sexta-feira, 28 de abril de 2017

Só para complementar postagem anterior: Renato Duque, heim? Esse tem muito, também, a falar...

Renato Duque vai, enfim, falar a Sergio Moro
Ex-diretor da Petrobras, que negocia delação premiada com o Ministério Público Federal, pediu ao juiz remarcação de depoimento em processo da Lava Jato
João Pedroso de Campos
Veja.com
O ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque

Enquanto negocia um acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal no âmbito da Operação Lava Jato, o ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque informou ao juiz federal Sergio Moro nesta quinta-feira que vai, enfim, falar ao magistrado em um depoimento.

Preso desde fevereiro de 2015 e já condenado a 57 anos e sete meses anos de prisão por Moro em quatro processos, Duque permaneceu calado em todas as oitivas a que compareceu. Ele falará ao juiz como réu na ação penal que tem entre os acusados o ex-ministro da Fazenda e da Casa Civil Antonio Palocci, o marqueteiro João Santana e o empreiteiro Marcelo Odebrecht e outras 11 pessoas.

No ofício encaminhado a Moro, assinado pelos advogados Antonio Figueiredo Basto, Maria Francisca Nedeff Santos e Luiz Gustavo Rodrigues Flores, além do próprio Duque, o ex-diretor da Petrobras afirma que “de forma espontânea e sem quaisquer reservas mentais, pretende exercer o direito de colaborar com a Justiça nos temos do artigo 1º parágrafo 5º da Lei 9.613/98, para tanto requer seja designado por V. Exª data para que seja submetido a novo interrogatório”.

A lei mencionada pelo ofício de Duque é a que rege as delações premiadas. Isso significa que ele pretende, mesmo sem ter acordo firmado com os investigadores do Ministério Público Federal, obter redução de pena com o depoimento.

Nenhum comentário: