sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Eu quero. Linda música na voz do próprio compositor: Sérgio Bittencourt.

Escutem a mesma música - Eu Quero - na voz de Nelson Gonçalves.

Ainda, Peluso. Uma melodia cívica!

Questões de Ordem
MARCELO COELHO - coelhofsp@uol.com.br
Folha de São Paulo

Ária de bravura

Exclamações fizeram do voto de Peluso uma das árias mais vibrantes de toda a ópera do mensalão. CEZAR PELUSO despediu-se ontem do STF por ter atingido a idade de 70 anos. Mas seu último voto foi de uma vibração quase juvenil.

Ele foi se aquecendo aos poucos. Como tem acontecido mais de uma vez, neste julgamento do mensalão, começou com uma questão teórica.

Há dois tipos de provas, disse Peluso. A prova direta, ou "histórico-representativa", e a prova indireta, ou "crítico-lógica".

Na prova indireta, que é o que interessa no mensalão, o que se verifica é um fato X, que, normalmente, sabemos estar associado a um outro fato Y, este sim criminoso.

Um exemplo simples. Tome-se um acidente de trânsito, em que a traseira de um carro é atingida. É normal que a culpa seja do motorista que estava atrás. Distraiu-se e não brecou, por exemplo.

Pode ocorrer uma situação excepcional? Pode. O carro da frente breca, engata a marcha à ré, e bate no carro de trás.

Mas se a defesa quiser que o juiz acredite nisso, terá de apresentar provas de sua versão. Não é só à acusação, portanto, que cabe o famoso "ônus da prova".

O raciocínio se aplica, diz Peluso, ao caso João Paulo Cunha. Todos os indícios são de corrupção: ele recebeu R$ 50 mil por intermédio de sua mulher. O cheque vinha de Marcos Valério, enquanto se desenvolvia um processo de licitação em que ele tinha interesse na Câmara.

João Paulo e Marcos Valério já tinham se encontrado? Sim. Segundo os autos, "para discutir a situação política do país". A voz de Peluso se torna aguda: "Espantoso!"

Para a defesa, João Paulo utilizou os R$ 50 mil para pesquisas eleitorais, depois de tê-los solicitado ao tesoureiro do PT. "Não sabia que o partido estava insolvente?"

As notas fiscais mostradas para comprovar o serviço, muito tempo depois, indicam que a tal empresa de pesquisas não fazia nada!

Durante meses! E o dono da empresa, o que diz?! Peluso fumega ao citar os autos: "Na minha conta é que não foi parar!" É o que declara o proprietário!

A quantidade de pontos de exclamação e de notas agudas fez do voto de Peluso uma das árias mais vibrantes e velozes de toda a ópera do mensalão.

Veio um bis, na condenação de Henrique Pizzolato. A defesa argumentou que o dinheiro desviado pelo diretor do Banco do Brasil não era público -o que não ajuda, como se viu em vários votos, para eliminar a acusação de peculato.

Mas vejam!, diz Peluso numa saraivada final. Afirmou-se que o dinheiro provém de uma porcentagem paga pelos usuários de cartões de crédito em suas compras. Seria privado, portanto. Sim, o cliente paga! Mas depois de pagar, diz Peluso, o dinheiro vai para quem recebe! A saber, o Banco do Brasil!

É como se alguém comprasse uma gravata numa loja, e depois continuasse a dizer que o dinheiro lhe pertence!

Um verdadeiro juiz deve votar sem ódio, disse Peluso em sua despedida. Mas sua fala não escondeu a indignação -não propriamente cívica, mas intelectual, diante do que viu de inconsistências na defesa.

Notícia quentinha! Para o TSE, não basta a rejeição de contas pelo Tribunal pertinente. É necessário verificar a existência do dolo, ou seja, a prática intencional da irregularidade. Será esta a situação de Carlos Antônio, em Cajazeiras?

Ficha Limpa exige que a irregularidade nas contas públicas seja intencional, decide TSE
31 de agosto de 2012 - 16h13
Da Assessoria de Imprensa e Comunicação Social do TSE

Ficha Limpa exige que a irregularidade nas contas públicas seja intencional, decide TSE

Os ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) julgaram, na sessão desta quinta-feira (30), o primeiro recurso de candidato envolvendo a Lei da Ficha Limpa (Lei Complementar nº 135/2010) nas Eleições de 2012. Por unanimidade de votos, os ministros deferiram o registro de candidatura ao vereador Valdir de Souza (PMDB), de Foz do Iguaçu-PR, que agora poderá concorrer às eleições de outubro em busca de seu quarto mandato.

O registro de Valdir de Souza havia sido indeferido pelo juiz eleitoral, que acolheu impugnação apresentada pelo Ministério Público Eleitoral (MPE), em razão da rejeição de suas contas pelo Tribunal de Contas do Paraná em relação ao ano de 2002, quando Valdir de Souza presidiu o Conselho Municipal de Esportes e Recreação de Foz do Iguaçu.

A Lei da Ficha Limpa deu nova redação à alínea “g” do inciso I do artigo 1º da Lei de Inelegibilidades (LC 64/1990), para determinar a inelegibilidade daqueles que tiverem suas contas relativas ao exercício de cargos ou funções públicas rejeitadas por irregularidade insanável que configure ato doloso de improbidade administrativa. No recurso ao TSE, a defesa de Valdir de Souza alegou que a simples emissão de empenhos em valor superior às dotações orçamentárias não poderia ser considerada irregularidade insanável a ponto de configurar ato doloso de improbidade administrativa para efeito da inelegibilidade

O argumento foi acolhido pelo relator do recurso, ministro Arnaldo Versiani, e pelos demais ministros da Corte Eleitoral. Segundo Versiani, a decisão do Tribunal de Contas do Paraná não imputou ao candidato a devolução de recursos ao erário, não lhe impôs multas nem fez menção a prejuízos à Administração Pública em decorrência dos empenhos sem dotação orçamentária. O relator acrescentou que também não há elementos que permitam concluir, com clareza, se houve dolo por parte do candidato, considerando-se a peculiar situação de que a Fundação Municipal de Esportes e Recreação do município estava em processo de extinção, em razão da reestruturação da prefeitura. 

Se dúvida há, no caso, em relação à conduta do candidato, sobretudo quando a decisão do Tribunal de Contas não menciona a existência de dolo ou de culpa, merece prevalecer o direito à elegibilidade”, afirmou o ministro Versiani. Ao acompanhar o voto do relator, a presidente do TSE, ministra Cármen Lúcia Antunes Rocha, informou que, nestas primeiras eleições sob a vigência da Lei da Ficha Limpa, a alínea “g” do inciso I do artigo 1º da norma é o dispositivo que está gerando, em todos os Tribunais Regionais Eleitorais, a maior quantidade de recursos.

O ministro Versiani lembrou que, na vigência da redação original da alínea “g”, o TSE definiu a jurisprudência no sentido de que a abertura de crédito sem orçamento ou sem que haja recursos disponíveis, caracterizava irregularidade de caráter insanável, em razão da exigência de responsabilidade do administrador quanto à gestão orçamentária. Mas agora, com a redação dada ao dispositivo pela Lei da Ficha Limpa, será preciso analisar, caso a caso, se esta conduta específica constitui também “ato doloso de improbidade administrativa” a atrair a sanção da inelegibilidade. No caso julgado esta noite, foi afastada configuração de ato doloso de improbidade.

Processo Relacionado: Respe 23383

Parabéns para Maricélia Feitosa, esposa do meu sobrinho Dirceu Neto.




Hoje é o aniversário de Maricélia, mãe de Marília e minha amada esposa.

Para ela, remeto meu mais caloroso abraço e o maior dos beijos. 

A ela, reverencio e agradeço o maior tesouro de uma vida, o nosso bem mais precioso, nossa filha, Marília

Que possamos todos estar sempre juntos nos aniversários vindouros e que estes sejam inúmeros. 

Viva a Maricélia. Te amamos.

Dirceu Neto e Marília

A desonestidade e/ou a coloração política trazem prejuízo ao erário. Falta nos debates eleitorais a discussão sobre obras inacabadas e a responsabilização dos que propiciaram tal fato.

Debates eleitorais VI: obras inacabadas
Por José Antônio

Obras inacabadas já viraram parte da paisagem urbana em diversas partes do país. Por um lado existe o desperdício de recursos públicos, aplicados sem que se chegue a um resultado concreto. Por outro, pela ausência do benefício esperado da obra e suas consequências ao desenvolvimento do país e à geração de mais riqueza e de um melhor atendimento à população.

As obras inacabadas já foram objeto de duas comissões parlamentares de inquérito (CPI) uma em 1995 e outra em 2001. Na primeira, um inventário da Comissão Temporária de Obras Inacabadas do Senado conseguiu cadastrar 2.214 obras financiadas com ­ R$ 15 bilhões de recursos públicos.

Lamentavelmente, esta situação existe em nosso estado e em nossa Cajazeiras.

Mas nem tudo está perdido, na Paraíba, o governador Ricardo Coutinho, tem demonstrado soberbamente um grande respeito pelo dinheiro do povo e deixa de lado “as pirraças”, já tentas vezes demonstradas no passado, quando obras não acabadas em uma gestão, não eram concluídas no governo seguinte e tem dado continuidade a algumas delas. O exemplo mais significativo é o do Centro de Convenções de João Pessoa e em Cajazeiras, temos: o aeroporto, casas populares, UPA e o esgotamento sanitário.

Em Cajazeiras, infelizmente, existe uma grande obra, iniciada ainda do governo de Antonio Vituriano de Abreu (1989/1992-PMDB), que consta do relatório de uma CPI realizada pelo Congresso Nacional, em 2001, que seria Hospital Municipal

Todas as vezes que passo pela Avenida Francisco Aprígio Nogueira e vejo, as paredes já edificadas, cobertas de Melão São Caetano, fico a meditar o quanto de nosso pobre e misero dinheiro foi jogado na lata do lixo. Passados mais de 20 anos continuamos de braços cruzados e não temos cobrado nenhuma ação do poder público do município, nem da Câmara de vereadores, nem do Ministério Público e nem do Tribunal de Contas sobre esta obra inacabada, que tem se constituído numa ferida nunca curada em nosso município.

Não seria importante colocar na mesa dos debates, dos candidatos a prefeito de Cajazeiras, este tema? Imagine se este hospital já viesse funcionado desde o ano de 1992 o quanto de benefícios já teria prestado a nossa população?

Vale lembrar que a área é grande, a localização é excelente, o que já foi construído poderá ser aproveitado e fica a indagação: por que não concluí-la? 

No município de Cajazeiras, sob a responsabilidade da prefeitura municipal existem outras obras iniciadas e não concluídas e algumas delas, diante do quadro político partidário que estamos vivenciando, dificilmente serão concluídas nesta administração e várias estão apenas com a ordem de serviço assinada, mas sequer foram iniciadas e o exemplo mais marcante é o da Avenida Aldo Matos de Sá, cuja ponte sobre o riacho da Santa Cecília está com suas ombreiras deterioradas e corroídas em função das chuvas deste ano. Cabe no debate eleitoral esta e outras obras inacabadas de nosso município. 

Anne Mary, filha de Marcílio do Detran e Maria Tereza, faz aniversário e recebe do Sete Candeeiros Cajá efusivos votos de parabéns.

Anne Mary com Lindarleide e Ângela Senegal no Baile da Saudade, no Cajazeiras Tênis Clube

Sem pique e com muito dinheiro.

Decadência dos astros consagrados força renovação precoce na seleção

Geração de craques sofre ‘apagão coletivo’ na idade em que deveriam estar no auge
O Globo
REUTERS (25/04/2012)
Há dois anos no Real Madrid, Kaká já superou lesões mas ainda não conseguiu se firmar no time do técnico José Mourinho 

RIO - Júlio César, 32 anos, Diego (27), Robinho (28), Kaká (30), Adriano (30), Luís Fabiano (31) e Ronaldinho Gaúcho (32). O que esses jogadores têm em comum? Todos deveriam estar no auge e ser a base da seleção brasileira que vai buscar o hexacampeonato em 2014, quando a pressão por jogar diante da torcida vai exigir uma dose extra de experiência da equipe nacional. Mas, salvo uma reviravolta coletiva na carreira destes astros, muitos deles, ou talvez todos, serão apenas torcedores de luxo no Mundial do Brasil.

A dois anos da Copa, a tarefa de levar a esperança de 200 milhões de torcedores cabe, no momento, a um bando de garotos que jamais disputaram, sequer como reservas, uma Copa do Mundo: Neymar, Lucas, Oscar (todos com 20 anos), Alexandro Pato e Ganso (ambos com 22), Leandro Damião (23) e Marcelo (24) têm a responsabilidade de substituir uma geração inteira que simplesmente 'sumiu do mapa' do futebol internacional. E o primeiro teste, a campanha da prata olímpica em Londres, ligou o sinal de alerta na torcida: vale a pena apostar todo o projeto do hexa em jovens promissores ou é hora de buscar mais experiência para a equipe nacional?

- Uma Copa do Mundo, especialmente aqui no Brasil, não é só uma sequência de jogos difíceis, é uma sequência de jogos com uma cobrança nacional por trás, de toda uma história, o resgate de 1950, tudo isso. Em sociologia, chamamos isso de 'compromisso com o êxito'. É um peso simbólico muito grande para se jogar em cima de garotos - acredita Maurício Murad, professor de Sociologia do Esporte do curso de mestrado da Universo, em Niterói.

Ex-craque da seleção nos Mundiais da Espanha-1982 e México-1986, Júnior também acha perigoso abrir mão de jogadores mais rodados:

- Esse é o processo natural, ter alguns jogadores com bagagem, que vão acolher a rapaziada que está chegando. Enfrentar uma seleção brasileira com jogadores vencedores, que são mais conhecidos, faz diferença. Isso impressiona quem está do outro lado - analisa o ex-jogador, atualmente comentarista esportivo da Rede Globo.

Grupo de 2010 não teve sequência na seleção

Mas a mescla entre experiência e juventude na seleção se vê prejudicada pelo baixo rendimento atual dos principais nomes do Brasil nas últimas Copas. A grande maioria dos 23 jogadores levados por Dunga para o Mundial da África do Sul, em 2010, caiu de rendimento nos últimos dois anos. Um exemplo é o goleiro Júlio César, que chegou àquele Mundial como o melhor do planeta na posição e esta semana deixou o Inter de Milão, após sete anos, rumo ao modesto Queen Park Rangers, da Inglaterra. Também revelado pelo Flamengo no início da década passada, Adriano já foi reverenciado como Imperador quando jogava com o próprio Júlio César no Inter de Milão, mas hoje, de volta ao rubro-negro carioca, é tratado como um veterano que luta não para voltar à seleção e sim para vencer a desconfiança sobre seu futuro como jogador profissional.

Pulando de clube para clube na Europa, dois ex-santistas que surgiram como esperança de renovação na seleção, há exatamente dez anos, ainda não conseguiram se firmar como estrelas internacionais: Robinho e Diego. O atacante do Milan até chegou a disputar as Copas de 2006 e 2010. Já o meia do Wolfsburg viveu seu melhor momento pela seleção há cinco anos, na conquista da Copa América, e não é mais chamado desde 2009.

Kaká e Ronaldinho: auge antes da hora

Mas nem todos os jogadores desta geração fracassaram completamente no cenário internacional. Pelo contrário: Kaká e Ronaldinho Gaúcho já ganharam títulos pela seleção, foram titulares em Copas do Mundo e premiados como os melhores do mundo. Mas a dupla talvez tenha brilhado cedo demais, e agora vivem um ocaso precoce. O craque do Atlético-MG, hoje com 32 anos, foi o dono da bola entre 2004 e 2006, com atuações maravilhosas pelo Barcelona, mas aos 26 anos, após a derrota do Brasil na Copa da Alemanha, iniciou uma derrocada vertiginosa. Sem nunca ter sofrido uma contusão séria que justificasse a queda.

Mesmo Kaká, que já operou o joelho duas vezes, a última após a Copa de 2010, não pode - pelo menos ainda - culpar as cirurgias pelo apagão na carreira. Aparentemente conformado com uma eterna reserva no Real Madrid de José Mourinho, o jogador mal entra em campo e, assim, sem vê-lo jogar, ninguém consegue ter certeza se ele ainda pode ser o camisa 10 de que a seleção precisa ou se foram as lesões que abreviaram seu futebol.

Apesar da entressafra, Júnior vê na dinâmica natural do futebol uma esperança de reviravolta na seleção brasileira:

- Ainda temos dois anos até a Copa do Mundo, e acho que alguns desses jogadores, como o Luís Fabiano e até o próprio Diego, podem dar a volta por cima. Não dá para descartar ninguém por enquanto. Tudo é questão de momento. Um jogador como Kaká, se voltar a jogar, estiver em forma, pode ser muito importante, por tudo que já passou. Ele seria de grande ajuda, não só dentro como fora de campo - acredita o ex-craque.
....................
Besteira. Quem jogava por amor e aproveitou até o auge da carreira foram os jogadores do Fuba's Bar, em Cajazeiras. Timão!


'Vai trabaiá, aima sebosa'!

Mulher mais rica do mundo diz aos invejosos: "parem de beber e trabalhem"

Gina Rinehart é a mulher mais rica do mundo 

Sydney, 30 Ago 2012 (AFP) -A mulher mais rica do mundo, a australiana Gina Rinehart, herdeira do império construído por seu pai, fez piada com os "invejosos", que, segundo ela, passam mais tempo bebendo que trabalhando. Ela também pediu ao governo que diminua o salário mínimo para atrair mais investimentos.

Gina Rinehart, herdeira e presidente do grupo Hancock Prospecting, tem uma fortuna avaliada em US$ 30 bilhões, segundo a Business Review Weekly (BRW).

"Não há uma receita para virar milionário", escreveu Rinehart, em um artigo publicado em uma revista australiana.

"Se sentem inveja dos que têm mais dinheiro que vocês, não fiquem sentados reclamando. Façam algo para ganhar mais, passem menos tempo bebendo, fumando e brincando, trabalhem mais", completa o texto.

Ô besteira! Nosso heroi cajazeirense, Brandãozinho, aguenta mais pancada, ainda!


Sugestão de Rafael Holanda


Brandãozin, um dos nossos grandes gaiatos cajazeirenses, no seu bom tempo de 'cabeça dura', seria voluntário para esta propaganda. De graça e, para provar a sua coragem e resistência, não aceitaria colocar o capacete!

Pra quê? Ora, segundo Baiaco, ele já 'barruô' - de moto - num poste, em Cajazeiras! Resultado: com a sua cabeça de aço, quebrou o poste e provocou falta de energia elétrica na metade da cidade. Por três dias!

Precisa dizer mais?

Lamentável!

STF: Lewandowski cometeu ‘harakiri biográfico’

Durante intervalo na sessão de ontem do Supremo Tribunal Federal, um dos seus mais importantes ministros não precisou recorrer a expressões tão líricas quanto firmes, que usa em suas intervenções, para definir o papel do colega Ricardo Lewandowski, ministro revisor que tentou absolver acusados do mensalão. “Ele cometeu um harakiri biográfico”, disse a um colega, com seu acentuado sotaque regional. Chamam de harakiri um ritual de suicídio de samurais japoneses.

Abnegação

O revisor Lewandowski segurou o processo por mais de 170 dias, um recorde, e tentou convencer o presidente do STF a adiar o julgamento.

Exorbitou

A função de revisor, meramente técnica, era quase desconhecida, mas Lewandowski tentou torná-la mais importante que a de relator.
 
Esticando o tempo

Nos primeiros momentos do julgamento, Lewandowski ocupou mais tempo, com seus demorados votos, que o relator Joaquim Barbosa.
 
Tocando de ouvido

Lewandowski deixou o STF chocado ao sacar um longo voto por escrito após Márcio Thomaz Bastos “improvisar” uma questão de ordem.

A Coluna Faisqueira do nosso Jornal Gazeta do Alto Piranhas se reporta a uma infestação de gafanhotos na folha de Cajazeiras. Danou-se!

Evolução do funcionalismo municipal de Cajazeiras

O Ministério Público da Paraíba determinou que todos os prestadores de serviços nas prefeituras fossem afastados. Alguns prefeitos, com medo de serem presos, cumpriram a decisão do MP, mesmo sabendo do grande desgaste político que iam sofrer.


Evolução II

Em Cajazeiras, a prefeitura não deve ter recebido o comunicado do MP e que ao invés de demitir vem contratando cada vez mais, segundo o SAGRES: em janeiro eram 364 comissionados/contratados e 1.319 efetivos e o valor da folha era R$2.040.826,25.

Evolução III

Em fevereiro, em período em que a legislação eleitoral ainda permitia algumas contratações consideradas como extrema necessidade, os números passaram para o seguinte patamar: 905 comissionados/contratados, 1.320 efetivos e a folha de pagamento passou para R$2.603,600,25.

Evolução III

No mês de março a prefeitura não deixou de admitir e os números são os seguintes: comissionados/contratados 1.206, os efetivos 1.315 e a folha quase atinge a bagatela de três milhões de reais: R$2.973.732,61, portanto, entre janeiro e março a folha aumentou R$932.906,36 e o número de funcionários passou de 1.683 para 2.225, com uma diferença para maior de 542 servidores.

Evolução IV

No mês de abril, portanto seis meses antes das eleições, quando é terminantemente proibido contratar/demitir, seis meses antes da data do pleito, a prefeitura de Cajazeiras continuou não obedecendo a lei e os números são os seguintes: comissionados/contratados passou para 1.280, efetivos 1.312 e a folha ultrapassou os três milhões de reais: R$3.078.254,37.

Evolução V

No mês de maio, os números voltam a serem alterados: comissionados/contratados: 1.354, efetivos: 1.308 e a folha passou para R$3.652.310,54. A partir deste mês um número é chocante: os comissionados/contratados ultrapassam o número dos efetivos, ou seja: 46 a mais contratados/comissionados que efetivos, tudo isto em plena vigência da legislação eleitoral.

Evolução VI

No mês de junho, os números continuam crescendo: os comissionados/contratados: 1.428 e os efetivos 1.309, mas a folha diminuiu para R$3.603.250,80, mesmo tendo sido contratado mais 75 funcionários. Vamos aguardar a publicação, pelo Sagres, do mês de julho.

Evolução VII

A Câmara Municipal tem recebido todos os meses os balancetes da prefeitura mas tem fechado olhos e cruzado os braços diante deste fato e o mais “absurdo”, não se tem conhecimento sequer da realização de um processo seletivo para contratação desta leva de funcionários, que ultrapassa o número de efetivos. Não seriam estes atos “ao arrepio da lei?”.

“Acabou a moleza”

A juíza encarregada da propaganda eleitoral, Silvana Carvalho, depois de ver uma determinação sua ser desobedecida por uma coligação partidária de Cajazeiras, em uma entrevista coletiva, bradou: “acabou a moleza”. Tudo leva a crer que esta desobediência vai sair onerosa aos bolsos dos candidatos que estavam presentes ao evento, bem como a coligação.

“Acabou a moleza”

O mais “interessante” foi o fato de quando do momento da comunicação, pela policia militar, para cessar o evento, os partidários da coligação teriam dito, depois de terem sido alertados para possíveis multas: “multa não é problema, porque para nós dinheiro tem de sobra”.

Velho, raparigueiro e mentiroso! E criativo.

Necrológico de sonho
Coluna de Cláudio Humberto


Ex-deputado federal e ministro aposentado do Superior Tribunal Militar, Flávio Bierrenbach era apenas um garoto de quinze anos de idade quando seu professor de Português determinou a lição do dia: cada aluno deveria imaginar como gostaria que escrevessem seu necrológico. O garoto Flávio foi o único a merecer nota dez, com a seguinte frase:

- Morreu ontem aos 99 anos, vítima de marido ciumento, o ex-presidente da República Flávio Bierrenbach.

Mariana concede boa entrevista, em Cajazeiras, sobre educação e política.


Jornalista fala sobre greve dos professores da UFCG e diz que campanha em Cajazeiras deve ter menos comício e mais debate. Ouça áudio!

A jornalista que também é professora da UFCG disse que a população precisa saber exatamente o motivo da greve. 

Doutora Mariana Moreira fala da greve

A jornalista, professora Universitária e doutora pela UFCG Mariana Moreira falou nesta quinta-feira (30) durante entrevista ao programa Rádio Vivo da Alto Piranhas, sobre a repercussão da greve dos Professores das Universidades federais na sociedade de Cajazeiras e em todo o país.

Mariana esclareceu que os docentes estão paralisados não somente pela questão salarial, mas sim por melhorias na qualidade do ensino. De acordo com ela, os próprios estudantes reconhecem o esforço dos professores e em Cajazeiras se mobilizam em favor da categoria.

Conforme a doutora, o Governo descumpre acordos, aumenta o número de vagas e de cursos nas universidades, mas o número de professores permanece o mesmo, dificultando o trabalho da categoria. “Os professores e pesquisadores da Universidade pública são desvalorizados e por isso migram para empresas privadas”, disse a professora.

De acordo com ela, os profissionais buscam não apenas melhorias de salário, mas melhores condições de trabalho. “Precisamos que a sociedade entenda e discuta sobre isso”, disse Mariana.

Mariana disse que nesta sexta-feira (31) haverá assembléia dos professores no campus da UFCG para decidir o destino da greve, mas adiantou que a tendência é que os docentes continuem paralisados.

Discussão
A professora Mariana Moreira comunicou que na próxima terça-feira (04) haverá uma audiência pública na Câmara Municipal de Cajazeiras com o intuito de debater as conseqüências da greve na sociedade cajazeirense. Ela aproveitou a oportunidade para convidar os alunos do campus da UFCG e toda a sociedade civil organizada.

De acordo com Mariana, a população precisa entender exatamente o motivo da paralisação dos professores que estão em greve desde o dia 17 de maio deste ano.

Guias eleitorais
Mariana Moreira, que também é jornalista fez uma análise sobre os guias eleitorais na cidade de Cajazeiras. De acordo com ela, os candidatos se restringem a acusações pessoais e falam muito pouco sobre o que a cidade realmente precisa.

“Falta dizer o que fazer para melhorar. Falar em Planejamento urbano, Infraestrutura, enfim, a cidade está sufocada”, disse ela. Segundo a jornalista, pagamento em dias e iluminação é obrigação do prefeito, por isso é necessário apresentar os planos de Governo.

Para Mariana, o município não precisa de movimentos políticos como comícios ou arrastões. De acordo com ela, seria importante reunir os candidatos em um espaço público para que eles pudessem discutir e apresentar suas propostas.
Ouça o áudio.

DIÁRIO DO SERTÃO

Próximo!



Numa das peças mais espirituosas do processo do mensalão, a defesa do réu José Genoino, presidente do PT na época do ocorrido, sustenta que a lambança, “como o Boitatá e o Saci-Pererê, jamais existiu.

Concluído o julgamento da primeira fatia dos autos, verificou-se que, no capítulo que se desenrolou na Câmara, o saci era bípede, aceitava propina, ajeitava negócios e lavava dinheiro.

O ex-réu João Paulo, agora condenado, renunciou à candidatura a prefeito de Osasco. Deu-se na noite passada, numa reunião com correligionários. O petista Jorge Lapas, que era o vice, passou à condição de titular. O novo segundo da chapa será outro petista: o vereador Valmir Prascidelli.

Uma das testemunhas do funeral político do saci-pererê conta que o prefeito petista de Osasco, Emídio Souza, pediu à tropa que enxugue as lágrimas e redobre os esforços para eleger o novo candidato. Líder nas pesquisas, o tucano Celso Giglio desponta como o maior beneficiário do final infeliz da lenda companheira.

As manchetes de jornais brasileiros nesta sexta-feira


GloboA hora do mensalão – Empréstimos ao PT eram fictícios, diz relator

JornaldoBrasil: Mensalão: Relator começa a julgar cúpula do Banco Rural

Extra: Militares receberão aumento de 30% até 2015

O Dia: Fifa muda tabela para Brasil jogar no Rio antes da final

EstadãoPressionado pelo PT, João Paulo desiste de concorrer em Osasco

FolhaJoão Paulo sofre nova condenação e abandona eleição

ValorEconômico: Licenças de mineração estão suspensas até o novo código

ZeroHoraNova regra dá escolha a pacientes terminais

Estado de MinasProrrogação do IPI reduzido não garante carro novo

CorreioBrazilienseOrçamento prevê 30% de aumento a militares

DiáriodoNordeste: [Eleição] Pesquisa mostra mudança

O Povo: Moroni lidera, Roberto Cláudio e Elmano disputam 2º lugar

CorreiodaBahia: Nova chance para quem está na fila do carro novo

DiáriodePernambuco: Dois mundos e um só caminho

JornaldoComércio: Patrulha do Bairro está de volta às ruas

TribunadoNorte: TJRN paga 13,9% dos precatórios e tem o 3º pior desempenho

JornaldaParaíba: Paraíba lidera acúmulo de precatórios no Nordeste

quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Seja feita a Justiça!

Sugestão de José Alencar Formiga

Do 'Boiga' do Tião Lucena. Nós subscrevemos, com orgulho, as palavras do grande Tião. Agnaldo Almeida merece.

Parabens pra Agnaldo, nesta data querida...


Hoje é o aniversário de Agnaldo Almeida, esse moço da foto. Dito assim, até parece um acontecimento comum, mas não é, de logo aviso. 

O aniversariante é um dos maiores jornalistas da Paraíba e tem talento para exercer a profissão em qualquer parte do país. Mas não é só isso: ele é uma pessoa arretada, um amigo na exata expressão da palavra, um companheiro de velhas batalhas, de inesquecíveis labutas, de boêmias recordações

Quando cheguei aqui ele já era editor de A União, embora somente dois anos nos separem. Sempre foi assim, começou grande, ficou enorme e hoje não há quem possa medir sua dimensão. Ao neguim, como o chamamos, o desejo sincero de muitos aniversários daqui pra frente. E não esqueça de guardar meu pedaço de bolo com kisuco de groselha.

Nosso adeus ao Min. Cezar Peluso por sua aposentadoria no Supremo Tribunal Federal. Um exemplo de grande magistrado!


Constrangimento nacional
Eliane Cantanhêde
Folha de São Paulo

BRASÍLIA - A despedida do ministro Cezar Peluso foi não apenas um bom e digno momento do julgamento do mensalão, mas também do próprio Supremo Tribunal Federal.

Peluso, com seus 45 anos de carreira no Judiciário, poupou-se de críticas inevitáveis se votasse em todo o processo antes da manifestação do relator e do revisor, que seria como usurpar a função de ambos. Votou só no primeiro capítulo.

Evitou falar em "juridiquês", livrou réus, advogados e telespectadores de arroubos de vaidade e produziu um voto claro, muito bem argumentado, que merece aplausos.

Confirmou, assim, a condenação de todos os réus do primeiro capítulo, exceto os já absolvidos pela Procuradoria-Geral da República. Estão já condenados, além do óbvio Marcos Valério e de seus sócios, o ex-diretor do Banco do Brasil Henrique Pizzolato e o ex-presidente da Câmara João Paulo Cunha (PT).

O ministro condenou João Paulo a seis anos em regime semiaberto e a perda de mandato, já que ele cometeu os crimes na condição de deputado federal. Sem contar que as punições já começaram, pois ele não tem a menor condição de manter sua candidatura a prefeito de Osasco (SP).

Os demais réus, evidentemente, estão de barbas de molho, pois o julgamento embicou para uma condenação generalizada. Até aqui, o revisor Ricardo Lewandowski e o ministro Dias Toffoli estão isolados.

Isso, porém, deve ser visto com frieza e serenidade. Não há motivo para comemoração e fogos de artifício quando um dos principais partidos do país -e mais, o partido que mobilizou a nação com o discurso da ética- chega ao banco dos réus e às portas da prisão.

Disse Peluso: "Nenhum juiz verdadeiramente digno de sua vocação condena ninguém por ódio. Nada me constrange mais do que condenar um réu em matéria penal". Estamos todos constrangidos. E tristes.

Juiz tem independência firmada na própria Constituição e só a esta e à sua consciência deve submissão.


Coluna do Ricardo Setti

MENSALÃO: comportamento do Supremo até agora põe em cheque a tese — generalizante e injusta — de que ministros “comem pela mão” de quem os designou

O plenário do Supremo julgando o mensalão: julgamento do mensalão é teste para isenção de ministros nomeados por governos petistas (Foto: Valter Campanato /Agência Brasil)
As condenações que vêm sendo expedidas até agora no caso do mensalão pelo Supremo Tribunal Federal – sobretudo as que recaíram sobre as costas do primeiro grande figurão do PT, deputado João Paulo Cunha — são um forte e demolidor argumento contra a ideia, consideravelmente difundida, de que juiz indicado para a Casa por um presidente “paga” a designação, posteriormente, em sua atuação como magistrado.
A tese, como toda generalização, é injusta por definição. Mas vou mais além.
Vejam bem: dos 11 ministros em atividade, apenas três – Celso de Mello, Marco Aurélio e Gilmar Mendes – não foram indicados ao Senado por governos petistas.
E no entanto, até agora, não se pode em hipótese alguma e em sã consicência dizer que o tribunal, como um todo, esteja sendo dócil aos interesses do partido do governo – pelo contrário.
O relator do processo, ministro Joaquim Barbosa, vem sendo severíssimo e implacável. Foi indicado por Lula e assumiu em junho de 2003.
O presidente da corte, Ayres Britto, que decidiu que o mensalão seria julgado este ano, que fixou um calendário e pressionou para que o relutante ministro revisor, Ricardo Lewandowski, não empurrasse com a barriga para 2013 seu trabalho, foi indicado por Lula e assumiu em junho de 2003.
O ministro Cezar Peluso, cujo voto foi importantíssimo para condenar à cadeia João Paulo Cunha – o ministro fixou até a pena para o deputado –, também foi apontado por Lula e igualmente assumiu em junho de 2003.
No julgamento do mensalão, os ministros Luiz Fux,Cármen Lúcia e Joaquim Barbosa -- todos nomeados por governos petistas --, até agora implacáveis com a bandidagem, e Celso de Mello, um dos únicos não designados por Lula ou Dilma, mas não menos firme (Foto: Valter Campanato / Agência Brasil)
A ministra Cármen Lúcia, da mesma forma severa e imune às artimanhas jurídicas da defesa para livrar o deputado, é outra indicação de Lula, e tomou posse em junho de 2006.
O ministro Luiz Fux, cujo voto sobre lavagem de dinheiro pode mudar a jurisprudência do Supremo – ele lembrou que nunca há documentos escritos nem recibos que comprovem o crime e que a presunção de inocência em tais casos não pode ser absoluta, mas deve levar em conta a quantidade de indícios de crime – teve seu nome proposto ao Senado pela presidente Dilma, e tomou posse em março do ano passado.
A ministra Rosa Weber, que não tem tido contemplação para com o crime até agora, foi a segunda indicação da presidente Dilma ao Senado e ascendeu ao Supremo em dezembro passado.
O ministro do Supremo é um agente do Estado tão poderoso e com tantas garantias — não pode ser demitido por ninguém (só é afastado se cometer crime), não pode ser aposentado antes de completar 70 anos, não pode mudar de cargo, não pode ter os salários reduzidos, tecnicamente não deve nada a ninguém, em tempo algum — que só será submisso ao Executivo por razões de péssimo caráter. Que, naturalmente, incluem a possibilidade de ser corrompido.
Saulo Ramos: casos de subserviência são raros (Foto: veja.abril.com.br)
Claro que há exceções à regra quase geral do comportamento isento, mas acho que está correto o experientíssimo ex-ministro da Justiça Saulo Ramos, grande advogado e jurista que, em 2010, quando o consultei sobre que influência haveria no Supremo com tantos ministros sendo nomeados por um só presidente – Lula, que àquela altura faria sua nona indicação –, disse, entre outras coisas, o seguinte:
– Na longa história do Supremo Tribunal Federal são muito raros os casos de ministros nomeados por um presidente da República e que a este fiquem subservientes no posterior exercício da função. Houve alguns que até hostilizaram, em votos, seus patronos apenas para demonstrar sua total independência, o que também é mal pois demonstra parcialidade ao contrário…

Acidente envolve o cajazeirense Eduardo Pereira, em Brasília.


Um grande SUSTO!

Eduardo e Bira

Recebo nesta manhã, por voltas das 10.30h o telefonema de meu amigo ( vice-presidente da AC2B) Eriston Cartaxo, informando que o nosso Presidente AC2B, Eduardo Pereira, estava no Hospital de Base, vítima de uma grande acidente ocorrido próximo ao condomínio Solar de Brasília, no Lago Sul. Pense em um susto! De imediato, mobilizamos, via telefone, todos os nossos companheiros da AC2B, no sentido de nos encontrar logo em seguida no Hospital de Base. Não foi preciso. Para nosso alívio, Graças a Deus, mantivemos contato direto com Eduardo e ele se encontra muito BEM, apenas em observação devido a forte colisão de seu carro (Polo) com um Fiesta. 

O detalhamento desta noticia vem abaixo, cópia do Correio Brasiliense Web.

Hoje temos uma reunião de avaliação do último evento, Feijoada AC2B, a partir das 19horas na quadra 102 Sul e Eduardo já confirmou sua presença.

(bira)
................
Carros colidem de frente próximo ao Condomínio Solar de Brasília, no Lago

O veículo Polo Prata pertence ao nosso Presidente AC2B - Eduardo Pereira.

Dois carros colidiram de frente na DF-001, próximo ao condomínio Solar de Brasília, no Lago Sul, por volta das 7h40 desta quinta-feira (30/8). O Corpo de Bombeiros levou uma das vítimas de helicóptero para o Hospital de Base de Brasília. Outro ferido foi encaminhado de viatura para o Hospital Regional do Paranoá. Os dois estavam em estado grave e inconscientes.

Os veículos envolvidos no acidente foram um Fiesta vermelho, conduzido pelo gerente de posto de gasolina Aglínio Alves, 27 anos, e um Polo prata do funcionário público Eduardo Pereira, 51 anos. Ambos ficaram com a frente destruída e algumas partes do primeiro carro se espalharam pela via - a porta esquerda do lado do motorista foi arrancada com a violência da batida.

O administrador Waikynã Araujo, 23 anos, ia para o trabalho em um Palio pela mesma via e dirigia em frente ao Polo. "O Fiesta estava vindo no sentido contrário ao nosso e perdeu o controle, bateu na lateral do Palio e se chocou com o Polo", descreveu. Ele estava a uma velocidade de 70 a 80 km/h.

Desvio

O trânsito na DF-001, a Estrada Parque Contorno, foi fechado pelo Batalhão de Trânsito. Os carros que passam pela DF-025, a avenida principal do Lago Sul, e pelo balão que dá acesso à Ponte JK, tiveram que ser desviados.

Fonte Correio Brasiliense

Tenho dito!

Carlos Chagas

Viveu o Supremo Tribunal Federal, ontem, um de seus momentos mais altos. Aliás, altíssimo. Com o voto aguardado para hoje de seu presidente, Ayres Britto, serão nove ministros pronunciando-se pela punição da corrupção, do peculato e da lavagem de dinheiro, contra apenas dois ministros aferrados a argumentos em favor dos mensaleiros. Demonstra, a mais alta corte nacional de justiça, que nem tudo está perdido no Brasil.

Ayres Brito, Celso de Mello e Marco Aurélio

Ficou claro, ontem, que o mensalão existiu e está sendo exposto em suas entranhas. Mais ainda: que se João Paulo Cunha, Marcos Valério, Henrique Pizzolato e dois penduricalhos são culpados pela prática de um dos maiores escândalos verificados na história da República, o mesmo acontecerá com José Dirceu, José Genoíno, Delúbio Soares, Valdemar da Costa Neto, Roberto Jefferson e outros integrantes da quadrilha que durante os anos iniciais do governo Lula transformou o país na caverna do Ali Babá.

Aliás, caverna do Ali Babão, porque depois das sentenças finais poderá não sobrar pedra sobre pedra no edifício erigido pelo PT e aliados sobre o pantanal do poder. Claro que processualmente o ex-presidente Lula encontra-se blindado, ao tempo em que a presidente Dilma consegue passar ao largo da lambança, sem ter participado dela. Mesmo assim, está cabendo ao Supremo rasgar o véu da tradicional impunidade que nos assola.

É cedo para saber se os lambões vão parar na cadeia e se, atrás deles, seguirão montes de políticos e de empresários de diversos partidos que há tempos vem transformando o país num refugio de bandidos. Pode ser que as condenações não se traduzam em detenções e reclusões, tendo em vista o monte de expedientes e recursos que a lei faculta aos bandidos. Mas também pode ser que se venham acoplar o Bom Direito e a voz rouca das ruas.

O voto do decano Celso de Mello configurou peça digna de constar dos principais capítulos da nossa História. Isso depois que também brilharam Cezar Peluso, Gilmar Mendes e Marco Aurélio Mello. Demonstraram, os ministros mais experientes da corte suprema, terem sido bons professores do jardim de infância, porque na véspera Luís Fux, Carmem Lucia e Rosa Weber apoiaram, cada com suas nuanças, a linha geral determinada pelo relator Joaquim Barbosa, de inflexibilidade diante da corrupção.

Apenas Ricardo Lewandowski e Dias Toffoli formaram do outro lado, sustentado a absolvição dos réus. Terão tido seus motivos, democracia é assim mesmo, mas os passos iniciais do Supremo, vale repetir, exprimem tempos novos.

Da Coluna do Ancelmo Gois. Será que a doutora era íntima do juiz?

 Data vênia 

Acredite. Uma advogada deu entrada no TJ do Rio com um pedido de habeas corpus em que chama o magistrado de... “proficiência do inguinoescrotal julgador”. 

O desembargador José Augusto Neto, da 2ª Câmara Criminal da capital, antes de avaliar o pedido, decidiu convocar a causídica para explicar a razão de o tratar, digamos, com tanta intimidade

Como se sabe... 

“Proficiência” é habilidade, competência, aptidão. “Inguinal” é relativo ou pertencente à virilha. 
escrotal é... você sabe...

Normando de Dudu comunica o falecimento de Joaquim Moreira. Nossas condolências à família.

Em nome de toda família, expomos nossos sentimentos pela recente perda do nosso irmão Joaquim Moreira... Pense que o mesmo cumpriu sua missão e agora está nos braços do Senhor. Abraço fraterno...

Tá chegando a hora dos outros!

Petistas temem ‘efeito dominó’ após condenação 

Preocupação da cúpula do partido e do governo Dilma é que derrota da tese do caixa 2 leve à condenação de Dirceu, Genoino e Delúbio 

Vera Rosa
 O Estado de S. Paulo 

A cúpula do PT e o governo da presidente Dilma Rousseff temem o "efeito dominó" da condenação do deputado João Paulo Cunha (PT-SP) no processo do mensalão. A preocupação é que, se for por terra o argumento do caixa 2 petista para alimentar campanhas políticas de aliados, ministros do Supremo Tribunal Federal passem a condenar todos os homens do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, entre eles José Dirceu. 

Ed Ferreira/AE
 Argumentação de ministros traz risco para Dirceu 

Braço direito de Lula na Casa Civil, entre 2003 e 2005, Dirceu foi apontado pela Procuradoria-Geral da República como "chefe de organização criminosa" instalada no governo àquela época. Amigo do então presidente, João Paulo comandava a Câmara dos Deputados, José Genoino dirigia o PT e Delúbio Soares cuidava do cofre petista. 

Em conversas reservadas, ministros de Dilma afirmam que uma eventual punição para o grupo de Lula - e principalmente para Dirceu, considerado "réu símbolo" do processo - representa a condenação moral do governo dele. No Palácio do Planalto, a estratégia consiste em manter a presidente distante do julgamento no Supremo, como se nada se passasse do outro lado da Praça dos Três Poderes com o partido dela. 

Suplente. Na prática, porém, Dilma tem acompanhado tudo sobre as sessões no STF e mais de uma vez já confessou estar preocupada com Genoino, que é atualmente assessor do Ministério da Defesa. Se João Paulo perder o mandato de deputado, Genoino é o suplente na fila para assumir a cadeira dele na Câmara. Mas, caso seja condenado, pode não chegar lá. A situação aflige Dilma. 

Influência. Nesse cenário, há quem aposte que, com o grupo de Lula debilitado no PT, a presidente pode ganhar influência no partido depois das eleições municipais. Egressa do PDT, Dilma não tem trânsito entre as correntes petistas. No Rio Grande do Sul, onde iniciou sua trajetória política, ela é próxima da tendência Democracia Socialista (DS), que, no plano nacional, luta contra a hegemonia da corrente Construindo um Novo Brasil (CNB), de Lula e Dirceu. 

"Eu não acredito no enfraquecimento da CNB. Eles são como polvo, que às vezes submerge e logo em seguida volta com força total", afirmou o líder do PT na Câmara, Jilmar Tatto (SP). 

Integrante da tendência PT de Luta e de Massa, que se alia ao grupo de Dirceu na maioria das questões, Tatto também não crê que Dilma queira se envolver na vida partidária nem promover uma reciclagem no PT. "Não existe o PT do Lula e o PT da Dilma", insistiu. 

Defensor da anistia para José Dirceu na Câmara, o deputado Devanir Ribeiro (PT-SP) admite que os prejuízos com o julgamento do mensalão, nessa temporada de eleições, podem ser grandes. "Esse processo enfraquece o PT como um todo, é ruim para todos nós. Dilma, que não é de corrente A, B ou C, sabe disso", resumiu Devanir. "Eu só tenho a lamentar a decisão do Supremo", emendou o deputado André Vargas (PR), secretário de Comunicação do PT.

Ô povo desconfiado! Túlio 'Fogão' Maravilha vai fazer o milésimo gol, sim, no Botafogo!


Vale para o Supremo Tribunal Federal. Não vale para o Ministério Público! É como se diz: faça o que eu digo, mas....!

Lei de Acesso à Informação ‘não pegou’ no MP
Da Coluna de Cláudio Humberto

Contrariando o princípio da “transparência”, que tanto inspirou ações de procuradores na Justiça, o Conselho Nacional do Ministério Público interpretou de modo particular a Lei de Acesso à Informação. Ao contrário dos demais órgãos, obrigados a divulgar nominalmente os valores dos salários, o CNMP enxergou certa “exigência de individualização” na lei para limitar a divulgação às matrículas.

Decisão noturna

A decisão do CNMP ocorreu terça (28) na “calada da noite”, conforme expressão muito utilizada pelo Ministério Publico em suas denúncias.

Demorou

Sempre ativo na pregação de transparência, o CNMP demorou a “regulamentar” a lei federal, em vigor desde novembro de 2011.

Letra morta

A Lei de Acesso à Informação não se aplica ao MP: conselheiros do CNMP votaram pela divulgação nominal dos salários, mas perderam.

É gol!

Barbosa 1 X 0 Lewandowski
Josias de Souza- Charge do Paixão, via Gazeta do Povo.

A UFPB resiste!

Professores decidem continuar em greve
Professores rejeitam proposta feita pelo Ministério do Planejamento e decidem manter a greve, que já dura mais de 100 dias. 

Nathielle Ferreira
Jornal da Paraíba

Por 185 votos a 90, os professores da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) decidiram manter a greve, que já completou 105 dias na instituição. A decisão foi tomada ontem, durante assembleia geral, realizada no Centro de Vivência do Campus I da universidade, em João Pessoa. Nova assembleia está marcada para a próxima quarta-feira.

Com a manutenção do movimento, os professores da UFPB rejeitaram a proposta feita pelo Ministério do Planejamento, que prevê reajustes salariais entre 20% a 45%, de acordo com o nível de escolaridade. Segundo Marcelo Sitcovsky, representante do Comando de Greve da UFPB, apesar de apresentarem índices altos, o reajuste oferecido não contempla as reivindicações da categoria. “A maior parte desses índices só vai beneficiar 5% dos docentes”, declarou.

Através da assessoria de imprensa, o Ministério do Planejamento informou que as negociações com os professores estão encerradas desde a semana passada e que o assunto não está mais, sequer, na pauta de reuniões do governo. Conforme a assessoria, a proposta feita aos docentes já está inserida no orçamento de 2013 e será encaminhada amanhã para votação no Congresso Nacional. Um novo aumento salarial com os professores só será discutido em 2015.

O MEC informou que já encaminhou às universidades recomendações para que sejam criados calendários de reposição de aulas, assim que os movimentos terminarem.

As manchetes de jornais brasileiros nesta quinta-feira.


GloboA hora do mensalão – Petista que presidiu Câmara é condenado por corrupção

JornaldoBrasil: Maioria do STF condena ex-presidente da Câmara por corrupção

Extra: Três mil motoristas auxiliares receberão autonomia de táxis

O Dia: O verdadeiro ladrão

EstadãoMaioria do Supremo condena João Paulo por corrupção passiva

FolhaSTF condena petista por corrupção

ValorEconômico: Caixa vai criar banco de investimento

ZeroHoraOfensiva do Planalto tem juro e imposto menores

Estado de MinasMensalão – Ex-presidente da câmara é condenado

CorreioBrazilienseCondenado

DiáriodoNordeste: Confusão na Câmara [Vereadores se acusam de 'bandido' e 'ficha podre']

O Povo: Lei de Cotas já vale para o próximo Enem

CorreiodaBahia: Mensalão: 5 condenados

DiáriodePernambuco: Empresário pode ter pago para ser morto

JornaldoComércio: Redução do IPI prorrogada

TribunadoNorte: Caixa aumenta valor de imóveis e subsídios do 'Minha Casa'

JornaldaParaíba: Poupança rende menos com novo corte de juros