quarta-feira, 19 de julho de 2017

Um oportuno texto de um Juiz de Direito. A sugestão é de Manoel Emidio De Sousa Neto

PERGUNTEM AO ZELADOR
Hélio David Vieira Figueira, juiz de Direito

José Afonso Pinheiro, 47 anos, zelador, foi demitido de sua função no edifício Solaris, porque prestou depoimento ao Ministério Público relatando ser do conhecimento geral que o triplex 164-A era de propriedade de Lula.

É apenas um pequeno drama de um desempregado a mais, num total de 14% de brasileiros desempregados. Ninguém se preocupa com ele. A diferença é que José Afonso não foi demitido pela crise econômica e sim porque procurou colaborar com uma investigação criminal, cumprindo um dever cívico a que muitos se esquivariam.

Enquanto isso, a esquerda artística do país, doente de uma cegueira patológica, como é o caso de Chico Buarque de Holanda ou Caetano Veloso, ou então, órfã dos empréstimos a fundo perdido da Lei Rouanet, tão facilmente distribuídos pelo governo lulista, já se agita contra a condenação de Lula e os ideólogos profissionais do partido, bem remunerados, manipulam seu público.

A verdade é que a sentença de Sergio Moro é um primor de objetividade e clareza. É preciso lê-la. A conclusão está amparada com solidez em todos os argumentos que foram considerados. Não se pode lutar contra os fatos, mas para a visão distorcida dos lulistas, apenas a confissão dele serviria como prova, e mesmo assim, exigiriam o perdão judicial pelo bem que fez ao Brasil… Os fatos, esses são irrelevantes.

Essa gritaria só mostra o grau de nossa incivilidade. Mais de 13 anos de aparelhamento do Estado produziram um grande estrago. Toda uma geração foi afetada pela retórica que recobria esse assalto às instituições. O resultado foi esse fascismo de esquerda, a hostilização da Justiça que pune corruptos, a Justiça passa a ser o inimigo. Sempre há um inimigo no populismo. Não haverá tréguas à Justiça, embora todo lulista assaltado na rua queira a cabeça do ladrão.

O advogado de Lula, agora, perdeu completamente o pudor. Ofende publicamente o juiz, sente-se coberto ele próprio pela impunidade que o prestígio político de seu cliente lhe dá. É um sobrevivente da advocacia sem ética. Quer buscar justiça na ONU, mas a opinião pública internacional sabe muito bem do que trata a Operação Lava-Jato e sabe a posição de Lula nesse contexto. Pode falar em lawfare à vontade, porque os investidores americanos sentiram na pele os efeitos do Petrolão e sabem quem governava o país na época. Essa retórica não engana mais ninguém.

Lula faz parte da história do Brasil. Depois de morto e à medida que a História se afastar das paixões, será lembrado como um corrupto populista, como alguém que elevou a corrupção ao modelo político de gestão de Estado, em proporções nunca vistas na história da humanidade.

É com isso que ele deveria estar preocupado, com o seu julgamento póstumo e não com essa atitude farsesca de inocência. Por causa dele, um brasileiro simples e pai de família, perdeu o emprego.

Todo o meu respeito a José Afonso Pinheiro.

Nenhum comentário: