segunda-feira, 5 de junho de 2017

Como chegamos a esse ponto?
O mais importante ranking de educação do mundo deixa o Brasil em posição vexatória e escancara o descaso de nossos governos com o ensino. O problema não é dinheiro
Camila Brandalise - IstoÉ

Brasil foi reprovado com louvor na mais importante avaliação de estudantes do mundo. E mostrou que a educação, decantada como prioridade nos últimos anos pelo governo brasileiro, foi deixada às traças, apesar dos vultuosos orçamentos da pasta. Dados divulgados pelo Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (PISA, na sigla em inglês), prova aplicada em 2015 em 72 países pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), mostraram que o País caiu nas três áreas avaliadas: ciências, matemática e leitura. Em 2012, ano do último exame, a pontuação dos alunos brasileiros de 15 anos, faixa etária para a qual o teste é aplicado, já era considerada baixíssima. Ainda assim, o Brasil era o país com maior evolução em matemática desde os anos 2000. Agora, porém, a situação é vexatória. A OCDE detectou uma preocupante estagnação nas quedas das notas. E, levando-se em consideração que o gasto por aluno aumentou 43% no País, impressiona constatar que, mesmo com mais investimentos públicos, os índices educacionais caíram para patamares vergonhosos. Ficamos em penúltimo lugar no ranking da América Latina, à frente apenas do Peru, e em 63º lugar geral. Diante desse quadro, resta a pergunta: por que o Brasil permitiu essa tragédia, na área mais sensível para o desenvolvimento do País? Especialistas são praticamente unânimes. Falta uma política educacional e legislação que valorize o professor. O problema não é dinheiro.

Desestímulo
Enquanto o Chile tem a mesma média de investimento e está 20 posições acima, por aqui ainda se insiste em um modelo anacrônico, pouco eficiente e enfadonho, do qual fogem não só professores em potencial, mas também os próprios alunos. “Há algumas questões que desestimulam os estudantes, como a reprovação”, afirma Patrícia Mota Guedes, gerente de Pesquisa e Desenvolvimento da Fundação Itaú Social. Segundo ela, 36% dos alunos brasileiros responderam que já reprovaram pelo menos uma vez, número três vezes maior que a média da OCDE. Patricia ainda cita que 45% dos estudantes do País disseram ter faltado pelo menos uma vez nas duas semanas anteriores ao teste, enquanto que o índice dos outros países é de 20%.

Para Mozart Neves Ramos, diretor de articulação e inovação do Instituto Ayrton Senna, há outro grave e persistente problema: o professor no Brasil não é valorizado. “A qualidade dos educadores é um ponto essencial e tem que ser tratado com urgência, tanto na questão da formação inicial, quanto da continuada”, diz. A pouca atratividade pela carreira do magistério, salários baixos, falta de plano de carreira e praticamente nenhuma política pública para formação são fatores que afastam os jovens da profissão e, por consequência, deixam o Brasil a léguas de distância do grupo dos melhores dos rankings de ensino. “Em Cingapura, no Canadá e na Finlândia, por exemplo, o magistério é uma profissão competitiva e supervalorizada. E o resultado são melhores desempenhos”, afirma Ramos. Por aqui, no entanto, a história é outra. No PISA, os alunos foram questionados sobre que profissão gostariam de seguir. Entre os brasileiros, nenhum respondeu a de professor. Hoje, 30% dos educadores dos anos finais do Ensino Fundamental não têm graduação para a área que lecionam. A média da OCDE é de 6%. “Como o governo precisa colocar alguém na vaga para aquela disciplina, aceita qualquer formação”, afirma Juliano Costa, diretor pedagógico da Pearson, empresa de educação britânica responsável pela elaboração do PISA.
DESPRESTÍGIO Para Mozart Neves Ramos, do Instituto Ayrton Senna, a educação brasileira atingiu um patamar tão baixo pela histórica desvalorização dos professores 

A verdade é que há muito para ser feito e poucas soluções estão sendo tomadas. Mas depositar todas as fichas no aumento do investimento não é suficiente. É preciso que o governo crie novas políticas educacionais, bem elaboradas, e reformule o ensino. Entre as mais urgentes está a Base Nacional Comum, que vai estabelecer um eixo curricular principal para ser seguido em todo o território nacional. Outro projeto também em andamento que precisa ser expandido o quanto antes é a educação integral. O caminho existe, mas o resultado do PISA mostra que, por muitos anos, faltou vontade política para ser traçado.

Entre os piores
O péssimo desempenho do Brasil no PISA fez o País cair posições no ranking educacional mais importante do mundo

401
foi a nota na prova de Ciências, quatro pontos menor do que em 2012. Passou do 59º para o 63º lugar

pior pontuação entre os países da América Latina, ficando atrás apenas do Peru

US$ 38 mil
é o gasto médio por aluno brasileiro, cerca de R$ 129 mil. Com o mesmo valor investido, o Chile está 20 posições acima

14 pontos
de queda foram registrados em matemática entre as provas de 2012 e 2015. É a área em que o Brasil mais caiu, indo do 8º ao 6º lugar entre os piores colocados

Um comentário:

Anônimo disse...

QUEM MANDOU ESTUDAR E SER PROFESSOR?