terça-feira, 4 de julho de 2017


Há exatos 241 anos, em 4 de julho de 1776, era publicado o documento político mais importante da história do Ocidente: a Declaração de Independência dos Estados Unidos da América.

Poucos anos depois, em 14 de julho de 1789, a esquerda francesa, reunida no partido jacobino, começava um banho de sangue dos mais cruéis e sádicos da história em nome de uma utopia, inaugurando o pior mal que aflige o mundo desde então: a barbárie em nome de uma ideologia. A história do Ocidente desde essa época pode ser divida entre os defensores dos ideais da declaração de independência americana e os que estão ao lado da barbárie ideologizada dos jacobinos e seus descendentes.

Este documento, escrito originalmente por Thomas Jefferson, traz uma das expressões mais conhecidas da língua inglesa e que resume, de uma forma quase perfeita, os ideais pelos quais se deve lutar para um mundo melhor, mais justo e civilizado:

"Consideramos estas verdades como auto-evidentes, que todos os homens são criados iguais, que são dotados pelo Criador de certos direitos inalienáveis, que entre estes estão a vida, a liberdade e a busca da felicidade."

("We hold these truths to be self-evident, that all men are created equal, that they are endowed by their Creator with certain unalienable Rights, that among these are Life, Liberty and the pursuit of Happiness.")

Nesse trecho, quase tudo que você precisa saber:

- Seus direitos fundamentais são "auto-evidentes", "inalienáveis" e não foram dados a você pelo estado, pelos governantes e detentores do poder e que por isso mesmo eles não podem tirar de você.

- Seus diretos mais básicos são o direito à vida, à liberdade e a BUSCA da felicidade. A sociedade não deve a você a sua felicidade, ela é uma busca pessoal e intransferível. Seu país, seu governo e as leis devem garantir que você tenha as condições para correr atrás dos seus sonhos, mas a busca é sua e de mais ninguém.

Aprendendo isso, aceitando isso, o resto é conseqüência. A partir dessas idéias, os EUA criaram a sociedade mais próspera e livre da história da humanidade em menos de três séculos.

Nenhum comentário: