sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017



Soube que o programa de hoje da Fatima Bernardes foi sobre "criança trans". A média de audiência varia entre 8 e 11 pontos.

Cada ponto de audiência no Ibope equivale a 690 mil espectadores, portanto entre 5,5 e 7,5 milhões de brasileiros foram doutrinados sobre mudança de sexo biológico de criança hoje, com todo aparato do "padrão Globo de qualidade".

Antes de sair gritando "a Globo é isso ou aquilo" (e é tudo isso que você pensou), quero que você me diga quantos psicólogos, psiquiatras e pediatras brasileiros estão participando ativa e publicamente da luta contra esse assédio às crianças?

A chamada "Ideologia de Gênero" é, como o próprio nome sugere, uma IDEOLOGIA, uma agenda política que invadiu um assunto científico e está colocando a saúde mental e a segurança emocional de toda uma geração em risco. Não é questão de opinião, como mostram os estudos (veja o link do post).

Esta é uma batalha que tem que ser travada também no campo científico. Especialistas da área médica brasileiros precisam sair em defesa das crianças e participar do debate público, citar os estudos e discutir na imprensa, nas associações de classe e lutar na guerra de narrativas em que apenas um lado está falando e muito.

O silêncio e a omissão dos profissionais de saúde brasileiros neste assunto não pode ser tolerado ou relativizado. Converse com qualquer conhecido seu da área médica e se ele tiver afinidade com o tema peça que publique um texto, dê entrevistas, faça um vídeo e divulgue que a "ideologia de gênero" não é ciência, muito pelo contrário, é política (para dizer o mínimo).

Como sempre repito: é urgente que você dedique uma pequena parte do seu tempo na luta política e que a prioridade está na sua zona primária de influência (amigos, família, colegas de trabalho e e etc). Em texto de ficar "gritando muito no twitter", é preciso ação.

Repito: se você conhece psicólogos, psiquiatras e pediatras, peça para que participem do debate em defesa desta geração de crianças que está sendo diretamente assediada e em risco. No Brasil, a agenda ideológica já está na TV aberta da emissora com a maior audiência do país.

Não é momento para omissão. Todos temos milhões de tarefas na vida fora da política mas sem prestar um pouco de atenção a ela as consequências serão desastrosas. E nem as crianças estão a salvo.

Esta não é uma discussão de "carola conserva", não é uma "caretice", não é "crendice religiosa", ela está sendo travada na área científica e sendo vendida para jornalistas como verdade. Mesmo que o jornalista seja bem intencionado e esteja querendo fazer uma matéria honesta, o que ele pode fazer se do outro lado não está participando do debate?

"Especialistas" comprometidos com a ideologia de gênero estão produzindo "estudos" em série que vão parar diretamente na imprensa para influenciar políticas públicas e o direcionamento das diretrizes educacionais nas escolas.

Você pode dar os ombros para o professor comunista do seu filho dizendo "ah, depois ele cresce e vê que não é bem assim", mas quando a escola começar a incentivar que "criança não tem sexo, é tudo construção social", quando meninos e meninas forem levados a usar o mesmo banheiro ou tomar hormônios, pode ser tarde demais.

Só existem dois sexos biológicos e não há nada que o lobby de gênero pode fazer a respeito da realidade. A orientação sexual é uma escolha livre dos adultos e que diz respeito a cada um individualmente.

Política pública para crianças é um tema de toda sociedade e não pode ser tratado da maneira parcial e comprometida como tem sido tratada. Não é hora de omissão.

- Jordan Peterson destrói ideólogo que apela para a negação de gênero https://youtu.be/_1e1ZPMuCB0

- Guerra aos Garotos https://youtu.be/yrHZl9o22tk

- Ben Shapiro acaba com os argumentos da ideologia de gênero (em inglês) https://youtu.be/gkONHNXGfaM

Nenhum comentário: