domingo, 19 de fevereiro de 2017


Os dois Brasis 
MARCOS LISBOA 
Folha de São Paulo
Nem tudo vai mal. Alguns Estados têm controlado o crescimento do gasto ao mesmo tempo em que aperfeiçoam as políticas públicas. Os bons exemplos surpreendem.

Os Estados sofrem com o crescimento da folha de pagamentos, de ativos, aposentados e pensionistas, e o custo dos incentivos fiscais.

Alagoas e Maranhão historicamente apresentam preocupantes indicadores econômicos e sociais. Em meio à crise que afeta o país, no entanto, esses Estados têm implantado reformas e controle dos gastos enquanto aperfeiçoam a política pública, como na segurança, em Alagoas, e no controle de desvios tributários, no Maranhão.

O mesmo ocorre no Ceará, Espírito Santo, Goiás e Paraná. Todos esses Estados pagam a folha de pagamentos em dia.

A crise do Rio Grande do Sul é das mais graves entre os Estados. Recentemente, porém, o governo adotou medidas de ajuste, em contraste com outros em situação semelhante.

Os bons exemplos vão além do ajuste. A política pública não deve ser avaliada pelo montante de recursos, mas sim pela qualidade dos serviços, como educação e saúde, e há casos de avanços relevantes nesses Estados.

Os resultados no ensino fundamental em Sobral, no Ceará, constrangem as cidades mais ricas, e o governo dissemina seu exemplo no Estado. O Espírito Santo apresentou notável melhora no Pisa, que mede a qualidade de educação. Goiás inova na saúde e o Paraná, no ambiente de negócios.

As corporações reagem ao ajuste, como ocorreu no Paraná, que começou essa agenda no fim de 2014. A crise da segurança no Espírito Santo mostra até onde podem ir alguns grupos para obter aumentos salariais.

Há um Brasil velho que acredita que pode transferir a conta para Brasília, como na criatividade esperta dos juros simples para recalcular as dívidas do Estados.

Alguns defendem, inclusive, ceder às corporações esquecendo que o resultado pode ser uma crise social ainda maior, como nos Estados que não conseguem sequer pagar a folha de pagamentos.

Esse filme não é novo. O nacional desenvolvimentismo do General Geisel, o descontrole das contas públicas e os atalhos tentados pelos governos seguintes resultaram em uma década perdida, elevada inflação e aumento da desigualdade de renda.

Há, também, um Brasil novo que propõe enfrentar os problemas com responsabilidade fiscal e melhor gestão pública, medida pela qualidade dos serviços, além de aperfeiçoar as regras contábeis para garantir maior transparência das contas públicas, o que colabora com o debate democrático.

A depender da travessia em 2017, talvez o debate em 2018 seja entre o Brasil velho e o Brasil novo, que surge onde menos se espera.

Um comentário:

João Luiz Pereira Tavares disse...

Sobre o consumismo & a “compra” (mesmo sem dinheiro). Alucinação publicitária:

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
A Semiótica do Coração Valente© Ou Lula© o “Salvador”
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Bom, mas sinal, sinal mesmo — signo poderoso de sedução ao consumo –-, tão icônico como indicial (a secundidade de Pierce) foi o clichê muito bem montado por brilhante João Milionário Santana de cujo slogan significante é «CORAÇÃO VALENTE©» — um produto a ser consumido e comprado pelas vísceras e não pela razão e raciocínio [Santana, esse que entende muito bem de Semiótica! Mas mesmo assim foi e está preso pelo inteligente Moro — que é obrigado a dominar de maneira fabulosa, igualmente, a Semiótica!].

Eis aí a maior signo da picaretagem comercial: «Coração Valente©» ou Lula©. Frase publicitária.

Eis aí, portanto, no signo «CORAÇÃO VALENTE©», o sinal do consumismo, ditado e vendido por João Santana (preso), e comprado em 2014 por muita gente emotiva e obnubilada. Consumido pelas vísceras e não pelo raciocínio e razão.
Signo este consumido e comprado, mesmo sem dinheiro.

Será por quê? Será por que o João-o-Milionário-Santana está preso?

P.S.:
Vamos pensar e saber com sabor, e não ser enganado pela mídia PETISTA, pela publicidade e pela propaganda.

É a herança de longa data que o governo do PT nos deixou… do dilmismo & do Lulismo. Nesse século.

Eis aí, finalmente, o LULOPETRALHISMO!