quarta-feira, 7 de junho de 2017

Juiz é condenado por favorecer Arruda
CorreioBraziliense

O Conselho Especial do Tribunal de Justiça do DF decidiu nesta tarde (06/06) determinar a aposentadoria compulsória do juiz Fabrício Dornas Carata, sob a acusação de favorecer, em sentenças o ex-governador José Roberto Arruda em ações de improbidade administrativa relacionadas ao repasse irregular de recursos para o município de Águas Lindas de Goiás.

Com apenas quatro anos de carreira na magistratura, o juiz é casado com Paula Maciel, enteada do ex-chefe da Casa Civil José Geraldo Maciel, primo e braço direito de Arruda no governo do DF. Para 17 dos 20 desembargadores que participaram da sessão, Carata feriu as regras de conduta da magistratura. Entre os magistrados, 14 votaram a favor da pena máxima estabelecida pela Lei Orgânica da Magistratura Nacional (Loman), que é a aposentadoria compulsória, como defendeu a relatora do caso, desembargadora Carmelita Brasil.

O magistrado será desligado das funções, mas receberá aposentadoria proporcional.

Processo administrativo disciplinar, aberto a pedido do Ministério Público do DF, apontou que Carata, de forma deliberada, se candidatou para substituir a juíza titular da 8ª Vara de Fazenda Pública do DF, Maria Silda Nunes de Almeida, que estava de férias, como forma de obter acesso a ações de improbidade contra Arruda. A juíza já havia determinado que somente ela despacharia os processos relacionados ao caso.

De posse dos processos, Carata teria recebido advogados do ex-governador e intimado Arruda, quando a 8ª Vara encontrava dificuldades para notificá-lo. A defesa apresentou resposta em dois processos no prazo de três dias, no prazo de 15 dias que dispunha para responder às acusações do Ministério Público do DF nas ações de improbidade que tramitavam naquela vara. Apenas 48 horas depois, um dia antes do retorno da juíza titular, saíram as sentenças proferidas por Carata, com absolvições a Arruda.

Parentesco admitido
No primeiro interrogatório, durante o processo administrativo disciplinar, Carata não mencionou seu parentesco com Maciel. Mas depois, ao ser reinterrogado, quando confrontado com informações apresentadas pelo Ministério Público do DF, ele admitiu o parentesco com Maciel.

As ações de improbidade julgadas indevidamente por Carata apontam o repasse irregular, em 2009, de R$ 500 mil por meio de convênio com a prefeitura de Águas Lindas de Goiás para a reforma e ampliação do Hospital Municipal Bom Jesus, localizado no município. Também houve investimento de R$ 12 milhões do DF para capacitação de pessoal, compra de equipamentos e de material. Nas ações, o MP considerou que não houve devida prestação de contas, fiscalização e controle. Além de Arruda, são réus na ação de improbidade o deputado Augusto Carvalho (SD) e o então prefeito de Águas Lindas, Geraldo Messias (PP).

Advogado de Carata, o desembargador aposentado Edson Smaniotto afirma que a defesa prepara o recurso contra a condenação a partir da publicação do acórdão. O recurso poderá ser na via administrativa ou judicial. Smaniotto entende que o procedimento do juiz foi “absolutamente normal”, uma vez que Maciel não é parte nos processos julgados por Carata e, por isso, ele não estava legalmente impedido de julgar as ações de improbidade contra Arruda.

Para Smaniotto, não cabe uma avaliação administrativa sobre uma decisão judicial tomada pelo juiz no exercício legal do cargo. “A questão sobre como o juiz decidiu só pode ser reformada na esfera judicial”, aponta. Segundo o advogado, o juiz atuou no caso a pedido do próprio Ministério Público que pediu a intimação de Arruda. “Sequer houve arguição da suspeição do juiz por parte do Ministério Público”, afirma Smaniotto.

Um comentário:

Anônimo disse...

APOSENTADORIA COMPULSÓRIA.

MAIS UM PREMIADO DO JUDICIÁRIO!

NÃO DÁ PARA ACREDITAR NA JUSTIÇA.