sexta-feira, 10 de março de 2017


4 soluções mágicas para combater o déficit da previdência e o que elas tem de absurdas:

1) Vamos cobrar os grandes devedores!
Esta é a mais clássica de todas. De fato, inúmeras empresas deixam de pagar o INSS, e existem R$ 450 bilhões em pendências com a previdência.

Parece uma bolada, e é, mas é algo irrisório comparado ao déficit atuarial projetado apenas para o RGPS, que é de R$ 2 trilhões.

Mas tem outro porém: 2 em cada 3 empresas aí, devem por que faliram, e como toda empresa que vai a falência: não paga os impostos.

Atualmente mais de 1 em cada 3 processos judiciais brasileiros tem cobranças de dívida por parte do governo como motivação... mas - adivinhe só! - O judiciário brasileiro é lento.

2) Vamos acabar com a sonegação!
Imagine que um banqueiro chegasse para o seu conselho e perguntasse: como podemos aumentar o lucro? E em seguida, um conselheiro respondesse: vamos impedir que as pessoas deixem de pagar!

Parece absurdo, mas é justamente o que ocorre aqui. E não sem razão.

O INSS é o tributo mais sonegado do país segundo o IBPT, o que dá quase R$ 100 bilhões por ano. Mas adivinhe só... a maior parte desta sonegação se deve ao fato de que metade dos brasileiros não possui carteira assinada, ou seja: não contribui efetivamente.

Isso ocorre em especial por que no Brasil, como em NENHUM outro país do mundo, se paga tantos impostos sobre o salário de algum trabalhador.

Aqui, a cada R$ 100 em salários, são R$ 57.56 em impostos... na prática, para contratar alguém pagando R$ 1000, um empresário tem de desembolsar R$ 2 mil.

Agora imagine um adolescente de 18 anos conseguir ganhar R$ 2 mil sem experiência... poisé

3) Vamos acabar com a DRU!
Acabar com a Desvinculação das Receitas da União é uma ótima ideia, mas que ao que parece, só apareceu na pior hora.

O problema da DRU é essencialmente o fato de que ela faz o governo não precisar cumprir o orçamento, pois pode manipular até 30% do total.

Se você acabar com a DRU, tudo que você fará é transferir o déficit da seguridade social e aumentar o déficit do orçamento fiscal... e adivinhe só como o governo irá cobrir este déficit? com mais dívida, ou com mais impostos... no primeiro caso, ele fará aumentar o gasto com juros, no segundo ajudará a criar desemprego que irá reduzir a arrecadação do INSS.

4) Vamos cortar os benefícios dos políticos!
O Instituto de previdência do congresso faliu há algum tempo, e hoje os salários são pagos diretamente pelo tesouro. Mas estamos falando aqui de R$ 200 milhões por ano.

Corte em 100% e o rombo do INSS ainda permanece.

Se algum ilusionista se dispuser, podemos apreciar novos truques contábeis pra fingir que déficit não é déficit e que na verdade estamos ricos e não sabemos!

Algum dos Inflacionistas de plantão sugere algo?

Um comentário:

Anônimo disse...

NA ERA MISTER M, O CABA RESOLVIA ESSE QUIPROCÓ LIGERIM.

VAPT-VUPT SUMIA TUDO.

KHARAX! DIRIA O CUMPADE VOUGARI (ISSO É GREGO)