sábado, 8 de julho de 2017


Por que a esquerda domina as universidades?
GazetadoPovo

A Gazeta mostrou ontem como autores à direita (liberais ou conservadores) têm pouco espaço nas cinco principais universidades brasileiras. Nas bibliotecas da Unicamp, por exemplo, há 7700 obras de Marx, Lenin, Gramsci, Sartre e Paulo Freire, e só 712 de Adam Smith, Edmund Burke, Ludwig Von Mises, Roger Scruton e Thomas Sowell.

Na mesma linha, uma pesquisa da Universidade da Califórnia mostrou que os acadêmicos das principais universidades americanas estão cada vez à esquerda. Em 2008, 56% deles se identificavam como de esquerda ou de extrema-esquerda – em 2011, a parcela subiu para 63%.

E a economista Amy Liu, entrevistando estudantes de 148 universidades americanas, descobriu que a chance de formandos se declararem de esquerda é 32% maior que a dos calouros. Os anos de faculdade os tornam mais favoráveis à legalização da maconha e do aborto e à criação de impostos sobre fortunas.

Acadêmicos dizem que isso acontece porque a universidade amplia a visão de mundo e a sensibilidade a temas sociais. Já a direita culpa a doutrinação marxista dos professores. O psicólogo Richard Nisbett, ele próprio simpático a causas de esquerda, acredita numa explicação mais abrangente. Para ele, a origem da tendência à esquerda é o “efeito maria-vai-com-as-outras”: os estudantes e professores se baseiam no comportamento dos colegas e se deixam influenciar por eles.

Professor da Universidade de Michigan, Nisbett é autor de um livro excelente que acabou de sair, o “Mindware: tools for smart thinking”, um guia para escapar de falácias e erros sistemáticos de decisão. Um desses erros é se deixar levar pela influência social.

“Como psicólogo social e acadêmico, posso garantir que os professores são em maioria de esquerda e não reconhecem a conformidade social que influencia suas próprias opiniões”, diz ele. As pessoas custam a admitir que são influenciadas pelos outros, mas a verdade é que são muito mais do que podem perceber.

Essa a influência dos acadêmicos, afirma o psicólogo, se limitaria à própria comunidade universitária. “Estudantes dessas faculdades de esquerda ingressarão num mundo de pessoas com um amplo leque de visões – que começarão a influenciá-los numa direção em média mais à direita.” Ou seja: as universidades podem estar cada vez mais à esquerda, mas isso não significa que a sociedade como um todo seguirá esse caminho.

2 comentários:

Marcos Diniz disse...

Tive colegas de faculdade, esquerdistas ferozes.
Hoje, detestam: socialismo,comunismo,esquerdo, lulismo....
Adoram caviar!

Marcos Diniz disse...

Tive colegas de faculdade, esquerdistas ferozes.
Hoje, detestam: socialismo,comunismo,esquerdo, lulismo....
Adoram caviar!