quarta-feira, 19 de abril de 2017

Errei no rótulo, mas não no essencial, sobre Chomsky
Clóvis Rossi
Folha de São Paulo
O linguista norte-americano Noam Chomsky em conferência na USP em 1996

Um punhado de leitores contestou, com razão, o rótulo de marxista que empreguei para o linguista Noam Chomsky na coluna postada na segunda-feira (17).

De fato, errei. Alguns leitores preferem defini-lo como anarquista, outros como socialista libertário. Na Wikipedia, fala-se até em "anarcocomunismo".

Errei no rótulo, mas não errei na essência da coluna: Chomsky é –o que ninguém nega– um dos maiores, talvez o maior, ícone da esquerda. E, ao criticar os governos de esquerda, inclusive o do PT, torna-se um raro intelectual a dizer que o rei está nu, até mesmo do ponto de vista ético.

Claro que há intelectuais de esquerda que já haviam feito críticas ao PT antes, mais profundas e agressivas até do que de Chomsky.

Penso, por exemplo, em Chico de Oliveira, mas não só.

O ponto principal, no entanto, é que os intelectuais que se acham de esquerda e são vinculados ao PT continuam em silêncio.

Até Luiz Inácio Lula da Silva aceitou implicitamente que as delações do pessoal da Odebrecht revelam fatos. Disse o seguinte em entrevista a uma rádio de Salvador, no dia 13 passado:

"Quando aparecem [nas delações] outros partidos que criminalizaram o PT, primeiro você tem um alívio. A máscara está caindo".

Quer dizer, quando a delação pega os outros, a máscara caiu, mas, quando pega o PT, é criminalização. Puro cinismo.

Até porque um dos grandes cardeais do partido, Jacques Wagner, já admitiu publicamente que o PT "se lambuzou".

E, no entanto, os intelectuais ligados ao PT ficam em um silêncio nada inocente.

É sempre bom repetir que ficam em silêncio também –ou até aplaudem– sobre o que seu ídolo Chomsky chamou de "situação realmente desastrosa" da Venezuela.

Até quando?

Um comentário:

Anônimo disse...

NÉ QUIEU TINHA RAZÃO, QUANDO UM DIA CHAMEI MEU COLEGA DE TURMA DA QUARTA SÉRIE GINASIAL, EDVAL CAJÁ, DE COMUNISTA FESTIVO.

CORRI PRÁ NUM APANHAR DE TÃO BRABO QUE O CABA FICOU.

MARCOS DNZ