domingo, 19 de março de 2017

Como morrer melhor
Marcos Pires

Assunto mais chato esse, hem? É de morte, se me permitem o funéreo humor. Mas fazer o que? Todos teremos que morrer, e pensando nisso fui em busca dos meus leitores para saber que tipo de morte mais lhes apeteceria.

Leca me lembrou que o pai dela queria morrer num acidente aéreo. Dizia que seria uma morte rápida. Muita gente me respondeu no mesmo sentido. Penso que além de quererem uma morte rápida e quase indolor, também querem um monte de gente acompanhando para não morrerem sós. Aliás, na minha pesquisa descobri que muitas pessoas pensam que vão morrer no dia certo, que cada pessoa tem seu dia de morrer. Se for assim, no dia programado para a morte do comandante do avião, Deus se dará ao trabalho de juntar no mesmo voo todos os outros seres humanos cuja data foi designada por Ele.

Outra opção bastante votada na minha pesquisa foi morrer dormindo. Meu amigo A., inclusive, prefere essa morte porque tem insônia. O idiota pensa que vai viver mais só por causa disso.

Já M. acha que ser rico é fundamental para se ter uma boa morte. Ele é de uma outra espécie de idiotas. Diz que quando estiver doente vai procurar um hospital e médicos nos Estados Unidos (daí precisar de muita grana) porque lá, com as tecnologias mais avançadas do mundo, morrerá muito melhorado.

Eu acho que morrer só tem dois inconvenientes. O primeiro deles é que não sabemos com certeza se no paraíso (ou no inferno, senhores políticos ladrões) tem internet e televisão. Já pensou ficar sem saber como vai terminar essa história da Lava-jato? E a novela? O segundo inconveniente é mais prosaico; como as informações sobre o além não são absolutamente confiáveis para todos, resta pensar nos nossos túmulos. J. R. quer porque quer um tumulo numa região alta, ventilada, e de preferência próximo a amigos que faleceram antes. Diz que se nada for como dizem (essa coisa da alma subir ou descer) vai ser melhor ficar de conversa à toa com as outras almas num lugar confortável.

Eu já escolhi a melhor maneira de morrer, mas dependo da complacência de Mãe Leca. Como com certeza eu irei antes dela dada a longevidade de sua família, será que ela ficaria muito chateada se eu fosse morto aos cento e dez anos por um jovem marido ciumento de 25 anos?

Um comentário:

Anônimo disse...

LEMBREI QUE MEU AVÔ DESEJAVA AOS AMIGOS UMA FRASE:

"DEUS LHE DÊ UMA BOA MORTE"