quinta-feira, 20 de abril de 2017

Em nova tentativa, governo consegue aprovar urgência para reforma trabalhista
Eduardo Rodrigues, Daiene Cardoso
 Maia culpou oposição por falta de acordo

BRASÍLIA - A Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira, 19, o regirme de urgência para a tramitação da reforma trabalhista. Assim, a proposta deve ir direto a plenário, sem passar pela comissão especial instaurada para discutir o tema. Foram 287 votos a favor e 144 contra. Na véspera,líderes da base propuseram, sem sucesso, o regime de urgência para a tramitação.

Após colocar novamente em votação o pedido de urgência para a reforma trabalhista, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), confrontou-se com a oposição no plenário. Os parlamentares contrários à nova votação fizeram uma questão de ordem, recusada pelo presidente, que também ignorou um recurso apresentado pelos deputados.

Diversos parlamentares da oposição então subiram à mesa de Maia gritando “Golpe, Golpe”, o que deu início a um longo bate-boca, enquanto deputados da base gritavam “Voto, Voto”. Líderes da oposição inclusive ameaçaram ir ao Supremo Tribunal Federal (STF) contra a nova votação pela urgência.

Visivelmente exasperado, Maia culpou a própria oposição pela falta de um acordo para que essa votação ocorresse em 3 de maio. “O PT impediu o acordo. Se o PT não quer votar, não vai 'esculhambar' a votação no plenário. Se a base tiver voto, ganha. Se não tiver, perde”, completa.

Nenhum comentário: