quinta-feira, 31 de julho de 2014

Preocupações tardias de pai...

Um pai transtornado
O caixa-preta da Petrobras
Costa: filhas na CPMI
A CPMI da Petrobras anda meio devagar, controlada pelo governo, mas pode ter emoções extras: deputados e senadores da oposição conseguiram convocar as irmãs Shanni e Ariana Costa para depor. Quem são?
Filhas do notório Paulo Roberto Costa. Trabalhavam com ele. A convocação o deixou transtornado.
Por Lauro Jardim

Mapas das minas

paulo roberto
Irritado com investigação às filhas
Paulo Roberto Costa vai enlouquecer, mas a CPI mista da Petrobras a cada dia dá mais um passo na direção dos segredos de suas filhas.
Quatro bancos entregaram ao colegiado dados referentes às movimentações financeiras das contas de Shanni e Arianna Costa, as herdeiras do ex-diretor da Petrobras e amigo de Alberto Youssef.
Por Lauro Jardim

Rejane, esposa de Sales Fernandes, parabeniza o seu marido e expressa o seu grande amor. Eita, coisa bacana!


Gente, hoje, dia 31 de julho, o meu Anjo Namorido, Sales Fernandes, completa mais um ano de vida e para minha alegria festejo mais uma vez ao seu lado, tendo o imenso prazer de abraçá-lo, enchê-lo de beijos, desejar tudo o que há de melhor e ainda sair pra comemorarmos.

E apesar do tempo ter passado continuo a amar.... seu sorriso, suas brincadeiras, sua amizade, sua cumplicidade, seu olhar.... você.


Eu gosto de você e gosto de ficar com você.... e a gente canta, dança, não se cansa da nossa "Velha Infância" (relembrando o nosso passado, vivendo o presente e concretizando o nosso futuro te dedico essa música).


PARABÉNS TE AMAMOOOOOOOOOOOOOS, que N.S.de Fátima cubra-te de bençãos, paz e luz.

Rejane e Mayara Gabriella.

Somados, SP, MG e RJ têm 41% do eleitorado brasileiro 
Bruna Borges
Do UOL, em Brasília

Tania Rego/ Agência Brasil
 
Eleitor caminha por rua lotada de panfletos de candidatos em rua de São Gonçalo, o maior colégio eleitoral do Rio de Janeiro em 2012 

Somados, os Estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais detêm 41,6% do eleitorado brasileiro, segundo o TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Os maiores colégios eleitorais do país têm, ao todo, 59.388.252 pessoas aptas a votar nas eleições de outubro.

São Paulo lidera com 31.998.429 eleitores (22,4%) e é seguido por Minas Gerais com 15.248.680 (10,6%) e Rio de Janeiro com 12.141.143 (8,5%). Os dados são de junho de 2014 e podem ser atualizados no final do mês.

Disputam o governo do Estado de São Paulo o governador Geraldo Alckmin (PSDB), que tenta a reeleição, contra Paulo Skaf (PMDB) e Alexandre Padilha (PT). Já Minas Gerais tem Pimenta da Veiga (PSDB) como candidato contra o ex-ministro Fernando Pimentel (PT). No Rio, o governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) concorre ao governo com Lindberg Farias (PT), Anthony Garotinho (PR) e Marcelo Crivella (PRB).

Por ser o maior colégio eleitoral do país, São Paulo atrai a atenção dos presidenciáveis. O pernambucano Eduardo Campos (PSB) e seus assessores se mudaram para a capital paulista e estruturaram o comitê de campanha na cidade. A intenção é tentar deixar o ex-governador de Pernambuco mais conhecido no Sudeste. Ainda na tentativa de ter mais visibilidade entre os paulistas, Campos fez uma aliança com o PSB em São Paulo -- o deputado pessebista Márcio França é o vice na chapa de Alckmin (PSDB) à reeleição. A última pesquisa Datafolha apontou Campos em terceiro lugar, com 8% das intenções de voto no levantamento divulgado em 17 de julho.

O também candidato à Presidência da República Aécio Neves (PSDB) já é bem conhecido no segundo maior colégio eleitoral e conta com o palanque do atual governador Geraldo Alckmin, candidato à reeleição no Estado . O tucano tem a base eleitoral em Minas Gerais, Estado do qual foi governador por oito anos. Aécio estava em segundo lugar com 20% da preferência dos eleitores na última pesquisa de intenção de voto do Instituto Datafolha.
Maiores colégios eleitorais em %
22,4%
São Paulo
Com 31.998.429 eleitores
10,6%

Minas Gerais

Com 15.248.680 eleitores
8,5%

Rio de Janeiro

Com 12.141.143 eleitores
7,1%

Bahia

Com 10.185.417 eleitores
5,8%

Rio Grande do Sul

Com 8.392.033 eleitores
Fonte: TSE (Tribunal Superior Eleitoral)

Ele quebrou, mas o nosso Juarez de Raimundo Albino, lá em Cajazeiras, não teve quem quebrasse...

Ex-estrela da NBA conta em documentário como foi à falência após ganhar R$ 247 milhões
ESPN

Antoine Walker fez sua última aparição no basquete em 2012

No fim da década de 90 e começo dos anos 2000, Antoine Walker era um dos melhores alas-pivôs da NBA. Ídolo com a camisa do Boston Celtics e com passagens por Dallas Mavericks, Atlanta Hawks, Minnesota Timberwolves e Miami Heat - onde ganhou o título de 2006 na Liga -, Walker acumulou US$ 110 milhões nos seus 12 anos de carreira apenas em salários. Mas mesmo assim declarou falência há quatro anos.

Hoje em dia, ele disse estar recuperado e tem até um documentário sobre como "torrou" todo esse dinheiro que será lançado no próximo mês como o nome de "Gone In An Instant" ("Se Foi Num Instante", em português).

"Eu acho que a maior mensagem é que nós como atletas, eu e provavelmente 80% da Liga, viemos da mesma situação de vida. Todos viemos de infâncias pobres, e quando subimos na vida todos temos a mentalidade de que importa quando colocamos a mão no dinheiro. É maluquice, da minha geração até às mais novas, todos queremos primeiro comprar uma grande casa", disse Walker, 37, em entrevista àESPN dos Estados Unidos.

"Queremos um carro grande, um relógio legal. Isso são coisas que criamos no nosso estilo de vida automaticamente. Coisas que são caras, coisas que irão te engolir logo de cara. Temos que mudar essa cultura, a forma de pensar. Nós podemos ter essas coisas materiais, mas vamos construir. Vamos esperar ter 10 milhões na conta bancária antes de ir lá e gastar 50 mil ou 100 mil num relógio. Mas nós fazemos o inverso. Eu acho que minha história no filme mostra que sim, você vai ter acesso a tudo isso e isso é legal, mas um dia pode se acumular e destruir você", completou.

Antoine Walker foi draftado pelos Celtics

"Eu lembro quando comecei minha situação. Eu estava comprando uma casa e um carro de US$ 350 mil a US$ 400 mil. A casa pelo menos tem um valor e posso ganhar dinheiro em cima dela depois, mas o carro, uma vez que dirijo, ele já vale US$ 250 mil. São US$ 100 mil jogados fora. Dinheiro que eu não posso recuperar. Nós somos competitivos e tentamos superar os outros em tudo. E isso nos leva a tomar essas decisões ruins", afirmou Walker.

Em 2010, Antoine Walker decretou falência. Suas dívidas eram de US$ 12,7 milhões (R$ 28,6 milhões). Entre elas estavam quatro aplicações de investimento imobiliário em Miami e Chicago. O ex-jogador vendeu até seu anel de campeão da NBA. Apenas em agosto de 2013 Walker afirmou que estava livre das dívidas.

O ex-jogador esteve envolvido em várias polêmicas com apostas e foi preso por fraudes em cheques, dirigir bêbado, entre outros. Segundo ele próprio, ele sustentava cerca de 10 pessoas com viagens e moradia sem ser da sua família.

Em 12 anos na NBA, Walker teve média de 17,5 pontos e 7,7 rebotes por partida, sendo escolhido para o All-Star Game três vezes.

O nosso Kennedy Braga recebe o abraço de parabéns da família e de sua legião de amigos. Grande cara.


O que terá feito (ou não) esse governador do Distrito Federal, que consegue ter uma rejeição maior do que um político do naipe de Arruda?!! Incrível!

SOS Agnelo 
Coluna Painel, na Folha de São Paulo

O Ibope de ontem, que mostra Arruda com 32% e o governador Agnelo Queiroz com 17%, reforçou o sentimento no PT de que é preciso montar uma força-tarefa para evitar a derrota no Distrito Federal. 

A rejeição do petista já alcança os 46%. Apesar da prisão, a de Arruda é menor: 32%.

Uma lindíssima música de Nelson Cavaquinho - Juízo Final - com toques hebraicos de Noa Peled. Vale ver! Para Ba Freire.




Se assim é, Graça Foster continuará como presidente da Petrobrás?

Josias de Souza

O ministro José Jorge, do TCU, reconheceu que o órgão cometeu um erro ao julgar o processo que resultou na responsabilização de executivos da Petrobras por prejuízos na compra da refinaria de Pasadena. Relator do caso, ele informou que o equívoco será corrigido. Com isso, Graça Foster, atual presidente da estatal, deve ser incluída no rol de pessoas que tiveram os bens bloqueados para cobrir eventual ressarcimento dos danos, orçado por ora em US$ 792,3 milhões.

Mesmo assim ela vai continuar como presidente da Petrobrás...
São 11 os diretores e ex-diretores da Petrobras que o TCU considerou passíveis de punição por decisões consideradas lesivas. Um dele, Ildo Sauer, ex-diretor Gás e Energia, já tinha deixado a estatal na época em que uma das decisões foi tomada. Substituiu-o no cargo Graça Foster. Daí a necessidade de corrigir o acórdão do TCU. Algo que levará a uma inevitável indagação: uma gestora com os bens bloqueados terá condições políticas de continuar no comando da Petrobrass?


Estou pensando em algo muito bacana que Buda Lira me disse sobre a competência de Marcélia...

PARABÉNS PARA MARCÉLIA CARTAXO.


A Paraíba foi premiada em São Paulo, por ocasião do Sexto Paulínia Film Festival. 

Juntamente com a paraibana Zezita Matos e a cearense Débora Ingrid, a cajazeirense Marcélia Cartaxo recebeu o prêmio de melhor atriz, pela participação no filme "A história da eternidade", bem como prêmio especial do júri da Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine).
Ricardo Setti

Felipão ostenta a camisa 1 do Grêmio com seu nome, ao lado do presidente do clube, Fábio Koff: nem parece que aconteceu a tragédia do Mineirão (Foto: Agência RBS)

E o Felipão, hein?

Depois de dizer que “assumia a culpa” pela maior tragédia da história do futebol brasileiro — uma forma esquisitíssima de “assumir a culpa”, uma vez que ele em momento algum admitiu ter cometido um único e escasso erro –, Felipão disse, na inesquecível entrevista de despedida, que “a vida continua” e que ninguém iria “morrer” depois do massacre de 7 a 1 sofrido pela Seleção em pleno Mineirão diante da Alemanha.

Pois bem, a vida de fato continuou, e ele, sobretudo, está realmente muito vivo.

Embolsou tranquilamente 4 milhõezinhos e mais 100 mil reais pela rescisão do contrato com a CBF — quantia que a esmagadora maioria dos brasileiros não consegue ganhar ao longo de uma vida inteira de trabalho –, foi para casa, mal pôde deglutir a Copa 2014 e já está contratado por gordo embora não revelado salário pelo Grêmio, tendo sido apresentado hoje de manhã na Arena do clube, em Porto Alegre, aos gritos de torcedores de “o campeão voltou”.

Felipão mostrou-se radiante, posou com a camisa 1 do Grêmio que leva seu nome, colocou no pescoço o cachecol do clube, disse que “o único clube” para o qual voltaria seria o tricolor gaúcho, declarou-se gremista de coração e tudo foram sorrisos, abraços e festa.

Felipão está protagonizando algo inédito: a derrota vitoriosa.
PRE dá parecer a favor da coligação PT e PSB

Parecer é assinado pelo procurador regional eleitoral Rodolfo Alves Silva.

Josusmar Barbosa
Jornal da Paraíba

A Procuradoria Regional Eleitoral (PRE) emitiu, ontem, parecer favorável à aliança entre PT e PSB, e reconheceu como legítima a convenção que homologou a candidatura de Lucélio Cartaxo (PT) como candidato a senador na chapa do governador Ricardo Coutinho (PSB). O documento é assinado pelo procurador-regional eleitoral da Paraíba, Rodolfo Alves Silva. A composição entre petistas e socialistas foi questionada pelo PMDB junto ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE) com base em resolução da direção nacional petista.

Em seu parecer, o representante do Ministério Público Eleitoral (MPE) afirma que a aliança entre os dois partidos na Paraíba está embasada na decisão do Encontro Nacional do PT “que estabeleceu que, na construção das alianças estaduais, as particularidades de cada Estado poderiam ditar a necessidade de existência de dois ou mais palanques onde a manutenção da unidade fosse inviável”.

Para o procurador, não cabe ao MPE questionar as razões que levaram o PT a não querer aliança com o PMDB. “Tendo em vista tais constatações, percebemos, salvo melhor juízo, que as próprias orientações nacionais possibilitam a formação de coligação do PT do Estado da Paraíba com o PSB, não cabendo a este MPE indagar que razões políticas teriam motivado a agremiação estadual a não firmar aliança com o PMDB”.

Desta forma, o MPE se manifestou "pelo deferimento do Drap (Demonstrativo de Regularidade de Atos Partidários) da coligação ‘A Força do Trabalho’, em função da nulidade do ato de anulação das deliberações do Diretório Regional do PT na Paraíba, por violação do devido processo legal, da ampla defesa, do contraditório e de dispositivos do Estatuto do PT, bem como em razão da inexistência, no caso, de descumprimento das diretrizes nacionais para a formação de coligações por parte da instância estadual”.

Com parecer pronto, o relator, desembargador João Alves, deve elaborar seu voto para levar ao plenário do TRE até a sessão da segunda-feira, dia 4, ou na terça em caso de convocação de sessão extraordinária.

PMDB VÊ EQUÍVOCO DO MPE

O advogado do PMDB, Carlos Fábio, classificou de equivocado o parecer do MPE, mas disse que respeita a manifestação do procurador Rodolfo Alves, pois faz parte do processo legal. Ele acredita que o TRE não acatará o parecer e vai decidir pela coligação do PT com o PMDB, que tem como candidato a governador Vital do Rêgo Filho. “Pelo que li hoje (ontem) à noite pela imprensa, a Procuradoria deve ter visto o conteúdo de outro processo e outros documentos e não os que apresentamos, mas o pleno do TRE vai julgar o conteúdo correto”, comentou Carlos Fábio.

Ele também questionou a movimentação processual. “Foi juntado documento no último dia 26 pela coligação do PSB. No entanto, acho um absurdo a Secretaria Judiciária do TRE ter enviado a documentação ao MPE e não ao relator do processo, desembargador João Alves”, contestou o advogado.

Carlos Fábio também criticou o fato de o processo ter sido movimentado no sistema virtual da Justiça Eleitoral às 19h45 de ontem. “O expediente no TRE se encerra às 19h, como pode haver movimentação processual depois? Isso é um absurdo. Vamos levantar esta questão junto ao TRE”, adiantou o advogado do PMDB.

O advogado Carlos Fábio disse que hoje pela manhã vai apresentar uma petição junto ao desembargador João Alves, solicitando que seja reestabelecida a ordem jurídica, bem como o devido processo legal e a isonomia das partes.

OUTRO LADO

O advogado do PSB, Fábio Brito, disse que a coligação 'A Força do Trabalho' recebeu o parecer do MPE com muita naturalidade. “De fato, a convenção do PT da Paraíba que celebrou aliança com o PSB respeitou todos os ditames legais e estatutários. Vamos agora aguardar com serenidade o julgamento pelo Tribunal Regional Eleitoral”, pontuou Fábio Brito, que evitou polemizar sobre a defesa do PMDB.

Jornal Jogo/Extra: Mengão pede dinheiro à torcida; o Fogão está falido (tomara que seja como Dodô Mangueira: quebrou e, depois, ficou rico de novo...)


Na capa d'O Globo


Os destaques do jornal Correio Braziliense


A capa de hoje do Jornal da Paraíba


As manchetes de jornais brasileiros nesta quinta-feira

Folha: Argentina não fecha acordo e entra em calote da dívida

Globo:Argentina entra em situação de calote

Extra: Bethlem desiste de candidatura

Estadão: Argentina não fecha acordo; negociador fala em calote

ValorEconômico: Ibope em São Paulo: Alckmin tem 50%, Skaf soma 11% e Padilha, 5%

ZeroHoraUm novo calote para a Argentina

Estado de Minas: O passado ressurge

CorreioBraziliense: Preço 135% maior obriga ministério a suspender licitação

CorreiodaBahia: Enem: aplicativos e jogos para estudar

DiáriodoNordeste: Ceará vence o Inter no Beira-Rio

DiáriodePernambuco: Fim da greve, mas não do sufoco

JornaldaParaíba: PRE dá parecer favorável à aliança entre PSB e PT

quarta-feira, 30 de julho de 2014

Ibope: Garotinho, Crivella e Pezão estão em empate técnico

Disputa pelo governo do Rio segue acirrada

Daniel Haidar, do Rio de Janeiro
Anthony Garotinho, Marcelo Crivella, Luiz Fernando Pezão e Lindbergh Farias
Anthony Garotinho, Marcelo Crivella, Luiz Fernando Pezão e Lindbergh Farias (Divulgação/VEJA)
Pesquisa feita pelo Ibope divulgada nesta quarta-feira pela TV Globo mostra que a disputa pelo governo do Rio de Janeiro continua acirrada. Considerando a margem de erro de três pontos percentuais para mais ou para menos, Anthony Garotinho (PR), Marcelo Crivella (PRB) e Luiz Fernando Pezão (PMDB) estão tecnicamente empatados.
De acordo com o instituto, Anthony Garotinho (PR) possui 21% dos votos, Marcelo Crivella (PRB) marca 16%, e atual governador, Luiz Fernando Pezão (PMDB), tem 15%. O Lindbergh Farias (PT) contabiliza 11%.
Esta foi a primeira pesquisa feita pelo Ibope após o registro das candidaturas no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A pesquisa foi feita entre os dias 26 e 28 de julho, com 1.204 eleitores, em 37 cidades e foi registrada no TSE com o número RJ-00011/2014. 
Na última pesquisa do Ibope, feita entre 7 e 11 de junho, os três candidatos também estavam tecnicamente empatados. O deputado federal Anthony Garotinho (PR) aparecia com 18% dos votos, seguido pelo senador Marcelo Crivella (PRB), com 16%. O governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) tinha 13% da preferência, enquanto o senador Lindbergh Farias (PT) possuía 11%. A margem de erro do levantamento era de três pontos percentuais para mais ou para menos.
Rejeição – Garotinho possui o maior percentual de rejeição entre o eleitorado: 44% afirmaram que não votariam nele de jeito nenhum. Lindbergh e Pezão possuem 17% de rejeição, e Crivella marca 15%, o que deixa os três tecnicamente empatados. 
Aprovação – O instituto também perguntou aos eleitores se eles aprovam o governo Pezão. A resposta de 45% dos entrevistados foi que desaprovam o modo Pezão administra o governo, enquanto 36% aprovam. Também foi indagado como os eleitores avaliam o governo: 40% disseram que o consideram "regular", 14% o consideram "ruim", e 17%, péssima. Apenas 2% consideram a administração "ótima", e 16%, boa. 
Senado – O Ibope também pesquisou a situação dos candidatos ao Senado pelo Rio de Janeiro. Romário (PSB) aparece com 24% das intenções de voto, seguido por Cesar Maia (DEM), com 17%.

São Paulo

Ibope: com 50%, Alckmin vence no primeiro turno em SP 

Rejeição ao petista Alexandre Padilha é a maior: 19%. Pesquisa também avaliou aprovação do governo tucano no Estado: 40% consideram 'bom' ou 'ótimo'

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), seria reeleito no primeiro turno, com 50% das intenções de votos, segundo pesquisa Ibope divulgada na noite desta quarta-feira pelo jornal O Estado de S.Paulo em parceria com a TV Globo.
De acordo com o levantamento, Paulo Skaf, do PMDB, aparece com 11% em segundo lugar, e Alexandre Padilha, do PT, tem 5% da preferência dos entrevistados. Outros 15% afirmaram que pretendem votar em branco ou nulo, e 14% não souberam opinar. A margem de erro da pesquisa é de três pontos percentuais para mais ou para menos.


Aprovação e rejeição – Segundo o instituto, Padilha detém a maior rejeição entre os candidatos ao Palácio dos Bandeirantes: 19%. Alckmin registrou 18%, e Skaf, 13%.
O Ibope também avaliou o desempenho da atual gestão de Alckmin: o percentual de aprovação – ótimo – é de 6%. 34% dos entrevistados consideram o desempenho do governo como bom e 11% dos ouvidos apontam a avaliação como péssima.  
Há quinze dias o instituto Datafolha também analisou a disputa pelo Palácio dos Bandeirantes. O cenário mostrado foi bastante similar ao retrato pela pesquisa Ibope. Na avaliação divulgada em 17 de julho, Alckmin aparece com 54% das intenções de voto, seguido por Skaf, com 16%, e Padilha, 4%. 
Disputa ao Senado – O Ibope avaliou também as intenções de voto ao Senado Federal. O ex-governador José Serra (PSDB) tem 30% das intenções. Na sequência, o petista Eduardo Suplicy (PT) aparece com 23%. O ex-prefeito de São Paulo Gilberto Kassab (PSD) tem 5%.
 A pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o protocolo 00013/2014. Conforme os dados registrados, foram ouvidos 1.513 eleitores, nos dias 26 e 28 de julho, em 78 municípios paulistas. Essa é a primeira vez que o instituto avalia o cenário paulista na corrida eleitoral neste ano. 

A Associação de Cajazeirenses e Cajazeirados do Ceará - AC3 - presta merecida homenagem ao nosso inesquecível Queixo-Fino.

PREITO DE GRATIDÃO AO INESQUECÍVEL QUEIXO- FINO

Dedicamos, com exclusividade, este Informativo da AC3, ao inesquecível Queixo Fino, assim como era carinhosamente chamado por todos nós. Fica para toda nossa geração, a imagem de uma pessoa incansável no seu trabalho, mas sempre mantendo a ternura. Nunca vimos Queixo Fino de mal humor. Sua longevidade, expressava sua postura leve, pois não imaginava que contava com 80 anos bem vividos


Resumindo todas as sua qualidades de pai de família exemplar, atencioso com todos, com seu bom humor característico, um dos homens mais íntegros da trajetória político-administrativo de Cajazeiras, Dr. Otacílio Jurema, demonstrou em vida, de forma exemplar, toda a sua gratidão para com a dedicação e solidariedade de Queiro Fino. 


Perdemos sua agradável convivência presencial, mas ele ficará vivo nas nossas memórias, assim como permanecem, João de Manezim, Pedro Revoltoso, Perpétuo e tantos outros que venerados por todos nós, representam o amor da nossa gente por pessoas grandes, que souberam aproveitar, com intensidade, cada momento de suas existências no convívio fraterno com todos nós cajazeirenses.

Atenciosamente,

Josias Farias Neto
Membro da Comissão de Políticas Públicas da AC3

Torpedo pronto

Alves: temor de quem conhece bem os colegas
Determinado a derrubar canetada de Dilma
A pauta do Plenário da Câmara para a semana que vem reforça a determinação de Henrique Alves em enviar seu mais recente torpedo na direção do Palácio do Planalto.
No segundo item da lista de votações da sessão de terça-feira repousa o decreto de projeto legislativo de Mendonça Filho. O texto determina a anulação da canetada de Dilma Rousseff que obriga o Executivo a consultar os Conselhos Populares sobre políticas públicas do governo.
Só um milagre impede a aprovação do projeto de Mendonça Filho – ou a falta de quórum.
Apesar do esforço concentrado marcado para a semana que vem, a campanha pode desanimar as excelências de largarem seus projetos eleitorais para trabalhar em Brasília.
Por Lauro Jardim

MPB da boa? É só correr para a Domingueira do Campestre Clube de Cajazeiras, com Naldo Guita, no próximo domingo.


Meu amigo Petson Santos, depois de mais um grande sucesso no seu Diário do Sertão, agradece a audiência de milhares de internautas na estreia do Balanço Diário. Parabéns.


Obrigado pela audiência de todos.  

Nos dois primeiros dias, foram quase 4.000 pessoas nos assistindo no ‪#‎balancodiario‬ na ‪#‎tvds‬

Valeu mesmo! De segunda a sexta, às 10 da manhã estamos juntos na www.diariodosertao.com.br/tv


'Tu num tái...'

 
A namorada perguntou o que ele queria fazer 'mais tarde, de noite'...

Nosso abraço de parabéns a um homem do bem. Salve, Luiz Alves!


Na luz...Lindeza é lindeza!

Blog do Murilo
O eleitor bolado
Dilma, Aécio e Campos, podem começar a treinar o “Lepo Lepo” – com dancinha sensual e tudo o mais

RUTH DE AQUINO

O eleitor brasileiro está bolado. Não sabe mais em quem quer votar. É bem mais fácil encontrar quem diga “tudo menos Dilma” ou “tudo menos Aécio”. Nesta eleição das eleições, o grande campeão antecipado parece ser o voto da rejeição. A maior batalha do eleitor consciente é contra o oportunismo e as ilusões do marketing. Se o Brasil quiser mais tempo para debater os temas incluídos naquelas três letrinhas mágicas, IDH (Índice de Desenvolvimento Humano), o melhor candidato é o segundo turno.

Até agora, na ressaca da Copa e no recesso sem-vergonha do Congresso, o eleitor só sabe que todos os candidatos prometem mudar. E que a coerência morreu. A presidente petista Dilma Rousseff anuncia que terá comitê evangélico e esquece que um dia defendeu o direito das mulheres ao aborto. Promete subir em todos os palanques. Quer ressuscitar o perfil satírico da Dilma Bolada, criado por um publicitário no Facebook, com o dobro de seguidores do perfil oficial.

O candidato tucano Aécio Neves defende o programa Mais Médicos e qualquer outro projeto que o aproxime do povão. Eduardo Campos, do PSB, tem duas caras- metades que nunca deram liga: Marina e Alckmin. Todos os candidatos prometem transparência, eficiência e mudança.

Dilma, Aécio e Campos são contra “os ativistas”, uma denominação que generaliza e empobrece os protestos legítimos de 2013. Elisa de Quadros Pinto Sanzi, a Sininho, não tem estofo para ser heroína nem vilã. Errática, aloprada, ela não representa quem lotou as ruas e acordou o PT de sua letargia e de seu distanciamento dos jovens. Ninguém me convencerá de que a Sininho é líder de nada. A moça jamais sonharia com tamanho status. “Mentora de toda a quadrilha”, segundo a polícia? Dizer que essa moça, Sininho, ameaça a democracia é levantar demais a bola dela. Ativistas arrependidos ajudaram a polícia a “montar o organograma do comando do grupo”? Menos, gente. Daqui a pouco, alguém falará em guerrilha.


À saída da penitenciária de Bangu, os amigos protegeram uma Sininho pululante de fotos. Como? Agrediram jornalistas e quebraram câmeras de repórteres fotográficos. Um enredo de quinta categoria do início ao fim. Há muitas outras maneiras menos espetaculosas e mais sensatas de impedir atentados à ordem urbana do que distribuir golpes de cassetete em moças de jeans. Ou algemar um bando de “ativistas”. Era tão claro que eles receberiam o benefício do habeas corpus. Criar jovens mártires é uma atitude tão contraproducente e ingênua quanto pedir asilo no consulado do Uruguai. Uma bobagem só, que não merece manchete.

O novo eleitor, bolado com a repressão, a recessão e a violência, lê então na imprensa que os candidatos estão empenhados em atrair o voto da juventude. Dilma é a mais empenhada porque é na rapaziada que ela enfrenta a maior rejeição. Uma pesquisa do Datafolha mostrou que 45% dos jovens entre 16 e 24 anos dizem que não votariam em Dilma em hipótese alguma no primeiro turno. Segundo a mesma pesquisa, num eventual segundo turno, 46% dos eleitores de 16 a 24 anos votariam em Aécio, e 39% em Dilma.

Por que a estrela vermelha não cativa mais os jovens? Porque eles se sentem traídos por um partido que se dizia de esquerda, prometia lisura e ética e acabou aliado a José Sarney, Renan Calheiros, Fernando Collor e companhia. Se os jovens querem mudar “tudo isso que está aí”, como votar na continuidade do único governo que conhecem e que há 12 anos se mantém no poder? Eles eram crianças, tinham entre 4 e 12 anos, quando Lula foi eleito pela primeira vez. Para tirar proveito dessa fraqueza de Dilma, Aécio tem o apoio de um poderoso porta-voz. José Júnior, fundador e coordenador do AfroReggae, líder de projetos de inclusão entre a moçada da periferia, conversará com os jovens em nome dele.

Mais que o jovem, o eleitor cortejado é o povão, que não quer só eletrodoméstico, mas comida, educação, saúde e emprego. O perfil do eleitor bolado está no maior hit da Copa, o “Lepo Lepo”. Atenção, candidatos, decorem:

Ah, eu já não sei o que fazer/
Duro, pé-rapado e com o salário atrasado/
Ah, eu não tenho mais pra onde correr/
Já fui despejado, o banco levou o meu carro/
Eu não tenho carro, não tenho teto/
E se ficar comigo é porque gosta/
Do meu rá rá rá rá rá rá rá o lepo lepo/
É tão gostoso quando eu rá rá rá rá rá rá rá o lepo lepo.

O cantor, Márcio Victor, diz que o “Lepo Lepo” é “a música do povo, é o que o povo quer ouvir”. Dilma, Aécio e Campos, comecem a treinar o “Lepo Lepo”, com o gestual sensual e tudo o mais. Se perguntarem em algum debate televisivo, o ritmo é o arrochanejo. Mistura de arrocha com sertanejo, pagode e axé. A cara do Brasil.

Eita! Corre, Bocão!

BlogdoTiaoLucena


Ao tomar conhecimento da destinação de 8 milhões de reais à campanha do senador Vital do Rego Filho ao Governo da Paraíba, o deputado Anisio Maia não se conteve e afirmou, hoje, que agora ficou sabendo o real objetivo da candidatura do senador: fazer caixa dois. 

Segundo Anisio, embora tenha sido repassado de forma legal, o dinheiro foi destinado a um candidato inexpressivo, que faz uma campanha inexpressiva e que, como agora se vê, está na disputa somente para fazer caixa. As declarações do deputado foram divulgadas no programa Rede Verdade, apresentado na Arapuan FM por Nilvan Ferreira e João Costa.


O GLOBO

O governo evita qualquer condenação à Rússia e faz o mesmo com a Síria de Assad, ditador já com mais de 150 mil mortos na biografia. A ideia é fazer-se tudo que contrarie os americanos

A política externa é uma das que mais foram alteradas desde que o PT chegou ao Planalto, em janeiro de 2003. Ficou visível que o Itamaraty como instituição deixou de ter peso nas decisões, ao mesmo tempo em que uma visão de mundo condicionada por um nacionalismo de esquerda, antiamericanista, do pós-guerra, passou a ser preponderante. Foram engavetadas características da diplomacia profissional: a busca pelo equilíbrio, a não intervenção em crises políticas de outros países, o bom relacionamento com americanos e europeus, sem se afastar do mundo emergente.

O curioso é que onde se esperavam alterações de fundo, na política econômica, nada aconteceu. E ainda bem, porque foi a manutenção de princípios da administração tucana que evitou o descarrilamento da economia, atingida por uma séria crise de confiança causada pela perspectiva de chegada do próprio PT ao poder. Consta que, para manter as fileiras petistas unidas, a política externa foi cedida, em contrapartida, às frações mais à esquerda do partido.

E no momento observa-se mais um surto de esquerdização da diplomacia, quando o Planalto necessita de um PT unido, às vésperas da que deverá ser a mais árdua batalha eleitoral que o partido enfrentará, desde a vitória de Lula, em 2002.

O último sintoma do surto foi a decisão do governo Dilma de convocar o embaixador em Tel Aviv , Henrique Sardinha, “para consultas", devido ao “uso desproporcional da força” por parte de Israel em Gaza. Havia formas menos estridentes de comunicar o justificável mal-estar com as mortes de civis em Gaza — mas também sem deixar de registrar a contrariedade com os constantes ataques de foguetes feitos pelo Hamas contra cidades israelenses, incluindo, agora, Tel Aviv.

A atitude gerou a resposta, também desequilibrado, da chancelaria israelense, com o uso do deplorável termo “anão diplomático” para qualificar o Brasil. O ministro das Relação Exteriores, Luiz Alberto Figueiredo, embaixador de carreira, respondeu dentro dos códigos da atividade, enquanto Marco Aurélio Garcia, assessor especial da presidência, militante petista, uma espécie de ministro das Relações Exteriores “do b", manteve o nível do porta-voz israelense, classificando-o de “sub do sub do sub do sub do sub” — copiando o ex-presidente Lula na resposta a um comentário de autoridade americana de que não gostou.

Mais uma prova de que os profissionais da diplomacia estão em segundo plano é a tíbia posição brasileira diante do ataque ao jato comercial por grupos de rebeldes ucranianos apoiados pela Rússia de Putin, outro aliado preferencial do Planalto. O avião, malaio; o míssil, russo. Morreram 298 pessoas.

O governo evita qualquer condenação à Rússia e faz o mesmo com a Síria de Assad, ditador já com mais de 150 mil mortos na biografia. O conceito é simples: faz-se tudo aquilo que contraria a política externa americana. Parece birra, mas há quem considere eficaz para conseguir votos.
Faltará água em metade do Ceará na época da eleição, diz Danilo Forte
FELIPE PATURY
Revista Época

Danilo Forte (Foto: Gustavo Lima / AC)

O deputado Danilo Forte (PMDB-CE) traça uma perspectiva desanimadora para a eleição em seu estado. Danilo Forte diz que, hoje, a crise de abastecimento de água já atinge 20 municípios. Essa situação tende-se a se agravar. "No primeiro turno, a falta de água atingirá 80 municípios, metade dos do estado", diz Danilo Forte. O deputado critica o governo Dilma Rousseff pelo problema. "Nenhuma obra do PAC da Estiagem saiu do papel. Isso terá reflexo na eleição presidencial", diz Danilo

Jornal Jogo/Extra: pra cima deles, Vascão!


A primeira página do jornal O Estado de São Paulo


Os destaques do jornal Diário de Pernambuco


A capa de hoje do Jornal da Paraíba