir área econômica

JornaldoCommercioBolsonaro anuncia fusão de ministérios

DiáriodoNordeste: Camilo aposta no diálogo

- CorreiodaParaíba: Preço da gasolina cai 6,2%

segunda-feira, 29 de outubro de 2018

O juiz Sérgio Moro tem estampa jurídico-moral para encarar o desafio

Bolsonaro diz que Moro pode ter vaga no Supremo ou ser ministro da Justiça
Presidente eleito no último domingo afirmou que vai se reunir com o juiz federal. Se ele demonstrar interesse, o convite será feito
Marcelo Ernesto - EstadodeMinas

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) afirmou nesta segunda-feira que o juiz federal Sérgio Moro, responsável pela Lava-Jato, pode ser o ministro da Justiça ou ocupar uma vaga no Supremo Tribunal Federal (STF). 

“Agora passou o período eleitoral. Se eu tivesse dito isso lá atrás, soaria um pouco infeliz da minha parte. Eu pretendo, sim, não só para o Supremo, mas também para o Ministério da Justiça”, afirmou. 

Ainda de acordo com Bolsonaro, que falou em entrevista à TV Record, ele vai se reunir com o juiz federal nos próximos dias e, se houver interesse por parte dele, o convite será feito. “Se tiver o interesse dele, será uma pessoa de extrema importância em um governo como o nosso”, afirmou o presidente eleito.

Notícia boa para Vital do Rêgo

PGR pede ao Supremo para arquivar investigação sobre Vital do Rêgo por falta de provas
Ministro do Tribunal de Contas da União é investigado por suposto recebimento de R$ 350 mil via caixa 2 em 2014. Decisão cabe ao relator, ministro Edson Fachin.
Por Luiz Felipe Barbiéri e Mariana Oliveira, G1 e TV Globo — Brasília

A Procuradoria Geral da República (PGR) pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) que arquive uma investigação sobre o ex-senador e atual ministro do Tribunal de Contas da União (TCU) Vital do Rêgo Filho.

A decisão cabe ao relator do inquérito, ministro Luiz Edson Fachin. A manifestação enviada à Corte foi protocolada na quinta-feira (25).

As investigações foram abertas com base em depoimentos de executivos da Odebrecht. Segundo os delatores, Vital do Rêgo teria recebido R$ 350 mil não contabilizados na campanha de 2014. Ele concorreu ao governo da Paraíba pelo PMDB, mas não se elegeu.

O pedido de dinheiro para a campanha do hoje ministro do TCU teria sido feito por Sérgio Machado, então presidente da Transpetro.

No pedido, a PGR afirma que as provas obtidas nas investigações não são suficientes para justificar o andamento do inquérito.

“Assim, até para evitar maiores delongas na solução do caso, promove-se seu arquivamento na sequência, pois, à vista dos elementos informativos e probatórios colhidos, não há suficiência para uma continuidade investigatória”, diz o documento.

A PGR sustenta que os depoimentos dos delatores mostraram-se isolados e não permitem a manutenção das investigações.

“Em suma, as diligências efetivadas não reuniram elementos suficientes para caracterizar a materialidade delitiva a justificar o prosseguimento das investigações, tampouco se vislumbram diligências úteis a comprovar a efetiva prática da conduta ilícita apurada”, escreveu a PGR.

Mais uma de Joselito Müller.

Decepcionada com derrota, Manuela viajará pelos países em que o socialismo deu certo
Escrito por Joselito Müller*

Flagrada por nossa reportagem sentada visivelmente entristecida na rodoviária na manhã de hoje, a ex-vice na chapa de Fernando Haddad negou, antes mesmo de ser inquirida, que pretendia fugir do país por causa da vitória de Jair Bolsonaro.

Questionada para onde pretendia viajar, Manuela explicou que tirará uns dias de férias, fazendo um tour por todos os países em que o socialismo deu certo.

“Confesso que a campanha foi meio cansativa e, para descansar um pouco, vou viajar para conhecer todos os países em que o socialismo deu certo para retornar revigorada ao Brasil”, explicou Manuela, que é filiada ao Partido Comunista do Brasil.

Ela não esclareceu, no entanto, qual será seu itinerário.

“Eu fui ali no guichê – diz ela apontando – e pedi uma passagem para onde o socialismo deu certo e o rapaz me mandou esperar o ônibus aqui”, explica Manu.

Até o fechamento desta reportagem, o ônibus da ex-deputada ainda não havia passado.
xxxxxxxxxxxx

Joselito Müller é um personagem fictício que retrata as notícias do cotidiano, satirizando e figuras públicas em situações cômicas. Nada neste site [joselitomuller.com] é verdade, mas poderia ser.

Não pode ver uma vergonha...

Não precisa ter medo, Boulos
O Antagonista

Marcelo Calero, ex-ministro da Cultura de Michel Temer e deputado federal eleito pelo Rio de Janeiro, colocou Guilherme Boulos em seu devido lugar, ou seja, lá atrás de Cabo Daciolo, Henrique Meirelles, Marina Silva e Alvaro Dias.

O psolista, que agora volta a ser chefe do MTST, escreveu que “a democracia estava em risco” em razão do que chamou de “desfile do Exército” em manifestação pela vitória de Jair Bolsonaro na noite de ontem, em Niterói.

Calero explicou a Boulos: “As tropas estavam voltando para o quartel depois do trabalho nas eleições”.
Com

É por aí...

DiáriodoPoder
Inconformadas com o crescente poder paulista na cena brasileira, políticos, empresários e banqueiros de Minas Gerais se reuniram no final dos anos 1970 para discutir formas de enfrentar São Paulo. Em meio a discursos tão coléricos quanto inúteis, pediu a palavra o sábio José Aparecido Oliveira, que representava o Banco Nacional, do mineiro Magalhães Pinto. E sepultou a reunião com uma ironia: 

– Amigos, só o fato de não precisarmos trocar moeda, usar passaporte, nem falar outra língua para entrar em São Paulo, já está bão demais…

Resultados nos três municípios paraibanos em que houve vitória de Bolsonaro

Jair Bolsonaro vence em três das 223 cidades da Paraíba
No 1º turno, Bolsonaro (PSL) havia vencido em cinco cidades, Fernando Haddad (PT) em 217 e Ciro Gomes (PDT) em uma.
Por G1 PB
Jair Bolsonaro venceu em apenas três cidades da Paraíba 

Jair Bolsonaro, do PSL, eleito Presidente da República, venceu em três das 223 cidades do estado da Paraíba na votação ocorrida neste domingo (28). Ele obteve 35,02% dos votos válidos, enquanto o ex-candidato do PT, Fernando Haddad, liderou com 64,98% da votação no 2º turno das Eleições 2018. No 1º turno, Jair Bolsonaro havia vencido em cinco cidades, Ciro Gomes (PDT) em uma e Haddad em 217.

Neste segundo turno das Eleições 2018, Jair Bolsonaro venceu apenas em João Pessoa, com 54,8% dos votos válidos, em Campina Grande, com 56,3% dos votos, e em Cabedelo, com um percentual de 50,94%.
Fernando Haddad (PT) liderou em quase todas as cidades da Paraíba na votação do 2º turno

No primeiro turno, Bolsonaro alcançou 31,30% dos votos válidos na Paraíba. Na capital João Pessoa ele recebeu 49,87% dos votos válidos. Em Campina Grande o resultado alcançado por ele foi de 50,61%. Em Cabedelo foram 47,23%, em Bayeux foram 44,25% e em São Bento foram 40,04%.

As outras duas cidades que, no primeiro turno, elegeram o candidato eleito, reverteram a votação para o candidato do PT, Fernando Haddad. Em Bayeux, a votação foi a favor de Haddad com 52,2% dos votos válidos. Em São Bento foram 52,29% para o candidato do PT.

Ainda no primeiro turno, a cidade de Santa Luzia, no Sertão do estado, elegeu o candidato Ciro Gomes (PDT). Em toda Paraíba, o candidato recebeu 17,75% e ficou em terceiro lugar no 1º turno. No município de Santa Luzia, ele liderou a disputa presidencial e obteve 34,18%. No entanto, no 2º turno, a vitória foi de Fernando Haddad, com 69,49%. Jair Bolsonaro recebeu 30,51% dos votos.

Efeitos positivos que ajudam uma nova política econômica

Bolsa sobe mais de 3% na abertura após eleição de Bolsonaro
Ibovespa atingiu máxima histórica intradia, diante de expectativas de um governo liberal e reformista
Exame
Às 10:17, o Ibovespa subia 2,62 por cento, a 87.962,36 pontos

São Paulo – O tom positivo prevalecia na bolsa paulista nos primeiros negócios desta segunda-feira, após eleição de Jair Bolsonaro para a Presidência da República, com o Ibovespa atingindo máxima histórica intradia, diante de expectativas de uma governo liberal e reformista.

Às 10:17, o Ibovespa subia 2,62 por cento, a 87.962,36 pontos. Na máxima até o momento, subiu 3,1 por cento e atingiu 88.377,16 pontos, superando o recorde anterior, de 88.317,83 pontos, apurado em fevereiro deste ano.

Um fato esclarecedor...

A virada de Bolsonaro em 533 cidades com histórico petista
Por Tarciso Morais - Renovamídia
O PT manteve seu domínio no Nordeste, mas seu desgaste ficou evidenciado por derrotas para Jair Bolsonaro no segundo turno em 533 de seus 3.151 redutos tradicionais.

Nesses municípios, o capitão reformado interrompeu a trajetória de vitórias de candidatos petistas registrada na segunda etapa dos três pleitos anteriores, que resultaram na eleição de Lula, em 2006, e de Dilma Rousseff, em 2010 e 2014.

O desencanto do eleitorado brasileiro com o partido também impediu Fernando Haddad de convencer áreas tradicionalmente tucanas a optar por ele no lugar de Jair Bolsonaro.

Dos 1.110 redutos históricos do PSDB, 1.098 optaram pelo candidato do PSL na votação de domingo e apenas 12 preferiram Haddad.

A ilustrativa capa do jornal Estado de Minas


As manchetes de jornais brasileiros nesta segunda-feira

FolhadeSãoPauloBolsonaro presidente

Globo: Bolsonaro é eleito presidente

Estadão: Bolsonaro é eleito e promete defender reformas, liberdade e democracia

Extra: Democracia diz sim a Bolsonaro

ValorEconômico: Com vitória que reflete antipetismo, Bolsonaro promete defender a Constituição

ZeroHora: Bolsonaro presidente

EstadodeMinas: Bolsonaro: ele, sim! 

CorreioBraziliense:  Bolsonaro: "nosso governo vai quebrar paradigmas"

CorreiodaBahia: Os compromissos de Bolsonaro

JornaldoCommercioBolsonaro presidente

DiáriodoNordeste: #ElePresidente

- CorreiodaParaíba: O mais importante das eleições é unir o Brasil

domingo, 28 de outubro de 2018

Vai calçar a sandália da humildade?

Haddad após as 12 badaladas
Vera Magalhães - BR18

Depois de fazer um discurso pregando uma ampla frente democrática nas últimas semanas de campanha, Fernando Haddad não telefonou para Jair Bolsonaro para cumprimentá-lo, não reconheceu a legitimidade da vitória em seu discurso e voltou a dizer que Lula foi condenado injustamente e nesta mesma condição ficou inabilitado de concorrer à Presidência.

Não demorou 24 horas, portanto, para demonstrar que o tom mais conciliatório do segundo turno era apenas circunstancial e estratégico. Como na história da Cinderella, Haddad voltou ao que era após as 12 badaladas. 

Com a palavra os especialistas da extrema imprensa...

Jair Messias Bolsonaro, o novo presidente do Brasil!


Ninguém aguenta mais esse mimimi de artista...

sábado, 27 de outubro de 2018

As manchetes de jornais brasileiros neste domingo decisivo para o Brasil

FolhadeSãoPauloÀ véspera da eleição, Bolsonaro tem 10 pontos sobre Haddad

Globo: Para Datafolha e Ibope, França e Doria estão tecnicamente empatados em SP

Estadão: Efeito Bolsonaro pode ajudar a eleger até 11 governadores

Extra: Eu te quero mais que tudo

ValorEconômico: Bolsonaro se mantém à frente de Haddad em pesquisas eleitorais

ZeroHora: Bolsonaro tem 56%, e Haddad, 46%, no Datafolha

EstadodeMinas: Ciro Gomes frustra o PT

CorreioBraziliense:  Regina Duarte posta vídeo de Fagner em apoio a Bolsonaro

CorreiodaBahia: Dia de decisão para o Brasil

JornaldoCommercioBolsonaro defende propriedade privada e 'obediência à Constituição'

DiáriodoNordeste: Últimas pesquisas do Ibope e Datafolha apontam vitória de Bolsonaro

- CorreiodaParaíba: País precisa se unir para vencer crise

Não se pode esquecer essa menina... Uma mensagem poderosa. Veja o vídeo.

Resumo do dia político

Últimas pesquisas do Ibope e do Datafolha apontam vitória de Bolsonaro
DiáriodoNordeste

Na véspera da votação do segundo turno, as últimas pesquisas do Ibope e do Datafolha apontaram Jair Bolsonaro (PSL) como favorito para vencer a eleição presidencial neste domingo (28).

No Ibope, o candidato do PSL aparece com 54% dos votos válidos, enquanto Fernando Haddad (PT) tem 46%. No Datafolha, o capitão reformado do Exército registra 55%, seguido pelo petista com 45%. 

O cálculo dos votos válidos exclui os brancos, nulos e indecisos. Com a margem de erro de dois pontos para mais ou para menos, a confiabilidade da pesquisa é de 95%.

Também foi divulgada neste sábado a pesquisa CNT/MDA, que mostrou Bolsonaro com 56,8% e Haddad com 43,2%.

É por aí...

Bolsonaro diz que fará discurso por ‘pacificação’ e ‘união’
Poder 360

O candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, 63 anos, disse que se vencer a disputa pelo Planalto neste fim de semana fará um discurso com tom de “pacificação, união”.

O site Poder360 falou com o capitão do Exército rapidamente na tarde desta sexta-feira (26), por telefone, quando o candidato estava em sua casa, num condomínio na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro.

A ideia de Bolsonaro, caso eleito, é começar a designar nomes para sua equipe já na semana que vem. Mas o time ficaria completo só em dezembro.

No caso do comando do Banco Central, é possível que tudo se resolva na semana que vem. No máximo, na seguinte. Bolsonaro não fala nomes. O atual presidente do BC, Ilan Goldfajn, é cogitado.

A todos os seus interlocutores o candidato do PSL faz questão de empoderar seu possível ministro da Casa Civil. Sobre a equipe da economia, diz:

Vou conversar com o Paulo Guedes [assessor econômico] e quem depois vai bater o martelo é o Onyx, que será o coordenador de tudo.

Onyx Lorenzoni, 64 anos, deputado federal reeleito pelo DEM do Rio Grande do Sul, é um dos principais aliados de Bolsonaro.

Questionado sobre qual seria sua mensagem no seu discurso caso seja eleito no domingo (28), Jair Bolsonaro (PSL) respondeu:

Minha mensagem sintética será de pacificação, união, e vamos em frente porque temos tudo para ser uma grande nação. Ninguém tem o que nós temos. E precisamos ter um líder que nos leve pelo exemplo.

Mano Cid tem razão!

Ibope e Datafolha resolveram tirar uma com a cara dos brasileiros
Pesquisas de Ibope e Datafolha indicam números estranhos, como uma "virada" de 51% de votos para Haddad em São Paulo, onde obteve apenas 19% de votos no primeiro turno
Flavio Morgenstern - SensoIncomum

Talvez Haddad tenha alguma chance de aparecer na frente de Bolsonaro no interior do Ceará. Ou em algumas cidades do Rio Grande do Sul. Talvez em Fernando de Noronha. Nunca perto da Venezuela. Mas há um lugar em que Haddad certamente não tem a mais remota chance de vencer Bolsonaro, esse lugar é a cidade de São Paulo, onde uma parcela enorme da população considera o candidato petista o pior prefeito que a cidade já teve (tendo Marta Suplicy, Paulo Maluf, Celso Pitta, José Serra, Luiza Erundina e tantos outros como concorrentes ao posto). Mas não é isso que o Ibope quer fazer crer aos brasileiros.

Na última pesquisa do Ibope na cidade, valendo-se de uma metodologia que só existe para gerar essa manchete, Haddad teria ultrapassado Bolsonaro, chegando a 51% contra 49% dos votos válidos.

Sim, aquele Fernando Haddad que conseguiu a façanha inédita na história paulistana de perder no primeiro turno, e para um novato como João Doria. Aquele Fernando Haddad que teve a pior avaliação entre prefeitos em fim de mandato desde Celso Pitta. Aquele Fernando Haddad que perdeu em todas as 58 zonas eleitorais de São Paulo (56 para Doria, 2 para Marta). Aquele Fernando Haddad das ciclofaixas que todos desprezam. Aquele Fernando Haddad que quer proibir associação do seu nome ao “kit gay”, que não ousaria sonhar em concorrer à prefeitura de São Paulo novamente para não passar vergonha, aquele Fernando Haddad estaria com 51% dos votos em São Paulo.

Explica Fábio Pegrucci:
Se há um lugar do Brasil em que Fernando Haddad NÃO vai vencer a eleição é na CIDADE DE SÃO PAULO, de onde ele foi praticamente EXPULSO em 2016: Perdeu em TODOS os 58 distritos eleitorais, desde a Avenida Paulista, até a zona rural.

Em uma cidade em que as eleições são tradicionalmente muito disputadas, nunca antes se vira um governante ser rejeitado de forma tão categórica: foi um massacre.
Dos mais de 9 milhões de eleitores da cidade, 967.190 (pouco mais de 10%) votaram pela reeleição de Haddad; foram apenas 16,7% dos votos válidos.

No 1º turno na eleição presidencial, ele recebeu 1.253.162 votos (19,7% dos votos válidos), contra 2.835.930 de Bolsonaro (44,58%).

A informação, fartamente estampada em manchetes durante todo o dia, de que houve uma INACREDITÁVEL virada em pouco mais de 2 semanas (Haddad estaria com 51% dos votos na capital), é absurda.

Consultando-se a íntegra da pesquisa Ibope no ESTADO de São Paulo (como parte da pesquisa nacional), incluindo também a pesquisa para governo do estado (e outras consultas relacionadas, como o possível impacto de mensagens de WhatsApp na decisão do voto), realizada entre 20 e 23 de Outubro, em 78 municípios, é possível entender parcialmente: das 1.512 entrevistas (para um universo de mais de 33 milhões de eleitores), 413 foram realizadas na capital; 784, no interior; e 315, na “periferia”: mas não há explicação sobre a que “periferia” o instituto se refere; não se sabe se é à periferia da cidade (bairros periféricos, distantes do centro) ou aos outros 38 municípios que integram a Região Metropolitana de São Paulo.

Os números totais são:
-Interior: Bolsonaro, 63 x Haddad, 25 (com 9% de brancos e nulos, mais 2% de indecisos);
-Periferia: Bolsonaro, 53 x Haddad, 30 (com 11% de brancos e nulos, mais 5% de indecisos);
-Capital: Bolsonaro, 40 x Haddad, 41 (com15% de brancos e nulos, mais 4% de indecisos).

Editorias de todos os jornais pegaram apenas esse último recorte (“capital”, 413 entrevistas), não questionaram a inclusão do campo “periferia”, traduziram para “votos válidos” (excluindo brancos, nulos e indecisos), deram uma arredondada para cima, chegaram ao número mágico:
Haddad 51% e não tiveram dúvidas:

Tacaram nas manchetes, sugerindo uma impressionante reação do candidato do PT, justamente na cidade que mais motivos tem para não elegê-lo. Alguns ainda tentaram relacionar a surpreendente “queda” de Bolsonaro (que estaria recebendo menos votos do que teve no primeiro turno) ao apoio de João Doria (que lidera no estado, mas perde na capital), o que não faz qualquer sentido.

Intencionalmente ou não, pode ter havido uma distorção simples no campo “capital”: conhecendo-se a cidade, é facílimo saber onde encontrar 413 pessoas com maior probabilidade de declarar voto em Fernando Haddad, sem ferir os demais parâmetros (idade, escolaridade, sexo, renda):

-O entorno da USP, a região da Praça Roosevelt e a Vila Madalena, seriam minhas apostas, caso quisesse encontrar tal resultado. E foram essas 413 almas, representando mais de 9 milhões de eleitores, que pautaram grande parte dos noticiários e alegraram a militância petista.

É provável que a intenção da parte dos jornalistas, responsáveis por pinçar esse pedacinho da pesquisa e transformá-lo em fato midiático, tenha sido apenas essa mesmo: aplicar um desfibrilador na moribunda campanha de Haddad. Prefiro não pensar em nada além disso.
No mais, os números que realmente interessam, considerando todo o Estado de São Paulo, são:

-Bolsonaro, 54 x Haddad, 31 (com 11% de brancos e nulos, mais 3% de indecisos); ou, em votos válidos: 64 x 36.

O Ibope parece estar realmente empenhado em vender para o Brasil a idéia de que Haddad é benquisto por quem o conhece. É difícil imaginar, entretanto, Haddad pegando um ônibus lotado na periferia sem 50 seguranças armados até os dentes por perto.

Se está bizarra a forçação de barra do Ibope para Haddad já dá com a língua nos dentes, chega o Datafolha e resolve esculhambar o coreto. Em Florianópolis, a capital mais conservadora do Brasil, o Datafolha carca 38% de votos para Haddad, e Bolsonaro apenas com 34%. Para lembrar dos números do primeiro turno, temos Bolsonaro com 53% e Haddad com apenas um cabalístico 13%.

A nova pesquisa Datafolha tá dando Haddad 38% contra 34% do Bolsonaro em Florianópolis (votos totais)
No primeiro turno Haddad teve 13%, Bolsonaro 53%.
Preciso dizer mais alguma coisa?

Foi uma semana em que Haddad foi visto largando uma Bíblia que ganhou de presente pra trás, em que até Mano Brown fala em um comício do PT que vão perder, em que Haddad é pego na mentira dizendo que Mourão torturou (risos) Geraldo Azevedo, em que a suástica fake que ele usou em sua campanha para atacar eleitores de Bolsonaro se mostrou uma mentira, já que a polícia descobriu que a menina se auto-mutilou.

Mesmo assim, Ibope e Datafolha juram que Haddad ganhou uma quantidade inacreditável de votos de Bolsonaro justamente onde é menos provável que consiga ganhar.

Mas, claro, se você desconfiar de algo, você que não respeita a democracia.

Aí tá certo!

TSE autoriza representantes de Bolsonaro e Haddad na apuração
Por Tarciso Morais - RenovaMídia
A presidente do TSE acatou o pedido da coligação do PSL para acompanhar a apuração do segundo turno das eleições neste domingo (28).

A ministra Rosa Weber, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), autorizou as coligações de Jair Bolsonaro (PSL) e de Fernando Haddad (PT) que acompanhem a apuração de votos na sala-cofre do tribunal.

O pedido havia sido feito pela coligação de Bolsonaro nesta sexta-feira (26). 
Ao portal O Antagonista, o futuro Ministro da Casa Civil em um eventual governo do PSL, o deputado federal Onyx Lorenzoni (DEM) declarou:

Vai ter fiscalização dentro da sala-cofre do TSE. Vitória da transparência e da democracia. Mais uma mudança que Jair Bolsonaro está fazendo no Brasil. O TSE nunca permitiu o acesso a esta área fundamental. E, democraticamente, Bolsonaro fez pedido de acesso para as duas coligações.

A capa do jornal cajazeirense Gazeta do Alto Piranhas


Vai vendo aí os tolerantes com muito amor no coração...

Polícia Federal desmonta grupo tramando ato violento contra eleitores de Bolsonaro
Por Tarciso Morais - RenovaMídia
A Polícia Federal cumpriu cinco mandados de busca e apreensão, em Sergipe, contra militantes petistas que planejavam atos violentos contra eleitores de Jair Bolsonaro, em caso de vitória amanhã (28).

A Polícia Federal apreendeu na tarde desta sexta-feira (26) celulares, notebooks e mídias de armazenamento digital em residências de Aracaju, Lagarto e Itabaiana.

A ação faz parte da Operação Bravata cujo objetivo é impedir a prática de violência contra eleitores.

Os mandados de busca e apreensão foram expedidos pela 2ª Vara Federal em Sergipe. Ao todo, foram três apreensões em Aracaju, duas em Itabaiana e uma em Lagarto.

sexta-feira, 26 de outubro de 2018

Olha o timão: Walkyria Santos, Forró Tora Chinela e Forró de Arromba! Mas hômi...vai ser bom demais!


Eles podem...

A indignação seletiva e o que deveria ser notícia
por Natalino Oliveira - JornalHoraExtra
Natalino Oliveira é advogado

Salvo raríssimas exceções, o leitor comum e desavisado não encontrará na mídia tradicional, comumente chamada de “Grande Mídia”, um jornalismo capaz de fomentar um debate sensato do que viria ou poderia ser a política, enquanto um embate de ideias que podem ou poderiam influenciar os rumos e a percepção do conhecimento da verdadeira realidade da qual fazem parte as pessoas que no interregno de 2 anos vão às urnas para decidir um pleito eleitoral.

Olhando de soslaio, o que se percebe é o embate da mídia dita especializada que fomentam seus editoriais, suas matérias e suas pautas – que desde o início das manifestações que varreram o país a partir de 2013, vive em completo descompasso com a camada média da população que está descolada da bolha progressista que inundou redações e estúdios de informação. Desde o advento dessas manifestações, a sociedade do mundo real iniciou um período de independência em busca de informações que não nasciam nas grandes redações de jornais, e principalmente nas colunas de jornalistas blasé que imprimiam sua ojeriza ao cidadão médio, pois, viviam a falar para aos seus pares tido como classes iluminadas que nunca compreenderam a fundo, os princípios e valores que regem os cidadãos que povoam os asfaltos das metrópoles ou bancos de praças no interior esquecido do país.

O descolamento da realidade em que vivem os redatores, editores e jornalistas que franzem o rosto incrédulo aos valores de um Brasil alienado às suas celestes opiniões, é fruto de uma arrogância denunciada pela literatura, que exalta os diplomados, e fazem pouco dos “iletrados”, como no caso de um cidadão que lê livros e possui uma biblioteca, mesmo não sendo ele “bacharel”. E, isso, causou uma ruptura com a matrix do pensamento dominante, onde a informação só existe com veracidade e imparcialidade se sua gênese for as redações dos jornais que poucos leem, quando muito, os que o folheiam são os partícipes do círculo vicioso do conhecimento autenticado pela guilda de intelectuais, que se encastelaram e com isso perderam o contato e a noção da realidade.

Essa clausura foi exposta pela internet, e principalmente por meio das redes sociais, que de certa forma deu voz aos “indivíduos, ora impronunciáveis”, àqueles de quem a mídia não poderiam nem perder tempo em citar ou discutir suas ideias, como afirmara certa vez Milton Temer, ao pedir explicitamente que os meios de comunicação “não deveriam nem ao menos citar Olavo de Carvalho, pois o mesmo não era para ser comentado”. Ou seja, se as ideias fogem dos salões nobres do castelo de informação dominante, e se essas ideias representam um contraponto ao discurso uníssono da elite tradicional, o que fazer com esse petulante que ousa expor as idiossincrasias da classe falante? Alija-o do debate das ideias, pois seu pensamento e postura não coaduna com o nosso status quo.

Olhando para o momento único que essas eleições representam para o país, o discurso e narrativa imposta pelos meios de comunicação ruiu, e viu o seu poder de moldar e mudar consciências se esvair com a ascensão das redes sociais no debate político, como já dito, uma vez que tal ferramente permitiu a notícia, bem como a sua interpretação chegar ao cerne do senso comum, sem as bênçãos da exegese da classe iluminada, que de certa forma está sendo desnudada, pois as redes sociais revelaram cruamente as suas incongruências e imparcialidade tão propagada, que não cola nem mesmo nos bancos das universidades que se tornaram centros de excelência de militância organizada capitaneada por: PCdoB, PROS, UNE, UJS, PT, REDE, PSOL, e tuti quanti. Essa imparcialidade que possui lado, foi desnudada e causa alvoroço na elite do saber, que já não detém o poder da narrativa, e principalmente na Esquerda que sempre foi beneficiada pela narrativa imposta por redações, editoriais e academia.

Exemplos clássicos dessa suposta imparcialidade se esvai matéria após matérias noticiosas, que estão longe de ser notícias. E, principalmente, por seu viés progressista, acabam por direta ou indiretamente tomando partido, e com isso produzindo cortina de fumaça em detrimento de um dos espectros políticos. Recentemente, ambas figuras que disputam a corrida presidencial, foram surpreendidas por suas próprias declarações, cito, a fala do Gal. Hamilton Mourão que ousou criticar a política salarial, chamando o 13o Salário de Jaboticaba. Resultado: foi defenestrado do debate por insistentes matérias que não cessavam de atacar o candidato principal, Jair Bolsonaro, que naquele momento estava se convalescendo em um leito de hospital, vítima de um crime cometido por um autodeclarado indivíduo de extrema-esquerda ligada ao PSOL.

Em contrapartida, o candidato a Presidência pelo PT, Fernando Haddad disse que iria convocar uma “Constituinte Exclusiva”, e que se preciso fosse “criaria meios e condições” juntamente com conselhos populares, e que isso inclusive, havia sido mediado com a integração do PCdoB que comporia a chapa como vice. Isso sim, é preocupante e não foi noticiado como deveria, pois o candidato petista, apenas repetiu o que o guru intelectual do partido, o comunista José Dirceu, havia dito dias antes, “que o PT tomaria o poder, e que isso independe de ganhar eleições”, demonstrando com isso um total desprezo pelo Estado Democrático e suas instituições. O que se seguiu a isso? Uma matéria para cumprir pauta, mas, não houve sequer, o mesmo escrutínio incensado e dispensado ao outro lado, que apenas expôs sua visão crítica a respeito de determinado assunto, ao passo que a “Constituinte Exclusiva” era proposta inserida em plano de Governo e ecoada na boca do alto comando petista. Inclusive, teve uma fala autoritária do ex-presidente, agora presidiário, que “arrependia amargamente de não ter levado a cabo o seu plano de venezuelização”. A mídia e a classe falante, não deu um único suspiro sobre as declarações fascistas que revelam ditadores por trás da máscara de bons democráticos vendida a preço de petróleo e com o auxílio de um marqueteiro. Como diria Cícero, “o temporas, o mores”.

À guisa de exemplo, trazemos à baila um outro episódio que exprime essa polarização do debate, e consequentemente, a insistente militância dos editoriais. O Deputado Federal Eduardo Bolsonaro, eleito com mais de 2 milhões de votos, enquanto ministrava uma aula inaugural em cursos para ingresso na Polícia Federal, respondeu um questionamento de um concurseiro sobre a possibilidade de o Exército intervir, caso, o STF impedisse o ingresso de Bolsonaro na Presidência, em caso de chicana jurídica. Ele responde ironicamente, que não precisaria do Exército, e que somente um Soldado e um Cabo seria suficiente para fechar o STF. Pronto! Para a mídia e a esquerda a caixa de pandora que ecoa no imaginário da Esquerda desde o período do Regime Civil/Militar foi aberta, logo, Ministros ativistas tiveram voz e a repercussão foi seguida por uma fala de indignação (àquela mesma indignação que fez prescrever processos como o de Renan Calheiros), e ostentando um zelo angelical pela democracia. Os mesmos Ministros, mídia, classe falante não deu repercussão as falas de um Deputado Petista desesperado por ver seus companheiros e asseclas serem, um a um presos, na Operação lava jato, inclusive com a confirmação de sentença pelo próprio STF. O ilustre e democrático petista em voga, era o Deputado Wadih Damous, que democraticamente diz que “tem que fechar o Supremo Tribunal Federal”. O que é idiossincrático é que o mesmo deputado já foi, inclusive, presidente da OAB Secional do Rio de Janeiro. Mas, o que causa espécie para a elite iluminada é a resposta de um Deputado que lecionava para alunos, cuja resposta, provavelmente não foi levada a sério nem mesmo pelos concurseiros de plantão, pois os mesmos tinham a exata noção do contexto entre pergunta e resposta. Agora convenientemente (04 meses após o ocorrido), a Folha, apelidada carinhosamente nas redes sociais de “Foice de São Paulo”, começa a divulgar o mesmo vídeo justamente na última semana das eleições. Isso beira a desonestidade intelectual com o fim de corromper a inteligência e o discernimento de indivíduos que são bombardeados todos os dias com matérias que visam a desconstrução de um candidato, enquanto o outro é tratado como moderado e democrático, em que pese ser portador de 32 (trinta e dois) processos em casos de corrupção e malversação decorrentes de sua administração frente a prefeitura de São Paulo, e ser parte, inclusive, como Ministro de Estado de um Governo que assaltou o país. Isso, a mídia simpática aos desmandos do PT não repercute, e não traz para o centro das discussões, em que pese ser um momento singular da história, onde a pauta do combate a corrupção deveria ser o cerne do debate público, e não as delongas sobre minorias e afins.

Em seu livro Apoteose da Vigarice, Olavo de Carvalho faz uma constatação ao enfrentar um choque de realidade. Ao se mudar para os USA, percebendo como se dá o debate e como as ideias são fomentadas, ele diz: “Já quase acostumado aos bate-bocas medonhos entre Republicanos e Democratas na mídia americana, fico cada vez mais deprimido ao observar a pastosa uniformidade dos jornais brasileiros. É uma assembleia de cães amestrados, cada qual mais ansioso de mostrar obediência aos cânones admitidos. O que um declara, o outro repete. O que um suprime, os outros omitem. O que um aprova, os outros aplaudem”.

Por essas bandas, a classe letrada em sua incessante cruzada em detrimento de sua postura e agenda, assume lado e torcida no espectro político, por esse prisma segue tão nocauteada quando a própria esquerda. Pois o toque de Midas sobre a propaganda eleitoral perdeu o efeito, e consequentemente tornara-se um reflexo distorcido daquilo que ela supostamente mais combate – as Fake News.

Os destaques de capa do jornal Correio Braziliense


As manchetes de jornais brasileiros nesta sexta-feira

FolhadeSãoPauloTSE censura fala de Bolsonaro sobre voto em urna eletrônica

Globo: TREs proíbem protestos em 17 universidades

Estadão:  Para Regina Duarte, Bolsonaro tem alma democrática

Extra: Atos políticos em universidades são reprimidos por TREs

ValorEconômico: A força do voto 'contra tudo e contra todos'

ZeroHora: Bolsonaro tem 56%, e Haddad, 46%, no Datafolha

EstadodeMinas: Alta voltagem no último confronto

CorreioBraziliense:  Bolsonaro e Ibaneis são os preferidos da nova  bancada do DF

CorreiodaBahia: Jair Bolsonaro tem 56% e Haddad, 44%

JornaldoCommercioDiferença diminui, mas Bolsonaro lidera a disputa

DiáriodoNordeste: Shoppings esperam forte alta nas vendas de Natal

- CorreiodaParaíba: Ação contra 'fake news' de urnas

quinta-feira, 25 de outubro de 2018

Vai vendo...

Professor é agredido por apoiadores de Haddad durante ato em universidade federal
Docente foi “empurrado e desrespeitado por grupos de alunos e professores pregando o #EleNão”
GazetadoPovo
UFCG manifestou preocupação com as mobilizações políticas e recomendou à comunidade universitária observar os direitos e deveres do cidadão durante manifestações. Bruno Coitinho Araújo

Um professor de Bioquímica de 70 anos da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) foi agredido por manifestantes em ato contra a campanha do candidato Jair Bolsonaro na última terça-feira (23).

O caso foi denunciado em duas notas de repúdio emitidas pelo Diretório Acadêmico Francisco Brasileiro (DAFB) e pelo Hospital Universitário Alcides Carneiro. “Um de nossos estimados professores foi vítima de hostilidades e agressão durante ato com motivações políticas”, confirma a nota do DAFB. De acordo com a entidade, o ato foi organizado de forma independente por alunos e professores do curso de Medicina. 

Segundo relatos postados no Facebook, o professor foi “empurrado e desrespeitado por grupos de alunos e professores pregando o #EleNão”. “Absurdo, vergonhoso! É esse mesmo grupo que acusa seu adversário de ser extremista e intolerante”, diz um trecho da postagem. 

Repercussão 

Em nota enviada à Gazeta do Povo, a UFCG manifestou preocupação com as mobilizações políticas e recomendou à comunidade universitária observar os direitos e deveres do cidadão durante manifestações

“Considerando o incidente ocorrido no Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS), a Reitoria se compromete a apurar os fatos, adotar os procedimentos administrativos legais e necessários”, diz. 

“Conclamamos o respeito às diferenças, a defesa do convívio saudável, a preservação do interesse acadêmico e, acima de tudo, a preservação do elevado conceito institucional perante a sociedade”, conclui o comunicado.

Esse é arrochado!

“Vão estudar!”, diz pedreiro pró-Bolsonaro na cara de 800 “estudantes” esquerdistas em assembleia
Caneta.org

Ocorreu na quinta-feira da semana passada (18) uma assembleia dos “estudantes” de esquerda da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) para “combater o fascismo” por meio de uma “greve estudantil” (?). Iniciada ao meio-dia, a assembleia teve mais de 800 presentes de todas as vertentes socialistas possíveis. Entretanto, quem roubou a cena foi um eleitor de Jair Bolsonaro (PSL). Em Santa Catarina, Bolsonaro teve 65% dos votos válidos contra 15% de Haddad no primeiro turno.

Enoch Amorim, estudante da UFSC e pedreiro, se inscreveu para falar e deu um show. “Deixa eu só dizer uma coisa: eu não estou aqui na identidade de aluno da UFSC. Eu tenho a carteira assinada, sete anos de pedreiro, eu estou aqui na identidade de contribuinte. E eu queria dizer pra vocês: vão estudar! Vão estudar! É a coisa que vocês têm que fazer. A propositiva dessa universidade é para que nós estudemos, não é para fazer uma corja! Uma corja que vai fazer politicagem! Nós devemos pensar política e não praticar política! Isso é uma vergonha!”, afirmou o pedreiro sob reclamações dos presentes.

E continuou: “Isso é uma vergonha! Eu como contribuinte, eu como contribuinte tenho sido onerado por vocês que não estudam, que perdem tempo fazendo coisas que não convém com a conduta de quem estuda nesta universidade, certo?”. Por fim, desafiou um dos falantes anteriores: “E eu quero dizer ao amigo que falou que me estrangularia, o pescoço está aqui ó, eu sou um dos 65% de fascistas que votou no Bolsonaro! Vote Haddad 17! Eu serei resistência!”, terminou o pedreiro, sob vaias dos esquerdosos presentes.

O apoiador de Bolsonaro, entretanto, não se incomodou e ainda saiu fazendo um coração com a mão. Confira o vídeo completo:

Jayme Monjardim, diretor da Rede Globo, detona o Haddad e o PT após vídeo de um filho atirando no pai


Vejam na íntegra esse vídeo do diretor e cineasta Jayme Monjardim, que chama Haddad de “uma caçamba de lixo”. Monjardim é diretor do filme “Olga”, e filho da inesquecível cantora Maysa. Assistam!!

E as regras?

Policia Federal apreende material contra Bolsonaro e a favor de Haddad e acaba ‘comitê’ petista na UFCG
Tánaárea

A Polícia Federal cumpriram na manhã desta quinta-feira (25) um mandado de busca e apreensão na sede da Associação dos Docentes da UFCG (ADUFCG) para recolher panfletos em favor do petista Fernando Haddad e materiais intitulados ‘Manifesto em defesa da democracia e da universidade pública’, registra o ClickPB. De acordo com o juiz eleitoral Horácio de Melo Júnior, o pedido para fazer a busca e apreensão foi feito pela Polícia Federal.

Horácio de Melo Júnior afirmou em entrevista ao ClickPB que “houve uma representação da Polícia Federal, nós examinamos e autorizamos além da abertura do inquérito para apurar o crime de agressão e tal, emitimos uma ordem de busca e apreensão para apreensão dessas propagandas que estão sendo utilizadas todas na universidade”. Ainda ontem foi registrada agressão dentro de uma sala de aula na Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) por motivações políticas.

De acordo com o mandado, foi determinada também a apreensão de materiais de campanha eleitoral em favor do candidato a presidente Fernando Haddad.

De acordo com o juiz eleitoral, “em qualquer órgão público é proibida toda e qualquer manifestação política de panfletagem, de propaganda pública” e que a infração às regras provocou o mandado de busca e apreensão.

Horácio de Melo Júnior antecipou ainda que “nós vamos punir criminalmente os responsáveis que estiverem à frente dessa panfletagem e desse movimento”.

E depois de domingo, dia 21, com a maior manifestação da história do Brasil?!!! Pura fake new!


E, pra variar, a culpa é sempre de outro...


Grave, irresponsável e sinal de desespero o Haddad acusar o general Mourão de torturador. O ataque voltou como bumerangue na testa do petista.