segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Torcedor do Botafogo morre e outros sete ficam feridos após ataque no Nilton Santos
O Globo
Briga de torcida e pouco policiamento em torno do Estádio Nilton Santos antes da partida entre Botafogo RJ e Flamengo RJ, válida pelo Campeonato Carioca 2017, no Estádio Nilton Santos no Rio de Janeiro (RJ), neste domingo (12). 

Um torcedor do Botafogo morreu e outros sete ficaram feridos no início da noite deste domingo, em frente ao Estádio Nilton Santos, antes do clássico entre o alvinegro e o Flamengo. Segundo informações do 3º BPM (Méier), trio estava diante da ala norte do estágio quando foi alvejado por tiros vindos de um carro que passava pela rua. Após o incidente, eles foram levados para o Hospital Salgado Filho.

Baleado no peito, Diego Silva dos Santos, de 28 anos, chegou ao hospital em estado grave e não resistiu. Jean Marques Ferreira Rocha, de 22 anos, e Pedro Henrique da Silva Rego, de 20, foram atingidos no braço esquerdo.

A Secretaria Municipal de Saúde informa que dos oito homens, quatro tiveram alta e três permanecem em atendimento - um está em estado grave.

Do lado de fora do estádio, antes do jogo, o clima foi tenso. Torcedores tiveram que se esconder atrás de pilastras ao ouvirem som de tiros. Mais cedo, o clube alvinegro chegou a afirmar que era contra a realização da partida por uma suposta falta de policiamento no entorno do estádio, mas a Polícia Militar garantiu que tinha efetivo para que o jogo acontecesse em segurança. Desde sexta-feira, mulheres e parentes de policiais militares ocupam a entrada de várias unidades da corporação no estado, impedindo a saída de viaturas e agentes. O comandante do 3º BPM, o tenente-coronel Luís Teixeira, porém, afirmou que o efetivo para o clássico é "mais do que suficiente".

É claro que prejuízo sempre tem (por conta da manifestação), mas nada que impeça a realização do evento. Não seríamos levianos de realizar o jogo sem as devidas condições de segurança — afirmou.

Ainda de acordo com Teixeira, além do próprio 3º BPM, estão no entorno do Engenhão homens do 1º Comando de Policiamento de Área (CPA) e do Comando de Operações Especiais (COE), que inclui o Batalhão de Choque e o Batalhão de Ação com Cães (BAC).

Guardas municipais também estavam no local. Os reforços teriam sido feitos após o tiroteio.

Uma ata da reunião na Federação de Futebol (Ferj) que planejou o policiamento do clássico entre Botafogo e Flamengo aponta, porém, uma redução do efetivo em comparação ao outro clássico da temporada no Campeonato Carioca, entre Vasco e Fluminense.

O documento mostra que na partida entre o Vasco e Fluminense, em 9 de janeiro, o efetivo destinado para o policiamento ao redor do estádio pelo 3ºBPM (Méier) foi de 70 policiais, como indica a ata da reunião, disponível no site da Ferj.

Para Flamengo e Botafogo, o número destinado caiu para 48.

O Botafogo foi informado que o jogo foi confirmado. Estamos preocupados e preferimos que o jogo não acontecesse. Temos relatos de tiros, de bombas e de muita confusão do lado externo. Mas, da forma que nos foi colocado, nós vamos entrar em campo — disse o vice-jurídico do Botafogo, Domingos Fleury.

Nenhum comentário: