terça-feira, 18 de junho de 2019

A capital paraibana, João Pessoa, está sob intensas chuvas. Este era o retrato da tarde de hoje.

Foto de Clilson Júnior

Dona Edi Alves, 53 anos, mãe de 8 filhos. Uma heroína que teve a vida ceifada em razão de um vandalismo sem propósito

Morre mulher que inalou fumaça durante protestos em Belo Horizonte
Edi Guimarães estava em um ônibus quando a Avenida Antonio Carlos foi fechada durante manifestação na última sexta-feira (14).
G1 Minas — Belo Horizonte

A mulher que estava no ônibus a caminho do trabalho e inalou fumaça de uma barricada de pneus queimados na Avenida Antônio Carlos, na Região da Pampulha, na última sexta-feira (14), morreu na tarde desta segunda-feira (17). Edi Alves Guimarães, de 53 anos, estava internada no CTI do Hospital Risoleta Neves.

Ela era mãe de oito filhos e passou mal perto de um protesto contra a reforma da Previdência, em frente à Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). De acordo com a Polícia Militar (PM), policiais socorreram a vítima que, a caminho do hospital, teve duas paradas cardiorrespiratórias dentro da viatura.

Edi Alves Guimarães morava em Santa Luzia, na Região Metropolitana, e seguia de ônibus para Belo Horizonte, onde trabalha. O tenente-coronel Bruno Assunção, que atendeu a ocorrência, disse que o ônibus onde ela estava era o primeiro em frente à manifestação. Por conta da proximidade, ela inalou muita fumaça.

Segundo Arthur Alberto Braga Guimarães, coordenador do pronto-socorro do Hospital Risoleta Neves, a paciente chegou inconsciente, em estado grave, e foram realizadas medidas de reanimação. Em seguida, Edi foi sedada, entubada e transferida para o CTI.

Ela morreu às 14h30 desta segunda-feira, de acordo com o hospital.
Manifestantes fecham a Avenida Antônio Carlos, próximo à UFMG. 

Eleição no Ministério Público Federal

O presidente da Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR), Fábio George Cruz da Nóbrega. 

'Não há dúvida sobre a nulidade das provas' no caso Moro, diz presidente da ANPR

Em entrevista ao Jornal da CBN, Fábio George Cruz da Nóbrega disse que a Procuradoria-geral da República tem 'missão fundamental' no combate à corrupção e pediu 'cautela' em relação a conversas vazadas. Mais de mil procuradores vão às urnas nesta terça-feira para escolher os nomes que farão parte da lista tríplice da PGR. A partir dela, o presidente Jair Bolsonaro vai indicar quem assume o comando da instituição.

Segura a onda, companheiro.

Medo da morte mantém a boca de João Vaccari fechada
Lívia Martins - Jornaldacidadeonline
Com longas sentenças condenatórias para cumprir, o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto mantêm-se totalmente calado, emudecido e conformado.

É o silêncio que lhe garante a vida.

Preso há quatro anos, Vaccari completou 60 anos em outubro do ano passado e parece estar convencido de que irá passar o resto de sua vida no xilindró.

Em 2016, o ex-tesoureiro chegou a se movimentar no sentido de fazer uma delação premiada.

O alvo principal seria Dilma Rousseff.

Uma comitiva de petistas, comandada pelo ex-ministro Afonso Florence conseguiu convencê-lo. Ninguém sabe quais os argumentos utilizados.

Certa feita, dentro da cadeia, questionado sobre a questão da delação, o petista confessou o seu drama:

“Não posso delatar porque sou um fundador do partido. Se eu falar, entrego a alma do PT. E tem mais: o pessoal da CUT me mata assim que eu botar a cara na rua”.

Esse relato foi testemunhado por diversos outros presos. A revelação foi feita pela Revista Veja, em 2016.

O fato é que Vaccari optou por continuar vivo, mesmo preso.

Deu chabu?

Polícia Federal puxa o fio do novelo que pode levar a invasão de celulares de procuradores da Lava Jato
Jornaldacidadeonline

A Polícia Federal desencadeou nesta terça-feira (18) a Operação Chabu.

Os trabalhos ainda estão em pleno andamento com o cumprimento de 23 mandados de busca e apreensão e 7 de prisão temporária, todos expedidos pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4).

As investigações apontam a prática de crimes de associação criminosa, corrupção passiva, violação de sigilo funcional, tráfico de influência, corrupção ativa, além da tentativa de interferir em investigação penal que envolve organização criminosa.

O termo “Chabu” significa “dar problema” e era utilizado por componentes da quadrilha para alertar que alguma operação policial iria ocorrer.

A PF identificou que a organização criminosa teria formado uma rede de políticos, empresários e servidores da própria corporação e também da PRF lotados em órgão de inteligência e investigação.

O prefeito de Florianópolis Gean Loureiro está entre os presos. Um delegado da Polícia Federal, Fernando Caieron, também recebeu ordem de prisão.

Existe uma fundada desconfiança de que essa quadrilha pode estar ligada a invasão de celulares dos procuradores da Operação Lava Jato.

Aguardemos os desdobramentos.

Vem ‘chumbo grosso’ por ai.

Mensagens privadas roubadas consideradas como provas?


“O STF pode gerar uma monstruosidade jurídica” 
O Antagonista

O ex-advogado-geral da União Fábio Medina Osório disse que o Supremo pode criar um perigoso precedente se resolver levar em contas as mensagens roubadas de Deltan Dallagnol e Sergio Moro para julgar eventual anulação da condenação de Lula no caso do triplex.

“Pela teoria dos precedentes, o STF pode gerar uma monstruosidade jurídica. Para apurar a inocência de Lula ou a suspeição de Moro, teria que abrir uma investigação para aferir a autenticidade dos diálogos publicados pelo The Intercept”, afirmou a O Antagonista.

“Tal postura agrediria jurisprudência pacífica da Corte que impede abertura de investigação com base em provas obtidas por meios criminosos. E mais: prestigiaria metodologia investigatória de organizações criminosas contra autoridades públicas, podendo abrir perigoso caminho para invasões de equipamentos de outros agentes do Estado brasileiro.”

Na capa do jornal Estado de Minas


Na capa do jornal Correio Braziliense


Os destaques do jornal Diário de Pernambuco


segunda-feira, 17 de junho de 2019

O nosso sentido adeus ao inesquecível Raimundo Ferreira.

Morre aos 88 anos, o empresário e ex-candidato a prefeito de Cajazeiras, Raimundo Ferreira
ResenhaPolitika

A filha do empresário Raimundo Ferreira, a advogada e corretora de imóveis, Andrea Lopes, usou as redes sociais na noite deste domingo (16) para confirmar a morte de seu pai, aos 88 anos de idade. O empresário morreu em casa no estado do Ceará.

O empresário que se tornou politico na Terra do Padre Rolim, morava em Juazeiro do Norte há vários anos e sofria com várias complicações de saúde, onde fazia tratamento em sua própria residência com uma equipe especializada.

Raimundo Ferreira marcou história em Cajazeiras, sendo o fundador da Viação Brasília, que inicialmente com três ônibus fez a linha Cajazeiras á São Paulo saindo uma vez por semana. A sua paixão por Cajazeiras era tanta, que ele construiu um dos primeiros, se não o primeiro terminal rodoviário da Paraíba, antes mesmo que João Pessoa e Campina Grande. Foi também o primeiro terminal rodoviário vertical com hotel, área de lazer, lanchonetes e lojas com denominação de Edifício Antônio Ferreira.

Nas redes sociais vários amigos da família se solidarizam com a morte do empresário e fazem postagens de agradecimento pelo legado deixado por Raimundo Ferreira.

O advogado, Dirceu Marques Galvão, lembrou-se da trajetória do ex-político que segundo ele era seu ídolo.

“Morreu às nove da noite de ontem, dia-16, em Juazeiro do Norte-CE, o "forasteiro" como era conhecido em Cajazeiras e meu ídolo político de infância, Raimundo Ferreira. Ele que teve uma história de luta por nossa terrinha. Foi um empresário de sucesso na terra do padre Rolim. Amava Cajazeiras como se essa fosse sua cidade natal. Candidatou-se a prefeito, mas foi derrotado nas urnas por duas vezes. Pena que os cajazeirenses não souberam retribuir esse carinho dele por nós,” escreveu.

O velório do empresário Raimundo Ferreira será a partir das 17 horas desta segunda-feira, no Centro de Velório Anjo da Guarda, na Sala Ternura, em Juazeiro do Norte, com missa de corpo presente às 9h da terça-feira, seguida de seu sepultamento às 10 h no Cemitério Parque Anjo da Guarda

CARREIRA POLITICA
Na politica cajazeirense Raimundo Ferreira, em 1963, pelo PSB, entrou numa disputa ferrenha com Chico Rolim, Acácio Braga Rolim e José Leite Furtado, amargando um 3º lugar com 2.120 votos obtidos. Após o golpe militar de 1964, Raimundo Ferreira filiou-se ao MDB e, na eleição municipal de 1969, travou, mais uma vez, uma guerra pela prefeitura cajazeirense com o candidato da ARENA, Epitácio Leite Rolim. O resultado foi uma esmagada e sofrida derrota, com o seu opositor obtendo 6.548 votos, e Raimundo Ferreira apenas 2.324 votos. Uma maioria prol Epitácio de 2.324 sufrágios. Uma humilhação e vergonha para um homem que, modestamente, vinha investindo tanto no progresso da cidade. Desgostoso por não ter da população cajazeirense uma resposta positiva e um reconhecimento pelo muito que vinha fazendo pela cidade, Raimundo Ferreira deu adeus a política partidária e passou a se dedicar exclusivamente a atividade empresarial.

O nosso adeus ao grande Raimundo Ferreira.

Raimundo Ferreira está na história de Cajazeiras

Raimundo Ferreira fez História e contribuiu de uma maneira muito forte no processo político de Cajazeiras e mais ainda como um vitorioso empresário do setor de transportes e hotelaria.

Divulgou além de nossas fronteiras o nome de Cajazeiras com sua Banda de Música Feminina.

Foi marcante a sua vida social, enquanto membro da diretoria do Clube Primeiro de Maio, quando realizou grandes festas com cantores de renome nacional.

Foi uma tradição a distribuição de alimentos que todos os anos no período da semana santa.

Cajazeiras tem um débito filial com Raimundo que temos obrigação de resgatar

Adeus, Raimundo Ferreira, um grande homem que honrou a terra que o adotou.

Adeus, Raimundo Ferreira

Morreu às nove da noite de ontem, dia-16, em Juazeiro do Norte-Ce, o "forasteiro" como era conhecido em Cajazeiras e meu ídolo político de infância, Raimundo Ferreira. Ele que teve uma história de luta por nossa terrinha. Foi um empresário de sucesso na terra do padre Rolim. Amava Cajazeiras como se essa fosse sua cidade natal. Se candidatou a prefeito, mas foi derrotado nas urnas por duas vezes. Pena que os cajazeirenses não souberam retribuir esse carinho dele por nós.

Seu velório será a partir das 17 horas desta segunda-feira, no Centro de Velório Anjo da Guarda, na Sala Ternura, em Juazeiro do Norte, com missa de corpo presente às 9 h ( manhã ) da terça-feira, seguida de seu sepultamento às 10 h. Local: Cemitério Parque Anjo da Guarda

Descanso eterno pra ele. Abraço fraterno na família, em nome da amiga Andréa Lopes.

sábado, 15 de junho de 2019

A Venezuela vai se desfazendo...

Morrer vira "solução" para sair da crise na Venezuela e número de suicídios explode
RFI - As Vozes do Mundo
Oriane Verdier, enviada especial a Caracas
As dificuldades provocadas pelas crise na Venezuela têm feito a população banalizar a ideia da morte. 

A crise econômica e política que atinge a Venezuela tem provocado estragos em vários âmbitos da sociedade. O país, que sofre de uma inflação galopante, violência nas ruas e pobreza extrema, vem registrando os maiores números de suicídio do continente americano.

Desde o ano passado, com a agravamento da crise, a Venezuela enfrenta uma alta nos índices de suicídio. O número de pessoas que tiraram sua própria vida quadruplicou nos últimos quinze anos, mas o fenômeno se acelerou desde o ano passado. Quase 800 casos foram registrados apenas na capital Caracas em 2018.

“A cada semana recebemos, em média, quatro novos casos de pacientes com pensamentos suicidas”, conta Marisol Ramirez, presidente da rede nacional Psicólogos Sem Fronteiras, um dos serviços que, junto com a Federação dos Psicólogos da Venezuela, criado no ano passado, oferecem atendimento acessível para a população.

Segundo a psicóloga, é cada vez maior o número de pessoas que veem na morte uma possível solução para seus problemas. “Os pacientes dizem: se eu estivesse morto, minha família não teria mais que se cansar para encontrar remédios e cuidaria dos meus filhos. Elas vivem pensando que podem ser assassinadas, que podem morrer...”, conta Marisol. “As pessoas falam da morte com tanta naturalidade. Parece até ser uma opção como outra qualquer”, continua a psicóloga.

Crianças suicidas

O que mais impressiona a presidente da Psicólogos Sem Fronteiras é o aumento de menores entre seus pacientes. “Já recebemos crianças que diziam que a mãe tinha se refugiado no exterior, que não queriam morar com tias ou avós e, por isso, tinham vontade de morrer”, relata.

“Essa semana mesmo recebemos duas crianças que não sabiam como fazer a lição de casa em razão dos cortes de eletricidade que atrasaram os programas escolares. As famílias estavam muito preocupadas, pois os filhos disseram que a solução seria morrer. A gente constata que, aos poucos, a ideia da morte se banaliza na sociedade venezuelana”, analisa a psicóloga.

Apesar dessa constatação, o termo suicídio ainda é um tabu no país. As autoridades acusam os que ousam usar essa expressão de fazerem apologia à morte. Uma maneira indireta de não reconhecer um dos sintomas das dificuldades enfrentadas atualmente pela sociedade venezuelana.

O nosso Cristo Rei, em Cajazeiras, merece ser preservado e recuperado em todo o seu significado. Vejam o vídeo do Movimento Cristo Rei.

Enviado por Josias Farias

Quem mandou matar Celso Daniel, prefeito do PT na cidade de Santo André?

Senadora confirma diálogo vazado com Moro e diz que teme pela vida de Marcos Valério no caso Celso Daniel
Jovem Pan 

A senadora Mara Gabrilli (PSDB-SP) confirmou, em entrevista ao programa Os Pingos nos Is, da Jovem Pan, nesta quinta-feira (13), a autenticidade de seu diálogo com o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, vazado pelo site The Intercept Brasil no último domingo (9).

“A conversa existiu, sim, e foi praticamente um ano depois que aconteceu a Carbono 14, em 1 de abril de 2016”, disse Gabrilli, citando a fase da operação Lava Jato que liga o assassinato do ex-prefeito de Santo André Celso Daniel, em 2002, ao caso do Petrolão.

Na conversa vazada, Mara Gabrilli pediu ao então juiz Sergio Moro para que o Ministério Público ouvisse Marcos Valério, publicitário envolvido no escândalo do mensalão. Apesar de ter procurado Moro enquanto era deputada federal, a senadora ressaltou que tem um interesse pessoal no caso Celso Daniel. “A minha família foi vítima disso. Desde muito antes de pensar em ser política busco justiça nesse caso”, afirmou.

Os Gabrilli atuavam no setor de transportes de Santo André e foram extorquidos por uma quadrilha que desviava dinheiro público da prefeitura da cidade. Entre os membros dessa quadrilha estavam Ronan Maria Pinto e Klinger Oliveira Souza, ambos condenados por corrupção. O pai da tucana foi um dos empresários que denunciaram a atuação dos criminosos.

“Eu sou vítima disso”, disse Mara Gabrilli sobre o caso de Santo André. “Vi meu pai adoecer e minha irmã mudar de cidade por conta disso”, desabafou.

Conversa com Marcos Valério

Mara Gabrilli ainda falou que foi conversar com Marcos Valério no presídio de contagem, em Minas Gerais, onde o publicitário estava preso. No primeiro encontro, ele não quis falar sobre o caso Celso Daniel. “Ele tinha muito medo de falar sobre esse tema porque tinha medo de morrer”, disse. Ela ressaltou que teme pela vida do empresário. “A gente está lidando com gente que mata mesmo. Temo pela minha família e pela vida do Marcos Valério.”

A senadora, então, fez um ofício ao procurador-geral de Justiça de São Paulo, Gianpaolo Smanio, para que o Ministério Público ouvisse Valério. Ele, no entanto, já havia fechado um acordo de delação premiada com a Polícia Federal e se recusou a falar com o MP.

Para Mara Gabrilli, Sergio Moro “mudou a história do nosso país” com as condenações da Lava Jato. “Ninguém acreditava até então que um ex-presidente pudesse ser preso. Ele diferenciou bandido de outras coisas e mostrou que ninguém está acima da lei”, disse.

Ela acredita que este é o momento ideal para que o caso Celso Daniel seja finalmente resolvido. “A gente está desvendando tantos mistérios e colocando tantos políticos na cadeia, então que a gente aproveite esse impulsionamento que o Sergio Moro deu e esclareça logo esse caso do Celso Daniel, que é uma mácula”, pediu.

Na balança...

Imagem relacionada
CláudioHumberto

O que é mais grave: juiz orientar ou presidente da República afanar?

Bispos da Regional Nordeste 01 publicam Nota contra a posição do STF, que criminalizou a homofobia.

 

sexta-feira, 14 de junho de 2019

Resultado da greve...

CDL lamenta ameaças e depredação do patrimônio privado durante greve geral em Campina Grande
Ascom. 

A Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Campina Grande, em nota enviada à imprensa nesta sexta-feira, 14, reprovou a manifestação da greve geral ocorrida hoje na cidade, elencando a depredação ao patrimônio privado e ameaças sofridas aos comerciantes do centro comercial.

Conforme a nota, os manifestantes não só depredaram o patrimônio, como incitaram a violência e ameaçaram os lojistas, que tiveram que fechar as portas.

Confira a nota na íntegra:

A Câmara de Dirigentes Lojistas – CDL Campina Grande vem a público externar seu repúdio a ação criminosa orquestrada por sindicalistas e grupos políticos de esquerda que, no início da tarde desta sexta-feira (14), provocou uma série de transtornos ao comércio da cidade e promoveu o incentivo a violência e a depredação do patrimônio privado.

Lamentamos a postura irresponsável desses grupos partidários que usam sindicatos e trabalhadores inocentes como escudos para impor ideologias ultrapassadas e com fraca adesão popular.

Esclarecemos aos nossos associados e ao público em geral que a CDL solicitou por meio de ofício, ao comando da Polícia Militar da Paraíba, o reforço da segurança na área do Centro da cidade. Mesmo assim, no momento em que lojas eram depredadas e lojistas ameaçados não foi possível localizar nenhum policial fazendo o trabalho de monitoramento da área ocupada.

Sendo assim, repudiamos a omissão do comando da Polícia Militar por não garantir a segurança da população e permitindo que prejuízos fossem causados aos lojistas e trabalhadores no pleno exercício de suas atividades.

A CDL reconhece o direito constitucional da promoção de manifestações, porém defende que o cidadão comum deve ser livre para decidir se deve ou não aderir a estes movimentos.

É de nos causar indignação as imagens de trabalhadores comuns sendo impedidos de adentrarem aos seus recintos de trabalho e de comerciantes obrigados a fechar as portas das suas lojas temendo as claras ameaças de invasões.

A Diretoria

Mais um milagre de Bolsonaro: fazer um flamenguista deixar de ser flamenguista! Abreu vai virar vascaíno?


As manchetes de jornais brasileiros nesta sexta-feira

FolhadeSãoPaulo: Apesar de concessões, relator mantém pilares da Reforma

Globo: Bolsonaro exalta legado de Moro: "Não tem preço"

- Estadão: Sérgio Moro: "Se quiserem publicar tudo, publique. Não tem problema"

Extra: Guia explica novas mudanças nas regras de aposentadoria

ValorEconômico: Previdência: relator taxa banco e corta fonte do BNDES

ZeroHora:  Decisão do STF torna homofobia crime comparável ao de racismo

EstadodeMinas: Febre maculoso: caminhos perigosos

CorreioBraziliense: Servidor público terá transição mais suave na nova Previdência

CorreiodaBahia: Ônibus tomba de ribanceira e deixa 27 feridos

DiáriodePernambuco: Chuvas deixam três mortos, cinco feridos e seis soterrados

DiáriodoNordeste: Governo cede para ampliar apoio à reforma

-CorreiodaParaíba: "Bate e volta" para festas juninas custa até R$ 199

quinta-feira, 13 de junho de 2019

Prestigie a comemoração dos 80 anos do Cristo Rei, em Cajazeiras. Compareça.


Teste de estádio para políticos: Bolsonaro e Sérgio Moro assistem ao jogo do Flamengo, em Brasília. Veja no vídeo.


Quem é o hacker das mensagens trocadas entre autoridades? É preciso saber.

Imagem relacionada
O Fórum Nacional de Juízes Criminais (Fonajuc) divulga NOTA sobre as mensagens entre o ex-juiz Sérgio Moro e o procurador do MPF, Deltan Dallagnol, que foram vazadas no domingo passado. Veja:

“O Fórum Nacional de Juízes Criminais (Fonajuc), instituição composta de magistrados estaduais, federais, militares e trabalhistas de todas as regiões do país, vem a público unir-se à preocupação expressada pelo povo brasileiro sobre os riscos às operações que combatem a corrupção.

O uso de estratagemas criminosos é e sempre será próprio daqueles que não respeitam a lei positivada e os direitos naturais, entendendo que seus interesses prevalecem sobre a dignidade de todos e de cada um de nós.

Enquanto policiais e agentes de segurança sucumbem nas ruas, também os promotores de justiça e juízes lutam para não sucumbir, em razão do poderio político e econômico. Como bem disse o desembargador Abel Gomes, do TRF-2, os ataques cibernéticos se restringem aos magistrados que decidiram contra os interesses daqueles investigados na operação Lava Jato.

É preocupante que o país fique refém de insinuações e divulgação de material que foi obtido de forma ilícita, o que por si só já fere os mais basilares princípios éticos e legais, e que sequer é de fato apresentado, se não de forma fracionada e editada.

O Fonajuc reforça a necessidade de respeito aos direitos e deveres constitucionais, ao sistema legal e se opõe a qualquer forma de tentativa de pervertê-los ou violá-los, notadamente para desconstruir o trabalho contra a corrupção que tem funcionado em vários níveis e com incontáveis atores como nunca antes na história.”

Fala aí, Gilmar Mendes...

Gilmar, enfim, condena invasão de celulares
Renan Ramalho - O Antagonista

Depois de atacar duramente a Lava Jato nos últimos dias, o ministro Gilmar Mendes finalmente resolveu criticar o crime de invasão do celular de Deltan Dallagnol e roubo de mensagens privadas trocadas com Sergio Moro e integrantes da força-tarefa.

“Isso precisa [ser investigado], independentemente de quem se tratasse, são autoridades. E claro, acho que todos nós devemos nos preocupar com essa questão da segurança. De fato, é preciso tomar providências em relação a isso, isso é extremamente sério”, disse.

O ministro parece ciente do risco de hackers invadirem também sistemas internos dos tribunais, nos quais juízes elaboram votos.

“Veja o tumulto que pode ocasionar uma invasão nessa área. Nós preparamos votos também no sistema, mas muitas vezes deixamos votos em elaboração e podemos mudar esse voto. Imagine o hackeamento ou a violação no meio da preparação de um voto. Isso pode ter resultados trágicos, passa a ter valor de mercado. Isso é muito grave.”

Tá cheio de gosto...

Veja os pedidos feitos pelo técnico Jorge Jesus à diretoria do Flamengo
Treinador chega ao Brasil para iniciar os trabalhos na próxima semana
O Dia

Jorge Jesus só chega em definitivo ao Brasil na próxima semana, mas já fez alguns pedidos à diretoria do Flamengo. Segundo o site "Globo Esporte", o treinador solicitou um equipamento para lhe auxiliar nas instruções táticas, uma grama mais baixa nos campos do Ninho do Urubu e a contratação de mais um atacante.

O desejo de Jesus é um jogador que saiba jogar atrás do centroavante, mas que tenha boa chegada na área, já que, em Portugal, ele costumava adotar o tradicional esquema 4-4-2, optando por um homem de área e um atacante com mais mobilidade.

Em sua visita ao Ninho do Urubu, na última semana, o português conversou com o funcionário que trata os gramados do local e solicitou que a altura seja reduzida de 22mm para 18mm. A mesma mudança deverá ser feita no Maracanã.

Quanto ao equipamento, Jesus pediu ao clube um material muito utilizado na Europa. Trata-se de um carrinho com um quadro acoplado, como se fosse uma prancheta.

Jorge Jesus chegará ao Brasil em definitivo na próxima semana. No dia 20, comandará seu primeiro treino com a equipe do Flamengo.

E?

Novo trecho de conversa mostra apoio de Fux a Moro e Dallagnol

Mais um trecho das conversas vazadas envolvendo o ministro da Justiça Sérgio Moro e o coordenador da força-tarefa da Lava-Jato, procurador Deltan Dallagnol foi divulgado na noite desta quarta-feira. Desta vez, além dos dois, o ministro do Supremo Tribunal Federal, Luiz Fux, foi citado. 

Na parte da conversa, Dallagnol reporta a Moro uma conversa que teria tido com o Fux e que teria recebido o apoio do ministro. Na sequência, o então juiz da 13ª Vara da Justiça Federal, em Curitiba, usa uma expressão em inglês para dizer que daria para confiar no ministro.

A troca de mensagem entre o procurador e o juiz da Lava-Jato ocorreu em 22 de abril de 2016. A conversa foi revelada por um jornalista do site The Intercept, em entrevista à Rádio BandNews FM

O procurador, que afirma no trecho ter sido o interlocutor com Fux, disse que estava satisfeito com o resultado da conversa. No trecho o ministro do STF, Teori Zavascki, morto em acidente de avião em 2017, é citado também. 

“O Ministro Fux disse quase que espontaneamente que Teori fez queda de braço com Moro e viu que se queimou, e que o tom da resposta do Moro depois foi ótimo. Disse para contarmos com ele para o que precisarmos, mais uma vez”, afirmou.

Na sequência brincou com o fato de Fux ter nascido no Rio de Janeiro. “Só faltou, como bom carioca, chamar-me para ir à casa dele..rs. Mas os sinais foram ótimos. Falei da Importância de nos protegermos como instituições”.

Na sequência da troca de mensagens, Sérgio Moro reage dizendo confiar em Fux. Ele comemora e usa uma frase em inglês, que significa em tradução livre que em fux nos confiamos. “Excelente. In Fux we trust”. Na continuação, Dallagnol posta as letras “kkk” que significam, na linguagem do aplicativo, que achou graça.

As manchetes de jornais brasileiros nesta quinta-feira

FolhadeSãoPaulo: Câmara desidrata texto da Previdência e tira capitalização

Globo: Ataques de hackers foram mais amplos

- Estadão: O teste do estádio: Bolsonaro e Moro são recebidos com aplausos no Estádio Mané Garrincha, onde foram ver CSA x Flamengo

Extra: Saiba tudo que vai mudar na reforma da Previdência

ValorEconômico: Após 10 anos, Klein deve retomar a Casas Bahia

ZeroHora:  Relator tira Estados e municípios de texto da reforma da Previdência

EstadodeMinas: Hacker pode ter forjado conversas

CorreioBraziliense: Ataque hacker contra a Lava-Jato vai além de Curitiba

CorreiodaBahia: Grupo de 40 estudantes sofre arrastão no Parque São Bartolomeu

DiáriodePernambuco: Estados e municípios estão fora da Reforma

DiáriodoNordeste: Gasto de microempresas com alvará deve cair 92%

-CorreiodaParaíba: 40% das operações de bancos é por celular

quarta-feira, 12 de junho de 2019

Deixe a dieta...Ouse. É Dia (e noite) dos Namorados...


E hoje à noite? Que tal ir ao Restaurante Fazenda Urbana, em Cajazeiras, e comemorar em alto estilo o Dia dos Namorados. Vai ter forró pesado!

 

Cultura em Cajazeiras! Teatro de qualidade. Vejam o convite e as imagens e prestigie com a sua presença.

"Nós trabalhamos com sonhos"

Convido você a vir sonhar junto com a gente neste domingo no Teatro ICA às 20h, com o Espetáculo "Lua de Mel" e participação da SCFV (Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos) da Prefeitura Municipal de Monte Horebe, através da Secretaria Municipal de Ação Social.

Não perca!
 
 
 

No Dia dos Namorados, não se esqueçam...


A Lava Jato é muito partidária mesmo...

Imagem relacionada
EM QUATRO ANOS, LAVA-JATO JÁ ALCANÇOU 14 PARTIDOS
O Globo (publicado em 08/04/2018)

Em quatro anos nas ruas, a Operação Lava-Jato já investigou mais de cem políticos, entre eles o presidente da República, ex-presidentes, ministros de Estado e caciques de partidos. Políticos de 14 legendas diferentes, de todos os espectros ideológicos, do PT ao PSDB, foram investigados e denunciados neste período. Os que têm direito a foro privilegiado, no entanto, têm escapado de pedidos de prisão.

A operação começou em 17 de março de 2014, com a Polícia Federal prendendo o doleiro Alberto Youssef, o empresário Enivaldo Quadrado, dono da corretora Bônus-Banval e mais 14 desconhecidos suspeitos de lavagem de dinheiro e corrupção. Parecia só mais uma das operações de médio ou pequeno porte da PF. Mas não era. Descortinou-se um rombo de mais de R$ 6 bilhões nos cofres da Petrobras e abriu-se a porta para apurar irregularidade em diversos níveis de poder.

As investigações envolveram mais de 30 grandes empresários, entre eles donos das dez maiores empreiteiras do país. Na coleção de investigados da Lava-Jato está ainda um expressivo número de lobistas, doleiros e operadores envolvidos na movimentação ilegal de dinheiro desviado da Petrobras e de outras áreas da administração pública. A Lava-Jato só não avançou até agora na seara do Judiciário. Um único inquérito, aberto para apurar suposto envolvimento de dois ministros do Superior Tribunal de Justiça (STJ) em obstrução das investigações, acabou sendo arquivado por falta de provas.
Lava-jato irrestrita
Em quatro anos, operação investigou políticos de quase todos os partidos e prendeu alguns dos empresários mais poderosos do país

Políticos poderosos na mira
No total, a Lava-Jato atingiu políticos de quase pelo menos 14 partidos, inclusive alguns dos principais expoentes das siglas

Grandes empresários que já passaram pela prisão 
A operação levou à cadeia alguns dos principais executivos do país

Marcelo Odebrecht ex-presidente da Odebrecht
Joesley Batista sócio do grupo J&F
Wesley Batista sócio do grupo J&F
Dalton dos Santos Avancini ex-presidente da Camargo Corrêa
Léo Pinheiro ex-presidente da OAS
Ildefonso Colares Filho ex-presidente da Queiroz Galvão
Eike Batista fundador do grupo EBX
Otávio Azevedo ex-presidente da Andrade Gutierrez e do conselho de administração da Oi
Ricardo Pessoa dono da UTC Engenharia
Dario de Queiroz Galvão Filho ex-presidente do grupo Galvão Engenharia

A operação em números
Lava-Jato expediu mais de 900 mandados
123 condenados por crimes como corrupção
953 mandados de busca e apreensão
227 conduções coercitivas
R$ 11 bilhões recuperados, de acordo com procuradores

Além do PT, O PMDB e o PSDB também sentiram o peso da operação. O presidente Michel Temer já foi alvo de duas denúncias. A primeira por corrupção. A segunda por envolvimento em organização criminosa e obstrução de justiça. Ele ainda é alvo de dois inquéritos criminais. As investigações já resultaram na prisão de boa parte de seus principais ex-auxiliares, entre eles Geddel Vieira Lima, após a descoberta de um bunker com R$ 51 milhões em Salvador. Uma das frentes da Lava-Jato também levou a pedidos de prisão do ex-presidente José Sarney, do ex-presidente do Senado Renan Calheiros e do ex-ministro Romero Juca, líder do governo Temer no Senado, mas eles foram negados pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

A Lava-Jato atingiu também os tucanos Aécio Neves (MG) e José Serra (SP) até então os dois mais influentes parlamentares do partido. Aécio foi flagrado pedindo R$ 2 milhões ao empresário Joesley Batista, um dos donos da JBS. O senador conseguiu escapar, no STF, de um pedido de prisão formulado contra ele pelo ex-procurador-geral Rodrigo Janot. Serra foi acusado de receber propina da Odebrecht. Parte dela, R$ 23 milhões, teria sido paga no exterior. O ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin, pré-candidato do PSDB à Presidência da República, também é alvo de um inquérito. Ele foi acusado por três delatores de receber dinheiro do caixa dois da Odebrecht nas eleições de 2010 e 2014.

Além de PT, PMDB e PSDB foram alvos da Lava-Jato políticos do PTC, PSB, SD, PR, PPS, PP, DEM, PC do B, PRB, PTB e PSD.

Vai ser forró até doer a sola dos pés...


Nesse São João eu quero é arrastar a chinela no chão ralar buxo com buxo 

Encostar mijador com mijador..

Açoita, São João.

Sugestão de Ba Freyre

É só ir no certo e infalível...

Sugestão de Clayton Mota

Vem reforço?

Caixa anuncia devolução de R$ 3 bilhões ao Tesouro: “Despedalada”
Ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que medida é resposta às "pedaladas" fiscais do governo de Dilma Rousseff
Metrópoles
O ministro da Economia, Paulo Guedes, anunciou, ao lado do presidente da Caixa Econômica Federal (CEF), Pedro Guimarães, que o banco estatal irá devolver R$ 3 bilhões ao Tesouro Nacional – responsável pela emissão de títulos da dívida do país. O valor é uma devolução de empréstimos feitos durante o governo da ex-presidente Dilma Rousseff (PT). A Caixa ainda deve R$ 43 bilhões ao Tesouro.

“Observe como a gestão é eficiente. O custo da dívida chega até a 18% ao ano. Ele está conseguindo não só fazer um favor à União, mas deixando o banco mais forte”, avaliou Paulo Guedes, em coletiva de imprensa. Segundo Guedes, a devolução do dinheiro representa uma “despedalada”, ou seja, um retorno do dinheiro que saiu dos cofres do Tesouro.

Pedalada fiscal é um termo que foi cunhado para se referir a operações orçamentárias realizadas pelo Tesouro Nacional, não previstas na legislação, que consistem em atrasar o repasse de verba a bancos públicos e privados com a intenção de aliviar a situação fiscal do governo. “Pedaladas foram usadas para favorecer empresas escolhidas”, destacou o ministro.

Contexto 
O movimento da Caixa deve ser seguido por outros bancos estatais. No total, as remessas ao Tesouro Nacional devem somar cerca de R$ 90 bilhões e envolver cinco instituições públicas: Caixa, Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Banco do Brasil, Banco Nacional do Nordeste (BNB) e Banco da Amazônia (Basa).

A expectativa da equipe econômica é receber cerca de R$ 30 bilhões desses bancos somente neste ano. A devolução foi, inclusive, uma orientação do ministro da Economia, Paulo Guedes, ao alto comando dos bancos públicos. Esses recursos devem se somar a cifras que a equipe econômica espera receber do BNDES ainda em 2019. No total, Economia deseja ver a devolução de R$ 126 bilhões.

O dinheiro vem em boa hora, considerando a agenda de ajuste fiscal do governo de Jair Bolsonaro (PSL). Os recursos contribuirão para reduzir a dívida pública. A devolução refere-se ao dinheiro recebido pelos bancos durante o governo petista para reforçar seu capital por meio da emissão dos chamados instrumentos híbridos de capital e dívida (IHCD).

Os municípios querem sair do sufoco...

Economia de R$ 6 bilhões: Famup faz campanha para inclusão de municípios na Reforma da Previdência
PolíticaParahyba
A Federação das Associações dos Municípios da Paraíba (Famup) entrou na campanha Movimento Municipalista pela Reforma da Previdência – Equilíbrio para o Brasil que pede a manutenção de Estados e Municípios na Proposta de Emenda à Constituição (PEC 6/2019) que trata da Nova Previdência. “Defendemos a aprovação da medida com a manutenção dos municípios e a sua aplicação imediata. Estamos em contato com nossa bancada federal para que defenda os interesses dos municípios”, disse o presidente da entidade municipalista George Coelho.

Com a aprovação da PEC haverá uma redução de despesa de R$ 41 bilhões em quatro anos e R$ 170 bilhões em dez anos com aposentadorias e pensões para os 2.108 municípios com Regime Próprio de Previdência Social (RPPS). A Paraíba possui 70 municípios com regimes próprios e a economia chega a R$ 748.399.048,64 em quatro anos e R$ 6.761.188.281,25 em 20 anos.

George destaca que a população vem vivendo mais e esse aumento da expectativa de vida fez com que houvesse um grande desequilíbrio nas contas da previdência, que chegou a um déficit orçamentário de R$ 270 bilhões em 2018 e pode chegar a R$ 300 bilhões este ano.

A campanha encabeçada pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM) destaca que o impacto positivo pode ser ainda maior para municípios com RPPS, uma vez que a economia real de cada Município, cuja previdência é totalmente capitalizada, o que importa é a alíquota patronal ordinária e suplementar. Nesses casos, o mais importante é a diminuição do déficit atuarial, que reduzirá, em média, 74%.

Outro ponto positivo, em que se embasou a campanha municipalista, é o fato de a PEC acabar incentivando Municípios criarem o regime próprio. Assim, a CNM estima redução média nas taxas de contribuição de 55% – referentes à alíquota patronal para o RGPS e ao Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

Deusdedit Leitão é um grande homem de bem e merece todas as homenagens. Parabéns.

Jacinta Fátima Almeida Leittão

Conselho Regional de Medicina (CRM) presta homenagem a Deusdedit Leitão pelos 50 anos de formado.